Pesquisadores reúnem textos da 'Revista de cinema' em livro

Marcelo Miranda e Rafael Ciccarini apresentam acervo com as publicações mais expressivas da revista, sucesso na década de 1950 e 1960

por Carolina Braga 14/05/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulo Lacerda/Divulgação
Ciccarini destaca o ineditismo da proposta de reeditar artigos tão relevantes para a sétima arte (foto: Paulo Lacerda/Divulgação)
Para as gerações que não viveram a efervescência do Centro de Estudos Cinematográficos, o CEC, em Belo Horizonte, a Revista de cinema é quase um mito. Movidos pela curiosidade em conhecer mais o pensamento cinematográfico desenvolvido aqui naquela época e com a missão de tirar a publicação do ostracismo, os críticos e pesquisadores Marcelo Miranda e Rafael Ciccarini lançam hoje o livro Antologia Revista de cinema (1954–1957/1961–1964).

Editado em dois volumes, com prefácio assinado por Ismail Xavier, a obra reúne 98 textos dessa que é considerada uma das principais publicações sobre cinema que circulou nas décadas de 1950 e 1960 no Brasil. Foi criada por apaixonados, cinéfilos estrangulados pela carência de publicações reflexivas da área que se reuniram de forma independente para dar vazão a análises aprofundadas sobre a sétima arte. O então crítico do Estado de Minas Cyro Siqueira foi o articulista mais presente da publicação, que também contou com textos de Jacques do Prado Brandão, Guy de Almeida, Paulo Emílio Sales Gomes, Silviano Santiago e Maurício Gomes Leite, entre outros.

Reflexão Marcelo Miranda e Rafael Ciccarini dedicaram cinco anos para a organização da obra. As revistas originais foram consultadas e transcritas dos exemplares guardados na Escola de Belas Artes da UFMG. A escolha foi por reunir os textos em seções temáticas, já que muitas vezes tinham continuidade em outras edições. As colaborações estrangeiras foram deixadas de lado.

A seção dedicada ao neorrealismo italiano abre o primeiro volume. Os textos tecem desde considerações gerais sobre o movimento até indicações de como compreender a revolução que ele representou para o cinema. Ainda no primeiro livro estão discussões sobre os gêneros cinematográficos, além de ensaios críticos e a revisão do método crítico, série iniciada com o artigo ‘‘Problemas estéticos do cinema: a revisão do método crítico’’, de Cyro Siqueira.

“A revisão é a grande contribuição para reflexão sobre o cinema do Brasil”, afirma Marcelo Miranda. “E a discussão não acabou. Abordaram questões como se cinema fosse forma ou conteúdo, como a crítica se posiciona diante de um cinema diferente daquele que estava sendo visto até então, o que é a especificidade da linguagem.” Ainda segundo Marcelo Miranda, o debate se prolongou em outros nove textos publicados ao longo de 1954.

O segundo volume destaca principalmente a apreciação de filmes. Foram selecionadas textos sobre obras como Um corpo que cai, de Alfred Hitchcock; Os brutos também amam, de George Stevens; e Hiroshima mon amour, de Alain Resnais. “A sensação é de que a gente fez um trabalho apaixonado e sério. Não existe uma forma perfeita de se organizar aquilo. É uma proposta. Valeu muito a pena e é um alívio: é um absurdo esse negócio não ter sido feito até agora”, conclui Rafael Ciccarini.

Revista de Cinema
Lançamento hoje, das 18h até as 21h, na Livraria Quixote (Rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi). Preço: R$ 68 (volume 1) e R$ 78 (volume 2).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS