Peça do Grupo Rosa dos Ventos mostra a construção de Belo Horizonte

Influência cigana e relações pessoais no Curral del-Rei são algumas das abordagens de 'Horizontinos: a cidade inventada'. Espetáculo tem apresentação única nesta sexta-feira

por Carolina Braga 13/12/2013 09:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Noa Assumpção/divulgação
'Horizontinos: a cidade inventada' fica em cartaz só hoje no Sesc Palladium (foto: Noa Assumpção/divulgação)
Na semana em que Belo Horizonte completa 116 anos, o Grupo Rosa dos Ventos presta homenagem à história do município. O espetáculo cênico-musical 'Horizontinos: a cidade inventada' foi criado a partir de pesquisas sobre a construção da capital mineira. “Montamos uma peça cheia de imagens, o que nos permite fazer leituras bastante abertas”, adianta o diretor Adyr Assumpção.


O elenco reúne Celton Oliveira, Daniane Reis, Inaê Rosa, Marcos Mateus, Pedro Gontijo, Silvana Ferreira e Vânia Silvério. Com dramaturgia de Anderson Feliciano, a trama aborda vários aspectos da formação de BH, como a influência cigana e as relações de amor e ódio entre as pessoas que moravam no pequeno arraial e aquelas que chegaram para derrubar o velho Curral del-Rei.

Canções e texto se complementam. Ambos foram construídos a partir dos ensaios. “Muitas coisas da pesquisa o público pode não identificar. Tivemos o cuidado de amarrar a história do ponto de vista dramático”, explica Adyr Assumpção. Desde 2010 o grupo Rosa dos Ventos estuda temas relacionados à construção da identidade de um povo. A pesquisa inclui visita a igrejas e museus em busca de marcas do passado, tradições e costumes.

Para o diretor, 'Horizontinos: a cidade inventada' convida à celebração propiciada pelo teatro. “A peça resgata essa coisa prazerosa não apenas por meio da performance, mas pelas ideias que lá estão. Neste momento em que as pessoas têm ocupado as ruas de forma espontânea, mas quase compulsiva, a gente precisava ocupar o teatro com mais essa celebração. Era necessário refazer o pacto entre atores, diretores e público”, conclui o diretor.

CRIA DE TITANE


O grupo Rosa dos Ventos foi criado há oito anos com trabalho pautado pela pesquisa e pela experimentação. A companhia surgiu de oficinas de formação ministradas no Parque Lagoa do Nado pela cantora Titane e o dramaturgo João das Neves. O teatro dessa trupe mineira inclui música e dança como práticas coletivas a partir de elementos da cultura popular mineira, como congado e folia de reis.

HORIZONTINOS: CIDADE INVENTADA
Sexta-feira, às 20h30. Grande Teatro Sesc Palladium. Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro. R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS