Belo-horizontino do Cirque du Soleil estreia na cidade natal

Ele participa do número Teeterboard

por Helvécio Carlos 19/10/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Vieira/EM/D.A Press
Com jornada de 12 horas de ensaios, Gabriel Christo ainda não teve tempo de matar as saudades da família (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

Faltam nove dias para o Cirque du Soleil levantar a tenda de BH e seguir com a turnê de Corteo pelo país. Antes disso, a companhia canadense reserva surpresa ao respeitável público da capital. Hoje, Gabriel Christo, de 26 anos, faz sua estreia no espetáculo como acrobata em Teeterboard, número que fecha o primeiro ato do espetáculo, um dos melhores do show. O atleta, que começou a carreira no Minas Tênis Clube, tem trajetória de cinco anos na companhia canadense. Ele estava na China fazendo cursos de aperfeiçoamento técnico quando foi convidado para integrar o elenco da produção em Belo Horizonte. “Desembarquei em Confins muito cansado por causa do fuso horário, mas, no dia seguinte, já estava treinando”, comenta. Gabriel está entusiasmado não só com o trabalho, como também com a possibilidade de, pela primeira vez, como artista do Cirque du Soleil, mostrar sua arte em sua cidade natal.

A história de Gabriel com a companhia começou por acaso. Ele estava em Montreal, integrando a equipe brasileira de ginástica. Um olheiro do grupo canadense percebeu as habilidades do rapaz e fez o convite. “Meu grande sonho era representar o Brasil nas Olimpíadas de Pequim, em 2008. O lado artístico nunca despertou tanto minha atenção”, lembra o rapaz, que coleciona cerca de 150 medalhas conquistadas em campeonatos nacionais e internacionais, que ele disputa desde os 8 anos. Hoje, confessa, é apaixonado pelo que faz no picadeiro.

Paixão que tem um preço alto. No início do ano, Gabriel foi submetido a cirurgia em um dos tornozelos, em razão de estresse provocado pela rotina no palco. A vida de artista circense, pelo menos para o rapaz, também tem seu lado divertido. Gabriel foi um dos 30 selecionados para o número apresentado na entrega do Oscar de 2012. “Como fazíamos parte da programação do prêmio em Hollywood, convivemos durante uma semana com atores e atrizes indicados”, lembra.

Gabriel ainda não conseguiu rever os amigos mais próximos e matar as saudades da família. Como o foco são os treinamentos, ensaios e apresentações, que, somados, ocupam 12 horas do dia do atleta, o tempo anda curto. “Só volto ao hotel depois do fim de cada apresentação. O único jeito de rever os amigos é pedindo que eles passem por lá durante a manhã. Curtir a família, só depois do fim da temporada de Corteo na cidade. “Como teremos alguns dias de descanso até a estreia em Curitiba, na primeira semana de novembro, passarei alguns dias por aqui”, planeja.
 
Paz e pressão O descanso será merecido, já que a rotina não é moleza. Gabriel, mais do que os seus colegas de elenco, que já estão na estrada há mais tempo, precisa conhecer cada movimento em cena, além do número onde atua. Como todos os artistas, deve saber de cor as canções. Antes ou depois do número, Gabriel sempre está em cena. É ele quem aparece como um dos cavalos em Little horses, por exemplo. “Todos os números exigem muito de todos nós. Os treinamentos são rigorosos”, diz o atleta que, no trampolim de Teeterboard atinge uma altura de seis metros.

Na interação com os artistas não há problema. No elenco de Corteo, por exemplo, Gabriel foi colega de Romina Aurich no espetáculo Zaia, apresentado neste ano na China. E é velho conhecido de Stephane Beauregard, criador do Teeterboard. Foi ele quem sugeriu a convocação de Gabriel. “São todas caras conhecidas. Apesar da grandiosidade e de ser muito conhecido, o Cirque é um mundo pequeno, onde todos se conhecem”, diz.

Mesmo com a jornada pesada e os riscos da profissão, ele garante que tudo vale a pena. “É muito bom ser reconhecido pelo trabalho que fazemos”, avalia. O rapaz sabe que chegará a hora em que não estará mais no palco. O que não quer dizer que dará adeus à companhia. “Quero continuar minha carreira por aqui. Nos bastidores, quem sabe.” Se depender do talento e da  disposição de Gabriel, ele ainda tem muito gás para encantar as plateias mundo afora.

CORTEO


Com Cirque du Soleil. Avenida Clóvis Salgado, s/nº, Pampulha. Hoje, às 17h e às 21h; amanhã às 16h e às 20h. Preço para todos os setores: R$ 200 e R$ 100 (meia). Informações: (31) 4003-5588. À venda na bilheteria e no site www.ticketsforfun.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS