Espaço Oi Futuro recebe festivais Simbio e Eletronika

Eventos valorizam duas vertentes distintas da arte, a visual e a música eletrônica da atualidade. Programação se estende até fevereiro de 2014

por Mariana Peixoto 06/11/2013 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Samuel Mendes/Divulgação
No dia 30, a banda mineira Constantina vai tocar no Eletronika (foto: Samuel Mendes/Divulgação)
Dois festivais com linguagens complementares ocuparão o Oi Futuro nos próximos meses. Até 2 de fevereiro, o centro cultural no Bairro Mangabeiras recebe a terceira edição do Simbio; e de 28 deste mês a 1º de dezembro, o Eletronika, que comemora seus 15 anos.

O primeiro evento é voltado para as artes visuais, com ênfase em projetos colaborativos. Foram convidados três coletivos da capital: MIR, Fósforo Coletivo e 425crina!. “Nessa simbiose artística, a pesquisa é um caminho tão interessante quanto o resultado do processo”, afirma Keyla Monadjemi, diretora de produção do festival.

Já o Eletronika faz edição enxuta, voltada para a produção nacional. O curador Marcos Boffa explica que a programação retrata a música eletrônica atual. “Ela vive um momento de introspecção. Há um gap da produção underground para a música internacional pop, de David Guetta”, exemplifica. A intenção da curadoria é dar mais espaço à cena experimental brasileira, ainda que alguns gringos tenham sido escalados.

No dia 28, as atrações serão o projeto pernambucano Grassmass e Jan Jelineck & Andrew Pekler, alemães que tocam trabalhos compostos pela musicista Ursula Bogner. A segunda noite apresentará rock pesado, com projetos carioca (Bemônio), paulista (Elma) e britânico (Demdike Stare).

O dia 30 terá atrações mineiras – Barulhista, Rafael Miranda e Constantina – e o grupo paulista Passo Torto. Em 1º de dezembro, o Eletronika apresentará os projetos Pazes (de Brasília) e Opala (do Rio de Janeiro) e o norte-americano James Ferraro.


DE MUDANÇA

Com a mudança do Tribunal de Justiça de Minas Gerais para o prédio da Avenida Afonso Pena, 4.001, a permanência do Oi Futuro no local é incerta. Inicialmente, o centro cultural criado em 2007 – que abrange o Museu das Telecomunicações, duas galerias, teatro, biblioteca e cineclube – funcionaria até dezembro. “Estamos negociando para ficar até o fim do primeiro semestre de 2014”, informa Sérgio Pereira, diretor do Oi Futuro BH. O edital de ocupação está aberto para projetos inscritos nas leis estaduais e municipais de incentivo à cultura. Informações: www.oifuturo.org.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS