Musical Cinderella investe nos efeitos especiais e história tradicional

Montagem fica em cartaz até domingo no Palácio das Artes

por Mariana Peixoto 25/04/2014 08:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Chico Audi/Divulgação
(foto: Chico Audi/Divulgação)
A história é a mesma, mas a maneira como é contada faz toda a diferença. O musical Cinderella, dirigido por Billy Bond, chega neste fim de semana ao Palácio das Artes em versão cheia de recursos especiais. O espetáculo conta com cenários 3D, efeitos de ilusionismo e até mesmo explosões, para contar a narrativa da plebeia que se torna princesa a um toque mágico. “Não fazemos versões esdrúxulas de personagens que todo o mundo conhece. Contamos a história tradicional (dos irmãos Grimm)”, comenta Bond, que já assinou os musicais O mágico de Oz, Peter Pan, A bela e a fera e Branca de Neve.

Com 22 atores em cena, o espetáculo, que estreou em 2013 em São Paulo, conta com 180 figurinos e cinco trocas de cenário. Já na entrada do Palácio das Artes, o público vai receber óculos 3D descartáveis. “Não é o tempo todo que há o 3D, mas em algumas cenas que são narradas com desenhos animados apresentados em telões. Não há exagero”, continua Bond.

Entre os efeitos que fazem com que o público se sinta dentro do conto de fadas estão neve e chuva que chegam até a plateia. O ilusionismo aparece em cenas cruciais, quando, por exemplo, Cinderella perde sua roupa cheia de trapos para usar um vestido de baile. “Essa transformação ocorre em menos de cinco segundos”, conta ele.

Os diálogos e as músicas são todos cantados em português, a exemplo dos espetáculos anteriores dirigidos por Bond. “As montagens não são para crianças muito pequenas e sim para a família inteira. Para conseguir a atenção dos adultos, fazemos espetáculos muito ágeis, que têm tanto drama quanto humor”, acrescenta o diretor. Bond comanda uma equipe de 50 profissionais, a maior parte deles presente em seus espetáculos anteriores.

 “Na realidade, ficamos em cartaz (durante um ano e meio, no máximo) com somente uma montagem, mesmo tendo outros musicais na carteira. O elenco é mais ou menos estável. Podemos mudar um personagem ou outro por causa das características físicas”, diz Bond, que além de rodar o país com seus musicais, também abriu frente para a América do Sul. Atualmente, seus espetáculos são apresentados no Chile, Argentina, Bolívia e Peru.

Números

22 atores em cena
50 profissionais nos bastidores
5 trocas de cenário
180 figurinos

CINDERELLA
Hoje, às 20h; amanhã, às 16h; e domingo, às 19h, no Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400.
Ingressos: setor 1: R$ 150 e R$ 75 (meia); setor 2: R$ 120 e R$ 60 (meia); balcão: R$ 90 e R$ 45 (meia).
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS