Exposição 'Minas território da arte' será aberta nesta terça, no Palácio das Artes

Mostra lança projeto que está mapeando a diversidade da produção em todas as regiões do estado

por Carlos Herculano Lopes 11/03/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cristina Horta/EM/D.A Press
(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
Uma mostra essencial da produção artística mineira do início do século 20 até os dias atuais, 'Minas território da arte' coroa trabalho de pesquisa que durou três anos e abrange todas as regiões do estado, e dá um passo decisivo para a concretização de projeto de levantamento da arte mineira. A exposição será aberta hoje, na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard, do Palácio das Artes, e reúne acervo de pinturas, esculturas, desenhos, vídeos e instalações, entre outras técnicas.

Com curadoria do historiador Fernando Pedro, diretor da C/Arte, a mostra reunirá cerca de 100 trabalhos de 67 artistas mineiros ou cuja trajetória pessoal esteja ligada a Minas. A exemplo de Chanina, que nasceu na Polônia, mas morou a maior parte da vida em Belo Horizonte; Guignard, que era de Nova Friburgo, no estado do Rio de Janeiro, e foi um dos mestres dos artistas mineiros em BH e Ouro Preto; e da ceramista Toshiko Ishi, japonesa radicada em Minas a partir dos anos de 1970, que vivia e trabalhava na região de Brumadinho. Pela importância que tiveram para as artes plásticas mineiras, a mostra prestará homenagem póstuma a Nívea Bracher, Raymundo Colares e Sara Ávila.

De acordo com Fernando Pedro, que não esconde o entusiasmo pela realização do trabalho, para levá-lo a cabo, da forma mais abrangente possível, para que todas as Minas pudessem ser representadas, o estado foi dividido em macrorregiões: Vale do Jequitinhonha e Mucuri, Norte de Minas, Região Central, Triângulo, Alto Paranaíba, Zona da Mata, Rio Doce, Sul de Minas e Centro-Oeste.

Para fazer as pesquisas e reunir todo o acervo, que até o fim do ano deverá ser lançado em livro em cinco volumes, com mais de 1 mil páginas – uma espécie de enciclopédia das artes visuais de Minas, que servirá como guia para estudantes e pesquisadores –, foram convidados cinco especialistas: Jacqueline Prado, José Alberto Pinho Neves, Marco Antonio Pasqualini, Rodrigo Vivas e Walter Sebastião, que contaram com o apoio das universidades do estado.

Ainda segundo Fernando Pedro, que tem dedicado quase todo seu tempo à realização do 'Minas território da arte', a exposição é ótima oportunidade para os artistas da terra, mais conhecidos ou não, mostrarem seus trabalhos. “Para mim, que tenho a honra de fazer a curadoria, a mostra tem um significado especial, pois esse ano a C/Arte, que é uma editora quase exclusivamente voltada para as artes plásticas, está completando 25 anos. Com essa iniciativa vamos cobrindo uma lacuna histórica em Minas, que, em relação às artes visuais, ainda não havia realizado um estudo tão abrangente como esse”, avalia.

Ainda de acordo com o curador, este é apenas um primeiro passo, que depois de concluído fará de Minas Gerais um dos poucos estados brasileiros a ter publicado a história da arte de todo o seu território. “E isso será um ganho para todos nós, cujo sonho é que se estenda à criação de um museu voltado para as artes plásticas de Minas”, completa.

Em casa

Um dos 67 artistas cujos trabalhos poderão ser admirados na mostra é José Vilmar. Autodidata, nascido em Patos de Minas, no Alto Parabaíba, onde mora, ele diz que participar de uma exposição como esta significa a realização de um sonho. “Tenho trabalhos espalhados pelo Rio, São Paulo e até fora do Brasil, mas ainda não havia tido a chance de mostrá-los na capital do meu estado. Estou feliz com essa oportunidade, que com certeza abrirá muitas portas”, reconhece.

Para Carlos Bracher, que é de Juiz de Fora e vive em Ouro Preto, a mostra é um dos projetos mais brilhantes envolvendo as artes plásticas mineiras já realizado no estado. “Com certeza, será uma exposição marcante para todos nós, ainda mais porque descentraliza a produção das artes plásticas mineiras e apresenta todo o potencial artístico do estado. Mostras assim sempre deveriam ser realizadas”, diz. Na avaliação de Fernando Lucchesi, a iniciativa é importante e ele está contente em participar. “Também estou muito curioso para ver o catálogo completo”, diz.

Para a secretária estadual de Cultura, Eliane Parreiras, expor obras de artistas mineiros de várias regiões em uma das galerias mais importantes de Minas “significa dar luz à rica e pungente produção das artes visuais do estado”.

PANORAMA
Artistas com trabalhos na exposição Minas território da arte

» Vale do Jequitinhonha e Mucuri – Izabel Mendes da Cunha, Manfredo de Souzanetto, Marcos Coelho Benjamim, Paulo Laender e Ulisses Pereira Chaves

» Macrorregião Norte de Minas – Raymundo Colares e  Tupinambá

» Macrorregião Central – Alberto André Delpino Junior, Alberto da Veiga Guignard, Carlos Bracher, Marcelo Brant, Eduardo Trópia, Fernando Pitta, Jorge dos Anjos, José Alberto Nemer, Nello Nuno, André Burian, Celso Renato de Lima, Chanina, Cinthia Marcelle, Erli Fantini, Eymard Brandão, Fernando Lucchesi, Inês Antonini, Isaura Pena, Jayme Reis, Lorenzatto, Lotus Lobo, Marco Paulo Rolla, Marco Túlio Resende, Maria Helena Andrés, Marilá Dardot, Marília Giannetti Torres, Mário Silésio, Mônica Sartori, Patricia Franca-Huchet, Ricardo Homem, Sara Avila, Solange Pessoa e Toshiko Ishi

» Macrorregião do Triângulo – Beatriz Rauscher, Claudia França, Farnese Andrade, Hélio Siqueira e Paulo Miranda

» Macrorregião Alto Paranaíba – Calmon Barreto, José Vilmar e Teresinha Soares

» Macrorregião da Zona da Mata – Arlindo Daibert, César Brandão, Dnar Rocha, Fani Bracher, Nivea Bracher, Pedro David, Ricardo Cristófaro, Roberto Gil e Thais Helt

» Macrorregião Rio Doce – Inimá de Paula

» Macrorregião Sul de Minas – Amilcar de Castro, Décio Noviello e Jarbas Juarez

» Marcrorregião Centro-Oeste – Ana Horta e GTO

ANO VISUAL
Programação de exposições da Fundação Clóvis Salgado


» Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard
.  Minas território da arte, de hoje a 4 de maio
.  Gênesis – Sebastião Salgado, de 3 de junho a 24 de agosto (além da Grande Galeria, vai ocupar o Espaço Mari’Stella Tristão e o Parque Municipal Américo René Gianetti)

» Galeria Genesco Murta e Arlinda Correa
.  Mestres da gravura – Coleção Fundação Biblioteca Nacional, de 29 de abril a 22 de junho
.  Ângelo Venosa – Retrospectiva, de 11 de julho a 24 de agosto

» Galeria Genesco Murta
.  Som e luz: interseção, instalação sonora de O Grivo, de 17 de setembro a 16 de novembro

» Galeria Arlinda Corrêa
.  Prélio, de João Castilho, de 12 de setembro a 12 de outubro

» Espaço Mari’Stella Tristão
.  Dandara, de Cyro Almeida, de 22 deste mês a 4 de maio

» Centro de Arte Contemporânea e Fotografia
.  Expoprojeção, de 23 de abril
a 1º de junho

Minas Território da Arte
Abertura nesta terça-feira, às 19h. Aberta ao público desta quarta-feira a 4 de maio, de terça a sábado, das 9h30 às 21h; domingos e feriados, das 16 às 21h, na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard, no Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537. Entrada franca. Informações: (31) 3236-7400.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS