Angélica Freitas mostra porque trocou o jornalismo pela literatura

Finalista do Prêmio Portugal Telecom 2013, a poeta participa de bate papo nesta terça-feira, no Museu de Artes e Ofícios

por 29/10/2013 09:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo pessoal
(foto: Arquivo pessoal)

 Há alguns anos, a poeta Angélica Freitas trocou o jornalismo pela literatura. Ainda menina, tomou gosto por batucar seus versos na máquina de escrever do pai, em Pelotas (RS). Mais tarde, das teclas de seu computador surgiram os poemas que alimentaram o blog Tome uma xícara de chá. O universo on-line, a cultura pop e questões caras às mulheres estão presentes na escrita desta gaúcha de 40 anos, que vem hoje a BH conversar com o público. Ela é a convidada do projeto Ofício da palavra, às 19h30, no Museu de Artes e Ofícios (Praça da Estação, s/nº, Centro).

Em 2012, seu 'Um útero é do tamanho de um punho (Cosac Naify) foi eleito livro do ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e está entre os quatro finalistas do Prêmio Portugal Telecom 2013 na categoria Poesia. Angélica lançou também Rilke shake (Cosac Naify) e Guadalupe (Quadrinhos na Cia.), romance gráfico criado em parceria com o quadrinista Odyr – os dois são vizinhos em Pelotas. Aliás, outro conterrâneo dessa dupla, o escritor e compositor Vitor Ramil, já anunciou para 2014 um disco cujas canções trarão letras de Angélica.

Atualmente, a escritora gaúcha é coeditora da revista de poesia Modo de usar & co. em parceria com Fabiano Calixto, Marília Garcia e Ricardo Domeneck.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS