27ª Feira da Cerâmica começa nesta sexta-feira em BH

Evento tem novo endereço e Máximo Soalheiro abre seu ateliê mais uma vez

por Ailton Magioli 29/11/2013 09:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Euler Junior/EM/D. A Press
Evento tem novo endereço e Máximo Soalheiro abre seu ateliê mais uma vez (foto: Euler Junior/EM/D. A Press)
Tradições de fim de ano na cidade, a Feira de Cerâmica de Belo Horizonte e o ateliê aberto de Máximo Soalheiro têm agenda coincidente neste fim de semana. Pela primeira vez no Mercado Central de BH, a 27ª edição da feira promete reunir mais de 2 mil peças, com a assinatura de 44 ceramistas, entre os quais a própria curadora, Erli Fantini, que vive a expectativa da mudança de ares. Já o ceramista Máximo Soalheiro abre mais uma vez seu ateliê no bucólico Bairro de Santa Tereza, com direito a novas criações e edições exclusivas de objetos e de utilitários de cerâmica, além de novas edições de cadernos, caderninhos, cadernetas e blocos para desenho produzidos em tipografia própria.


“Sempre tive vontade de ver a Feira de Cerâmica de BH misturada com bebida, comida, artesanato, cultura, enfim, com tudo que há no mercado”, revela Erli Fantini, que leva o evento para o local, depois de passagens pelos mercados distritais de Santa Tereza (onde nasceu e fez sucesso) e Cruzeiro, além da Escola Guignard. No mezanino do mercado, Erli promete reunir desde bijuterias (colares e anéis) a esculturas, utilidades domésticas e de decoração. “Cada peça é única. A queima, a finalização antes da secagem, a utilização de materiais diversos no acabamento, como estanho e ferro, entre outros, dão o caráter exclusivo do trabalho”, explica a ceramista, lembrando que a feira é ótima oportunidade de reunião dos artistas com o público.

Com o ateliê aberto desde 1978, há cerca de 20 anos Máximo Soalheiro começou a reunir o público no fim do ano. “Não me preocupo com o número de pessoas que vêm aqui, mas claro que o movimento aumenta nesta época”, reconhece o ceramista, que recebe gente de outros estados, além de estrangeiros. “Afinal, aqui produzimos desde o presente à embalagem”, orgulha-se.

A ansiedade de Erli Fantini com a transferência da Feira de Cerâmica de BH para o Mercado Central é grande. “Trata-se de espaço tradicional, muito visitado”, afirma a ceramista, que aceitou convite da empresa municipal de turismo (Belotur) para experimentar. “É um local muito querido, não só do belo-horizontino, mas do turista”, conclui, na expectativa de aumentar a média de 2 mil a 3 mil visitantes/dia, registrada em outros espaços.

Se na feira é possível adquirir presentes na faixa de R$ 10 (bijuterias e porta-copos) a R$ 400 (esculturas), no ateliê de Máximo Soalheiro os preços entrre R$ 13 (unidade de copinho de cerâmica) a R$ 700 (jogos de café e de chá). Na Feira de Cerâmica, juntam-se a Erli Fantini ceramistas famosos como Roberto Lott, Angela Maciel e Luciana Radicchi que, este ano, por se tratar de uma estreia, não poderão fazer demonstrações de trabalho no local. A expectativa é de que o evento volte ao mercado para a primeira das duas edições anuais de 2014, em maio.

» 27ª FEIRA DE CERÂMICA
Sexta, das 7h às 19h; sábado, das 7h às 18h; domingo, das 7h às 13h. Mezanino (entre estacionamento e lojas) do Mercado Central de Belo Horizonte, Av. Augusto de Lima, 744, Centro. Entrada franca. Informações: (31) 3274-9434.

» ATELIÊ MÁXIMO SOALHEIRO
De sábado até 24 de dezembro, das 8h às 20h (não abre aos domingos). Rua Almandina, 200, Santa Tereza. Clique para informações e (31) 3463-6776.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS