Artistas mostram visões de BH e outras quatro cidades em exposição

Mostra no Circuito Cultural Banco do Brasil traz pinturas, desenhos, aquarelas e colagens sobre metrópoles brasileiras

por Walter Sebastião 22/04/2014 09:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
CCBB/Divulgação
Entre outros motivos, Altino Caldeira interpreta uma manifestação no Centro da capital mineira (foto: CCBB/Divulgação )
'Olhares múltiplos sobre cinco cidades' é o nome da exposição que será aberta para convidados hoje, às 19h, e a partir de quarta para o público, no Centro Cultural Banco do Brasil de Belo Horizonte. A mostra reúne paisagens e monumentos de Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília vistos por quatro artistas: Altino Caldeira (pintura), José Octávio Cavalcanti (desenho), Júlia Bianchi (aquarela) e Roberto Marques (colagens), cada um deles com 15 obras, como representações que procuram balancear observações mais realistas e subjetividade.

“É uma exposição que revela as muitas vivências que se pode ter neste lugar que foi apropriado para se tornar moradia coletiva, mas atravessadas por questões que são da alma do artista que realizou a obra”, conta Altino Caldeira. Falando de sus obras, ele explica que, com olhar poético e afetivo, mostra a cidade como local de vivências, manifestações, tradição e símbolos. “São imagens que buscam provocar no espectador também questionamentos”, observa. Entre elas “uma Pampulha transcendental”, vistas do Rio de Janeiro e Brasília, manifestações na Praça Sete e na Avenida Paulista.

Professor da PUC Minas, onde dá aulas de geografia cultural e paisagem, disciplina que analisa a formação e transformação dos locais, Altino Caldeira lembra que é o ser humano que funda as cidades, “inventando as ruas e colorindo as montanhas”. Ele elogia os trabalhos de colegas de exposição, como a qualidade do desenho de José Octávio Cavalcanti, “com grande acuidade visual e detalhando o espaço físico” e também a técnica cuidadosa das aquarelas de Júlia Bianchi, “realista na interpretação” e que, segundo ele, se voltam para a observação de monumentos característicos de cada local.

As colagens de Roberto Marques, para Altino Caldeira, são fruto de um trabalho criativo que tem impacto ótico, mostrando que a cidade pode ser bonita. Aspecto, aliás, que considera importante em tempos em que os núcleos urbanos, devido a muitos problemas, estão desqualificados como lugares de convivência. A cidade tem futuro? “Para mim tem sim. Tudo depende da nossa capacidade de pensar e agir na hora certa”, responde. “Cidade é um milagre. Funcionar com 3 milhões de habitantes é uma coisa extraordinária. Não é democrática, no sentido de todos usufruírem dos serviços, mas minha esperança é que um dia ela seja.”

Olhares múltiplos sobre cinco cidades
Hoje para convidados e aberto ao público a partir de amanhã, das 9h às 21h, no CCBB/MG (Praça da Liberdade, 450, Funcionários). Entrada gratuita. Até dia 26 de maio. Informações: (31) 3431-9400.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS