Sofisticada Companhia estreia montagem de 'Como matar a mãe - 3 atos'

Peça é vencedora do Prêmio Marcelo Castilho Avellar, instituído pela Fundação Clóvis Salgado

por Mariana Peixoto 23/04/2014 08:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guto Muniz/Divulgação
A peça mistura vários gêneros das artes cênicas: tragédia, teatro do absurdo e drama urbano (foto: Guto Muniz/Divulgação )
Três atores/criadores/diretores, três cenas e três mães. Há dois anos e meio, Fabiane Aguiar, Léo Kildare Louback e Soraya Martins se reuniram para formar um grupo, a Sofisticada Companhia. Vindos de experiências distintas, queriam ter autonomia para dirigir e criar suas próprias montagens. O primeiro resultado dessa união vem à tona esta semana, com a estreia do espetáculo 'Como matar a mãe – 3' atos. Vencedor do Prêmio Marcelo Castilho Avellar da Fundação Clóvis Salgado, a montagem estreia nesta quinta-feira, no Teatro João Ceschiatti.

A partir do momento em que decidiu montar algo de própria lavra, o trio chegou à conclusão de que queria falar das próprias mães. “Falar de mãe é uma coisa que toca todo mundo, seja na felicidade ou na tristeza. Lemos muito durante o processo e quando começamos a fazer o texto identificamos o que é meio Medeia, ou da mãe de Beckett. Nada foi de propósito, mas encaixamos as nossas histórias (na verdade, as mães de cada um) com alguma grande mãe da literatura”, comenta Soraya Martins.

Serão apresentadas três cenas. Todos os atores participam de cada uma delas. A primeira, 'Medeia de Leandro e Leonardo', é uma releitura da tragédia grega. A mãe é uma mulher comum, que, traída e abandonada pelo marido, entrega os filhos a ele (a Medeia de Eurípides mata os próprios filhos). Essa foi a única cena até então apresentada, durante a Mostra Lab de 2012.

A segunda cena leva o nome de Encontramos Godot – Flash Beckett, sobre o amor da mãe e a obsessão pela filha. Por fim, a última cena leva o nome de Não fui uma paquita – Dialogando com sortilégio, que mostra a personagem tentando aceitar sua identidade negra, tomando como exemplo a figura da mãe, que é negra, mas também racista. Para apresentar as narrativas, os atores misturam vários gêneros do teatro: tragédia, teatro do absurdo e drama urbano.

COMO MATAR A MÃE – 3 ATOS
Estreia quinta-feira, às 20h30, no Teatro João Ceschiatti do Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro). Temporada de quinta-feira a sábado, às 20h30; e domingo, às 19h, até 18 de maio. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Informações: (31) 3236-7400.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS