Museus e galerias oferecem programação especial para um feriado de Páscoa com arte

Folga prolongada é boa oportunidade para aproveitar as obras em exibição na capital

por Walter Sebastião 18/04/2014 15:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Wilton Montenegro/divulgação
Wilma Martins subverte a paz doméstica (foto: Wilton Montenegro/divulgação)
O feriado prolongado terá diversos museus e espaços culturais abertos, oferecendo ótimas programações. Grandes exposições, idealizadas depois de muita pesquisa, trazem visão ampla da obra de artistas, da trajetória de personalidades históricas e até do Brasil. Aos cristãos, vale lembrar: algumas instituições mantêm coleções notáveis de arte sacra, com esculturas criadas a partir de motivos religiosos por alguns dos mais importantes artistas brasileiros dos séculos 17 a 19.

Mineira genial
A mostra mais saborosa em cartaz em BH talvez seja Cotidiano e sonho, da mineira Wilma Martins. A curadoria é assinada pelo crítico Frederico Morais, marido da artista. Ilustradora, desenhista, gravadora e pintora, ela mora no Rio de Janeiro há mais de 40 anos.

 

O título da exposição se refere à extensa série de obras em papel ou tela em que bichos e paisagens selvagens invadem ambientes domésticos como salas, cozinhas e bibliotecas.

As imagens intrigam, inclusive pela beleza, pois Wilma Martins – aluna de Guignard – é desenhista admirável, dona de linhas preciosas e sintéticas, manuseadas com perícia e ironia.

 

Os trabalhos desconcertam pelo confronto entre vários elementos: diferenças de escalas; choque entre o desenho rígido (preto e branco ou cinzento) dos cenários e o batimento orgânico colorido dos personagens; a clareza da proposição e o nonsense. Sedutoras, essas imagens resistem a serem decifradas e se colocam desafiadoramente diante do espectador. A arte de Wilma encanta e faz pensar.

WILMA MARTINS

Gravura, desenho, pintura e aquarela. Galeria de Arte do Minas Tênis Clube 1, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1000. Hoje, das 11h às 19h; amanhã, das 10h às 20h; domingo, das 11h às 19h. Fecha na segunda-feira. Entrada franca.



História do Brasil
Está em cartaz no CCBB-BH a monumental Um olhar sobre o Brasil, com curadoria de Boris Kossoy e Lilia Moritz Schwarcz. “Tenho pensado o nosso país através da documentação fotográfica, buscando imagens que dão vida, presença, a seus personagens”, explica Kossoy. Graças a ele, conhecemos o franco-brasileiro Hercule Romuald Florence (1804-1879), que morava em Campinas (SP). Trata-se de um dos inventores de processos fotográficos antes de 1839, a data “oficial” do surgimento da fotografia. A mostra é aberta com uma foto e um experimento desse pioneiro.

Cláudia Andujar/divulgação
Índios ianomamis em foto de Cláudia Andujar exposta no CCBB-BH (foto: Cláudia Andujar/divulgação)
As 300 imagens foram realizadas entre 1833 e 2003, remetendo a 170 anos de história brasileira. Fruto de intensa pesquisa, a mostra apresenta imagens que conhecemos como ilustrações de livros. A exposição começa com uma sala de forte impacto, dedicada ao século 19 e pontuando a dubiedade das relações entre senhores e escravos. O mesmo vigor se vê nas imagens do levante de Antônio Conselheiro, em Canudos (BA).

O público se depara também com imagens das primeiras décadas do século 20, retratando tanto a chegada de imigrantes, a urbanização e a industrialização quanto a crise social no sertão nordestino, simbolizada por Lampião e bandos de cangaceiros. A falta de abordagem mais extensa e complexa dos anos 1930 para a frente, além da tendência de muitos fotógrafos ao oficialismo e ao maniqueísmo (glorificando ou detratando personagens e situações), esfria a seção dedicada à formação do Brasil contemporâneo, ainda que haja boas fotos de grandes autores.

UM OLHAR SOBRE O BRASIL
Fotografia. CCBB. Praça da Liberdade, Funcionários, (31) 3431-9400. Fecha hoje. De amanhã a segunda-feira, das 9h às 21h. Entrada franca

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS