Peça 'Matéria-prima' desafia o público com questionamentos filosóficos e existenciais

Espetáculo do grupo espanhol La Tristura apresenta quebra das convenções teatrais e instaura clima de desconforto

por Carolina Braga 15/05/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Mario Zamora II/Divulgação
(foto: Mario Zamora II/Divulgação )
O espetáculo espanhol 'Matéria-prima', em cartaz até domingo no Teatro Francisco Nunes, dividiu o público na noite de estreia. Teve gente que saiu no meio, outros que torceram o nariz. Houve, principalmente, quem deixasse o local instigado a refletir mais. O comportamento diverso é a prova do impacto que a criação do grupo madrilenho La Tristura provoca. Em Matéria-prima não existem respostas.


A peça foge do convencional por vários motivos. O elenco é formado por quatro adolescentes de 13 anos, abordando questões ligadas ao mundo adulto. Apesar de integrar um festival de teatro, com o público diante de um palco, desde o início há a chamada “quebra da quarta parede”. Ao se distanciar do realismo, o La Tristura deixa claro que se trata de uma experimentação, cujo resultado não importa tanto quanto o processo.


Matéria-prima não tem narrativa. Ou seja, Ginebra Ferreira, Gonzalo Herrero, Siro Ouro e Candela Recio não contam uma história. É difícil falar deles como atores ou intérpretes. São corpos em crescimento, que estão ali com um papel definido, não somente enquanto personagens. Eles jogam bola, tomam banho de tinta, escorregam no palco. Brincam como crianças. Quando pegam o microfone, desabafam. Aí começa o desafio do espectador.


Os meninos falam da morte, da culpa, da maldade, da perda da inocência, do amor, dos sonhos. O contraste entre forma e conteúdo parece questionar: será o desabafo a parte adulta da coisa? Como saberemos se os que estão mais crescidos não conseguem mais pensar como crianças? Ginebra indaga: “Como éramos no começo? Quem se lembra?”. La Tristura mostra que os corpos têm significados. O exercício proposto para a plateia é o de abrir mão da ideia de infância e maturidade.

'Matéria-prima' lida com questões existenciais, e elas não têm idade. Ao alternar as perspectivas, a dramaturgia pergunta o que é ser gente, independentemente da idade, do corpo. Será que algum dia deixamos mesmo de lado a criança que somos? Utilizando como metáfora o ciclo do dia, a peça coloca o amadurecimento em relevo. Somos seres em expansão. “O que haverá depois de uma noite? Um dia. O que haverá depois de um amor? Outro amor”, como diz uma das partes do texto.


Itsaso Arana, Pablo Fidalgo, Violeta Gil e Celso Giménez, os integrantes do La Tristura, assinam a direção. A escolha é pelo palco limpo, com apenas uma cama de casal na lateral direita, o que também carrega significado. Tanto a iluminação de Eduardo Vizuete como a trilha original de Merran Laginestra são orgânicas à proposta. Principalmente a música, que ajuda a suportar o silêncio, tão difícil em tempos acelerados e tão necessário em momentos em que é preciso elaborar. Ao final, vale o recado projetado no fundo do palco: “Descanse sua mente e volte aqui”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS