'Um baile de máscaras' tem estreia nesta quinta-feira, no Palácio das Artes

Fernando Bicudo encena versão original da ópera, que teve várias partes cortadas na época da primeira apresentação na Itália

por Sérgio Rodrigo Reis 30/10/2013 07:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
JOÃO MARCOS ROSA/DIVULGAÇÃO
Montagem recupera a força política do libreto original e inova no cenário, figurino e iluminação, além de colocar três orquestras em ação (foto: JOÃO MARCOS ROSA/DIVULGAÇÃO)
O compositor italiano Giuseppe Verdi (1813-1901) decidiu musicar o libreto em francês, de 'Um baile de máscaras', de Eugene Scribe. Assim nascia, em 1857, o drama de amor, baseado em fatos ocorridos na Suécia, no século 18. Trata-se da história do rei Gustavo III, que depois de se apaixonar pela esposa do melhor amigo, Renato Anckarström, várias intrigas acabam provocando seu assassinato num baile carnavalesco – daí a inspiração para o título. Verdi, por causa das censuras impostas ao texto, morreu contrariado sem nunca ter visto o espetáculo como imaginou. A primeira versão só foi apresentada na Suécia há 11 anos. Mas nunca em Minas. Nesta quinta-feira, às 20h30, no Palácio das Artes, será a vez de a narrativa original ocupar o palco principal.

A ideia de realizar a versão “censurada” surgiu nos bastidores da produção do espetáculo. “Em 1989, fiz 'Um baile de máscaras' em forma de concerto. Ficou aquele desejo de encená-la restaurando a essência da época. Quando recebi o convite no Palácio das Artes para realizar a concepção cênica e direção, imediatamente falei que gostaria de realizar aquela versão. Sofri muito com a censura e esta foi a ópera mais censurada de Verdi”, conta Fernando Bicudo. O maestro Luiz Aguiar, consultor da Fundação Clóvis Salgado para a programação operística, estava presente na reunião e, segundo Bicudo, foi fundamental por ter endossado sua opinião de realizar o título como composto pelo autor.

Os problemas com o libreto de Verdi para 'Um baile de máscaras' começaram em Nápoles, onde ocorreria a estreia mundial e, de tanta retaliação, o compositor resolveu transferir a estreia para o Teatro Apollo, em Roma. Lá, voltou a sofrer censura. Diante dos problemas, a ópera só foi conhecida em 17 até fevereiro de 1859, porém com outro nome: 'Una vendetta in domino'. “O título passou por um verdadeiro calvário de perseguições e mal-entendidos que quase levaram Verdi à desistência”, explica Luiz Aguiar.

Os problemas por pouco desanimaram o compositor a levar a obra adiante. Das 884 linhas do texto inicial, 297 tiveram que ser alteradas, adicionadas ou removidas. Luiz Aguiar lista as inúmeras exigências que o compositor aceitou para completar o espetáculo. Entre elas, transformou o rei Gustavo num cavalheiro comum, sem qualquer sugestão de soberania. A heroína virou irmã e não esposa do vilão. Também retirou o baile da história e, para completar, o ápice da narrativa, quando ocorre o assassinato, não mais poderia ser encenado, mas sim sugerido. A determinação era de que o crime ocorresse nas coxias, só se ouvissem os tiros, e o personagem, já ferido, então entraria em cena e morreria diante de todos. “Verdi, cansado, cedeu em parte às alterações ridículas, inclusive a de ambientar a história na cidade americana de Boston”, explica o maestro.

Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
SUCESSO


A estreia, mesmo com as alterações, e contrariando a versão do compositor, foi um sucesso. Desde então, de 1859 até 2002, quando a Ópera Gotemburg, na Suécia, pela primeira vez encenou o libreto original, o que se viu foi o texto censurado. Em 2004, a cidade italiana de Nápoles, onde se iniciaram as retaliações, também resolveu corrigir a injustiça encenando o texto rejeitado, 143 anos depois, no Teatro San Carlo. Mesmo assim, a história de 'Um baile de máscaras' que vem prevalecendo mundo afora tem sido a ambientada na Boston do século 17. Inclusive em Minas. As três produções – de 1954 e 1969, ambas no Teatro Francisco Nunes, e a de 1976, no Palácio das Artes, com libreto de Antônio Somma, em italiano – foram baseadas no título censurado.

A nova produção de 'Um baile de máscaras', com direção musical e regência de Marcelo Ramos e participação de 13 solistas, da Orquestra Sinfônica, do Coral Lírico de Minas Gerais, da Cia. Sesc de Dança, além de outra orquestra de cordas com oito músicos e da Banda da Orquestra de Sopros da Fundação de Educação Artística, será a que o autor imaginou. Estará ambientada em Estocolmo, no século 18, mantendo-se apenas o nome de Ulrica Arfvidsson, que pertence à versão inicial. Nos papéis principais estarão os tenores Marc Heller (EUA) e Paulo Mandarino (Brasil) e as sopranos Eiko Senda (Japão) e Elaine de Morais (Brasil).

 

Fique atento aos detalhes

» Abertura
A ópera propõe um resgate histórico do gestual de corte da época, fazendo referência ao período do monarca que defendia o absolutismo. Desde o cenário, ao figurino e à coreografia. “É considerada sua primeira grande obra-prima, porque conseguiu dar uma dimensão para a orquestra como nunca antes. A beleza da abertura já anuncia isso. É interessante reparar como, por vezes, a orquestra ganha uma dimensão dramática como Verdi nunca tinha dado”, destaca Fernando Bicudo.

» Primeira cena
A ópera é drama e teatro. O aspecto se evidencia já na primeira cena, quando o público identificará a complexidade por trás da relação entre o rei Gustavo e o fiel escudeiro Oscar. Há uma grande cumplicidade entre eles. “É interessante observar que Oscar é o único, em toda a ópera, que é um personagem masculino cantado por mulher”, explica o diretor

» Bastidores
A trama será encenada em cinco cenários, criados a partir de centenas de lâminas verticais de imagens, formando um jogo de representações de espaços arquitetônicos. As cinco cenas serão criadas com mais de mil quadrados de plotagem. As mudanças de cenário exigirão um batalhão de técnicos nos bastidores. Ao final, em 10 segundos, o público verá a troca de cenários.

» Balé clássico

A coreografia pretende recriar o estilo da época, com começo, meio e fim. Os tratados do período e também o balé clássico foram outras referências fortes. Movimentos simples, como parar apoiando em apenas uma perna, coluna ereta, rosto alongado, braços postos, sempre com muita elegância, eram pré-requisitos naturais de etiqueta.

» Minueto e quadrilha
Um dos pontos altos da coreografia é a cena do baile. A proposta foi realizar um baile elegante, que remetesse à época, mas diferente e inovador, ao utilizar elementos como a crítica social e a irreverência. O baile então foi, segundo Fernando Bicudo, “amineirado”. A estrutura da época foi mantida, há o minueto – estilo alegre e dançante, popular na corte de Luís XIV, que se difundiu para os séculos 16 e 17 –, porém mesclado com um pouco da tradicional quadrilha.

» Corte e povão
O figurino trará em torno de 250 peças com a prevalência das cores branco, azul e amarelo (bandeira da Suécia), contrastando com cinza, preto, verde, vermelho e rosa. Foram criadas roupas para destacar uma característica dos bailes de máscaras, festa que contempla desde a corte até o povo. Há tecidos ricos, com cores fortes, como nas roupas do baile, em contraste com o algodão e os tons de cinza, para remeter às vestes dos mais simples.

» Três orquestras

Um baile de máscaras terá duas orquestras: a Sinfônica de Minas Gerais, localizada no fosso, e uma outra de cordas, instalada no palco, como parte de elenco, com figurino e maquiagem. Outro diferencial é uma banda interna que irá tocar no baile. Vai estar fora do palco, para proporcionar ao público a sensação de um som distante.
Os instrumentistas vão iniciar a música para, em seguida, entrar a Orquestra Sinfônica.


Um Baile de Máscaras
Ópera em três atos de Giuseppe Verdi. Duração: 2 horas e 40 minutos e dois intervalos de 20 minutos.
Haverá récitas nesta quinta-feira e nos dias 2, 3, 6, 8 e 9 de novembro. Quarta, quinta, sexta e sábado às 20h30; e domingo, às 19h, no Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro). Ingressos: R$ 70 (inteira). Informações: (31) 3236-7400.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS