Exposição 'Barroco Itália Brasil - Prata e ouro' será aberta nesta terça na Casa Fiat de Cultura

Mostra reúne 40 peças que representam as diferentes visões do estilo

por Eduardo Tristão Girão 09/06/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Daniel Mansur/Divulgação
Imagem de Sant'Ana, peça de autoria de Aleijadinho, que integra a mostra 'Itália Brasil' (foto: Daniel Mansur/Divulgação )
Será aberta nesta terça-feira em Belo Horizonte a exposição 'Barroco Itália Brasil – Prata e ouro', na Casa Fiat de Cultura. A mostra reúne 40 esculturas, num paralelo entre a arte produzida aqui (madeira e ouro) e no país europeu (prata), evidenciando a metamorfose do barroco ao atravessar o Atlântico, no século 17. Com curadoria de Ângelo Oswaldo e dos italianos Giorgio Leone e Rossella Vodret, a mostra termina dia 7 de setembro e tem entrada franca.


Na parte brasileira, obras do mineiro Aleijadinho são maioria, com sete exemplares. “A seção mineira da exposição constitui um conjunto excepcional, raras vezes reunido. Temos peças extraordinárias do artista, incluindo uma imagem de Santa Luzia, da Matriz de Caeté, a primeira onde trabalhou numa grande obra, revelando toda a força prodigiosa de sua talha e o encantamento que infundia na estatuária”, avalia Ângelo Oswaldo.


As esculturas de Aleijadinho foram trazidas de Ouro Preto, Mariana, Sabará e Caeté. Entre outros artistas, o curador selecionou peças do Mestre de Piranga, Francisco Vieira Servas, e Valentim da Fonseca e Silva – no caso deste último, é a primeira vez que seus dois apóstolos serão exibidos em Minas Gerais, já que pertencem ao acervo do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro. Há também obra de Maurino de Araújo (que está vivo), numa demonstração de que a arte sacra mineira continua em transformação.

Napolitano Do lado italiano, foram trazidos para a capital mineira esculturas em prata de conceituados artistas ourives italianos representantes do barroco, a exemplo de Domenico Antonio Ferro, Domenico Capozzi, Filippo Del Giudice, Giovan Battista d’Aula, Giacinto Buonacquisto, Bartolomeu Granucci, Lorenzo Vaccaro, Tommaso Treglia, Michele Pane e Nicola Avitabile. Entre os destaques está o busto de São João Batista (1718-1719) feito por esse último, raridade do Museo Del Tesoro di San Gennaro, em Nápoles.


Embora o uso da prata em esculturas seja milenar (as máscaras da antiguidade grega e egípcia e artefatos de civilizações pré-colombianas são prova disso), sua consagração deu-se em Nápoles, conforme apontam especialistas. A partir do século 15, a arte sacra europeia impulsionou a suntuosidade das esculturas que compunham as igrejas do continente, e o verdadeiro apogeu dessa prática ocorreu no período barroco.

 

Barroco Itália Brasil – Prata e Ouro
Exposição de obras do barroco italiano e brasileiro. Desta terça-feira a 7 de setembro,  na Casa Fiat de Cultura, Praça da Liberdade, 10, Funcionários. De terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h. Entrada gratuita. Informações: (31) 3289-8900.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS