Saul Vilela exibe pinturas no Museu Inimá de Paula

Artista diz que a exposição é a mais importante de sua vida, realizada no prédio com projeto arquitetônico assinado por ele

por Walter Sebastião 11/03/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Saul Vilela/divulgação
Adepto do %u201Cpincel brutalista%u201D, o expressionista Saul Vilela, fã do norte-americano Jackson Pollock, diz que sua pintura %u201Cnão é certinha%u201D (foto: Saul Vilela/divulgação)
"Deixo razão e lógica na arquitetura, faço pintura totalmente emocional”, afirma o arquiteto e pintor Saul Vilela, que vai apresentar 17 obras de grande formato no Museu Inimá de Paula (MIP). “Minha obra é abstrata, brutalista, gestual e intuitiva. Parto para as telas sem planejar nada. Vou até alcançar um resultado coerente e harmônico”, acrescenta, apontando o que considera um compromisso estético e ético.

Vilela persegue esse caminho há 30 anos. Começou pintando. Depois de passar no vestibular de arquitetura, atuou como marchand freelancer, dividindo-se entre os estudos e a venda de trabalhos dos artistas plásticos Carlos Scliar, Carlos Bracher, Álvaro Apocalypse e Maria Helena Andrés, entre outros. Já formado, o arquiteto nunca deixou a pintura.

Em 1998, Saul fez a primeira exposição como artista plástico, na antiga Galeria IBM. As imagens eletrônicas já traziam a visualidade que ele continua defendendo, agora mais evoluída. “Quero emocionar as pessoas”, afirma. O artista diz que a emoção é sua matéria-prima: está materializada em sua pintura, “e não representada nela”, reforça.

Admirador dos artistas norte-americanos Jackson Pollock e De Kooning, além do brasileiro Jorge Guinle, Saul lembra que todos são filiados ao expressionismo abstrato. Essa estética está presente em seu processo de criação. Ele cita “a pegada brutalista no pincel” e trabalhos que “nada têm de certinho”.

Convite
O artista revela que a exposição no Museu Inimá de Paula, que poderá ser visitada pelo público a partir de amanhã, é a mais importante de sua carreira. Isso não se deve apenas à quantidade e ao tamanho das obras. “Estou mostrando o que faço pela primeira vez na minha terra, em um museu e a convite da instituição. As exposições anteriores foram muito batalhadas, custaram caro”, explica.

A galeria é especial para ele. Saul Vilela fez a reforma do imóvel histórico que abriga o Museu Inimá de Paula, no Centro de Belo Horizonte. Ele conta que “um rasgo” corta o prédio, projetado por Raffaello Berti (1900-1972), iluminando-o por cima.

 “Tenho orgulho desse trabalho. Transformei um prédio de quatro andares, antigo clube e cinema, em museu. O projeto é coerente, não midiático, e respeita a função do local”, afirma o arquiteto e pintor. “É um espaço maravilhoso para exposições”, acrescenta, dizendo que não mudaria nada ali. “Só ofereceria aos artistas convidados o salão principal, onde fica o acervo de Inimá Paula”, conclui.

SAUL VILELA
Pintura. A exposição será aberta ao público nesta quarta-feira. Museu Inimá de Paula, Rua da Bahia, 1.201, Centro, (31) 3213-4320. Terça, quarta, sexta-feira e sábado, das 10h às 19h; quinta-feira, das 12h às 19h; domingo, das 12h às 19h. Até 13 de abril. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS