Começa este sábado nova temporada do projeto Janela da Dramaturgia

Programação traz leituras de textos inéditos e debates sobre o teatro em Belo Horizonte. Trabalhos serão editados em livro

por Carolina Braga 26/04/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ethel Braga/Divulgação
Participantes do projeto Janela da Dramaturgia 2014: Júlio Vianna, Juarez Dias, Glauce Guima, Daniel Toledo, Raysner de Paula, Vinícius Souza, Júnia Pereira, Luísa Bahia e Marco Túlio Zerlotini (foto: Ethel Braga/Divulgação)

Prestes a iniciar o terceiro ano de trabalhos, o projeto Janela de Dramaturgia mostra que ainda tem muito a oferecer. O percurso até aqui não foi tímido. Da ideia inicial de fomentar a dramaturgia local e, principalmente, apresentar quem são as pessoas que se dedicam a esse ofício na cidade, já são pelo menos três montagens de textos revelados no Teatro Espanca!, a casa do projeto.

O solo Get out!, de Assis Benevenuto, por exemplo, foi lido pela primeira vez no Janela de Dramaturgia. O mesmo se deu com Fábrica de nuvens, de Daniel Toledo, e Isso é para dor, de Byron O’neill. Anã Marron, texto de Marcos Coletta, também apresentado primeiro na primeira edição do projeto, está prestes a estrear na Funarte.

A partir de hoje, a nova temporada chega para reafirmar essa frente. Até setembro, serão apesentados 12 textos teatrais inéditos. Em cada um dos encontros mensais, serão duas leituras, seguidas de debates conduzidos por críticos/provocadores. Serão apresentados textos de Marco Túlio Zerlotini e Wester de Castro (maio); Juarez Dias e Wesley Marchiori (junho); Júlio Vianna e Vinícius Souza (julho); Daniel Toledo e Glauce Guima/Júnia Pereira (agosto); e Luísa Bahia e Raysner de Paula (setembro).

“Fomos entendendo o Janela com o tempo e aos poucos o projeto foi mostrando a demanda natural dos artistas e do público”, comenta Vinicius Souza, idealizador da iniciativa em parceria com a também dramaturga Sara Pinheiro. Até então realizado de maneira totalmente independente, pela primeira vez o programa terá recursos do Fundo Municipal de Cultura. Em um primeiro momento, as atividades serão ampliadas com diálogo com artistas de outros estados, além da realização de uma oficina de produção textual.

No fim de semana de abertura, Diogo Liberano (RJ) vai ler o inédito texto O narrador, de sua autoria, e Diones Camargo (RS) apresentará ao público mineiro Frames – um ensaio para R. W. Fassbinder. Leonardo Moreira, diretor da Cia. Hiato, não fará propriamente uma leitura, mas vai compartilhar as inquietações e ideias que tem sobre a dramaturgia contemporânea.

“Quando começamos, não tínhamos certeza de nada, nem se teria público para isso. Mas o Janela aconteceu. Hoje, precisamos organizar melhor o conceito do projeto. Trabalhamos em três frentes”, afirma Vinicius. Além da divulgação de novos autores e textos de BH, o projeto procura estimular a escrita e fomentar uma discussão sobre a dramaturgia do presente.

O plano, segundo Vinicius Souza, é publicar ainda este ano as peças lidas nas duas primeiras edições do Janela de Dramaturgia. Ainda não se sabe quantos volumes serão e como vão ser lançados. O certo é que por uma demanda do próprio público há o desejo de materialização do projeto. “Ainda não discutimos formato e em que circunstâncias isso vai ocorrer. O objetivo é lançar em setembro. É uma forma de suprir uma carência de publicações de textos teatrais e, de certa forma, fechar um ciclo”, afirma Vinicius Souza.

• PROGRAMAÇÃO

• Sábado

16h – Roda de conversa: Como você faz? Processos criativos em dramaturgia. Debatedores: Diogo Liberano (RJ), Eid Ribeiro (MG) e Marina Viana (MG). Mediadora: Luciana Romagnolli

18h – Leitura de texto: O narrador, de Diogo Liberano (RJ)
20h – Exposição de ideias com Leonardo Moreira (SP)
Convidado para escrita de crítica: Henrique Vertchenko

•  Domingo
16h – Roda de conversa: Como você faz? Processos criativos em dramaturgia. Debatedores: Assis Benevenuto (MG), Diones Camargo (RS) e Lígia Souza Oliveira (PR). Mediadora: Luciana Romagnolli  
18h – Roda de conversa: Onde está o espectador?
O espectador no processo de criação dramatúrgica. Debatedores: Leonardo Lessa (MG), Luiz Carlos Garrocho (MG) e Rita Gusmão (MG). Mediadora: Luciana Romagnolli
20h – Leitura de texto: Frames – um ensaio para
R. W. Fassbinder, de Diones Camargo (RS)
Convidado para escrita de crítica: Henrique Vertchenko


. Centoequatro, Praça Rui Barbosa, 104, Centro.  Entrada franca. Informações: www.janeladedramaturgia.wordpress.com.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS