Portinari atrai multidão durante o fim de semana

Belo-horizontinos aproveitam feriado para ver painéis monumentais do artista, em exposição inédita no Cine Theatro Brasil, Centro da capital. Mostra vai até 24 de novembro e depois volta à ONU

por Shirley Pacelli 14/10/2013 07:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Maria Tereza Correia / EM / DA PRESS
Marcela França e Márcio Rocha conferiram os 80 estudos feitos pelo pintor para a obra (foto: Maria Tereza Correia / EM / DA PRESS)

“Achei mais emocionante do que quando a vi pela primeira vez”, disse ontem a advogada e professora de literatura Heloísa Netto de Castro, de 76 anos, ao visitar a obra 'Guerra e paz', de Candido Portinari, em exposição no Cine Theatro Brasil-Vallourec, na Praça Sete, em Belo Horizonte. Reaberto no dia 9, depois de quase 15 anos fechado, o espaço cultural atrai milhares de pessoas, tendo recebido só no sábado cerca de 3 mil pessoas. A exposição fica aberta na capital até 24 de novembro.

 

Veja como foi a instalação de 'Guerra e Paz' no Cine Brasil


A obra foi encomendada ao pintor brasileiro no fim de 1952 como presente do Brasil à sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York, nos Estados Unidos. Os dois painéis impressionam por suas dimensões: são 14m de altura por 10m de largura. Ao todo, são compostos por 28 placas de compensado naval, cada uma com 2,2 metros de altura por cinco metros de largura e 75 quilos.


A área total pintada, uma superfície de 280 metros quadrados, é maior do que a do 'Juízo final', produzida por Michelangelo para a Capela Sistina. Os painéis estão no Brasil desde 2010 e já estiveram em exposições no Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP). Depois da passagem por BH, os painéis serão expostos em Paris, na França, antes de ser devolvidos à ONU em junho de 2014.

 

Galeria: Portinari pinta 'Guerra e Paz'

Foi justamente nos Estados Unidos que Heloísa teve oportunidade de ver os painéis, há cerca de 10 anos. Para ela, é possível sentir mais o Brasil na obra contemplando-a no próprio país. Ela lembra que frequentava o cinema popular e achou fascinante sua reabertura. “Está tudo muitíssimo organizado, gostei da apresentação, da disposição das telas e do clima”, disse.

MARAVILHA São quatro andares dedicados a Portinari. O palco do Grande Teatro, o lugar mais prestigiado da casa, recebe, é claro, a exposição dos painéis 'Guerra e Paz'. No terceiro andar há um espaço para oficinas. O quinto abriga as releituras do artista: 18 bordados do grupo Matizes Dumont, de Pirapora (MG) e instalação de esculturas de Sérgio Campos.

Já no sexto andar é possível encontrar a linha do tempo interativa da vida do pintor. Chama a atenção a projeção sobre sua obra, organizada cronologicamente. O público senta e aprecia, em looping, a apresentação. Mas foi pelo sétimo e último piso da exposição que o psicólogo Márcio Rocha, de 33, e a professora Marcela Menezes França, de 30, resolveram começar a visita.

 

Galeria: Inauguração do Cine Brasil

O espaço apresenta 80 estudos do pintor, documentos e fotografias que registraram o processo de encomenda e doação da obra, além de exibir objetos pessoais, como pincéis, óculos e cadernetas. A professora Heloísa de Castro destacou a obra interativa Templo Portinari, que exibe obras do artista com trechos de poemas de Carlos Drummond de Andrade. Márcio Rocha revela que chegou a ver filmes dos Trapalhões no antigo cinema e diz que recomenda a visita.

Marco na arquitetura

Projetado em 1930 pelo arquiteto Alberto Murgel e inaugurado em 1932, o Cine Brasil é um marco na arquitetura de Belo Horizonte e chegou a ser a terceira maior bilheteria do país. Tem 8,3 mil metros quadrados de área construída, divididos em sete pavimentos, dois teatros, um com 1 mil lugares e outro com 200, dois andares de galerias para exposições de artes visuais, área de eventos para até 650 pessoas, restaurante, loja e áreas de convivência. Os ambientes receberam isolamento acústico e têm sistema de ar-condicionado.

Será mais um local destinado à difusão das artes, com apresentações de teatro, dança, música e mostras de cinema, além de exposições de artes visuais. O prédio foi o primeiro em art déco da cidade e por muitos anos o mais alto da capital mineira.

Serviço

Exposição: 'Guerra e paz', de Candido Portinari
Local: Cine Theatro Brasil-Vallourec, Praça Sete, Belo Horizonte.
Data: até 24 de novembro.
Horário: Sessões para 400 pessoas a cada hora, entre as 10h e as 19h.
Entrada:
franca

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS