Sempre um Papo recebe a escritora gaúcha Clara Averbuck

Autora fala sobre sua obra e lança 'Cidade grande no escuro'

por Carlos Herculano Lopes 28/10/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paula Ragucci/Divulgação
(foto: Paula Ragucci/Divulgação)
Na sequência da série Nova literatura brasileira, promovida pelo projeto Sempre um Papo, que tem trazido a Belo Horizonte autores de todo o país, hoje será a vez de outra gaúcha, a escritora e cantora Clara Averbuck. Ela estará na cidade para falar sobre sua obra e lançar 'Cidade grande no escuro' (7 Letras Editora, 152 páginas), seu mais recente livro de contos. Com a irreverência que lhe é característica, a moça vai contando, sem meias-palavras e sem se fazer de rogada: “Minha história de vida vai linda e desgraçada, como sempre foi. Cidade grande é uma coletânea de minha trajetória em São Paulo, que considero o fim de um ciclo”.

Ainda decidindo sobre os novos rumos da sua vida (talvez vá morar em Santa Tereza, no Rio), Clara Averbuck conta que resolveu sair de Porto Alegre em 2001 porque achava que na capital gaúcha já não havia espaço para ela. “Trabalhava com publicidade e não queria mais; estudava jornalismo e não via perspectiva. Queria e precisava me afastar e inventar uma vida nova longe de família e de tudo que conhecia. Acabou funcionando”, conta. Foi então que, como milhões de brasileiros têm feito ao longo da história, arranjou as suas malas, comprou uma passagem e se mandou para São Paulo.

Se em Porto Alegre tinha feito sua estreia na literatura em 1998, escrevendo para a revista digital 'Não-til', da Casa de Cinema de PA, na capital paulista, um ano depois da sua chegada, ela lançou seu primeiro romance, Máquina de Pindall, e entre 2003 e 2004 vieram mais dois livros, Das coisas esquecidas atrás da estante e Vida de gato. Por falar nesses felinos, com os quais sempre foi fissurada, atualmente ela vive com cinco deles, com os quais se dá muito bem, a ponto de afirmar jamais ter conhecido um gato sacana.

“Infelizmente, não posso dizer o mesmo das pessoas, mas é a vida”, diz. Também ligada à música, da qual anda meio afastada, Clara Averbuck já participou de algumas bandas, e lançou o CD Nossa Senhora da Pequena Morte. Mas, entre a música e a literatura, afirma que fica com as duas. Atualmente, enquanto não decide se irá ou não se mudar para o Rio, está publicando uma novela no site Confeitaria.

“Era pra sair um capítulo por semana, mas como estou sem computador isso está me arrasando a vida inteira. Ainda não sei o que vou fazer com esse novo livro. Mas não engulo mais esse negócio de o autor receber apenas 10% sobre o preço de capa e as editoras ficarem com o resto do lucro. Minhas ideia é abrir um projeto no Catarse e fazer um financiamento coletivo. Talvez funcione”, diz.

Cidade grande no escuro
Livro de contos de Clara Averbuck. Lançamento e bate-papo com a autora hoje, a partir das 19h30. Sala Juvenal Dias do Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, no projeto Sempre um Papo. Informações: (31) 3261-1501, ou pelo site: www.sempreumpapo.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS