Sapos e Afogados promove ocupação artística no Bairro Santa Efigênia

Atores do grupo, que une saúde mental e teatro, apresentam trabalhos neste sábado

12/10/2013 12:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gabriel Barreto / Diuvlgação
(foto: Gabriel Barreto / Diuvlgação)
O Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados, projeto que alia teatro e saúde mental em Belo Horizonte, promove neste sábado, 12, a segunda edição do evento 'Casa Breve'. A ocupação artística, que contará com cenas de teatro, performances, concursos, shows musicais e exibição de filmes, vai se instalar das 12h às 00h nos cômodos da casa da diretora do grupo, Juliana Barreto, localizada no Bairro Santa Efigênia

Entre os destaques da programação da 'Casa breve' está a homenagem à atriz Germana Silva, uma das fundadoras e integrantes do grupo, que faleceu no início deste ano. A artista será lembrada na cena “Chá com a DIVA'.

Já a aula 'Mirra', promete a junção de uma série de movimentos que deve fazer os participantes flutuarem. O concurso 'A louca da laje' também é garantia de diversão, em que artistas da cidade, psicanalistas e atrizes do Sapos e Afogados se reunirão para sessões de fotos inspiradas em uma celebridade na laje.

O projeto 'Casa breve' foi promovido pela primeira vez em 2011, em uma casa antiga no Bairro Floresta. Na ocasião, o grupo Sapos e Afogados pretendia fazer uma visita técnica ao local para uma possível locação de filmagens. No entanto, a interação com a casa acabou se transformando em residência artística de 30 dias, em que cada ator pôde escolher o espaço que habitaria e o período de ensaio de cenas e projetos, além de dividirem os cuidados da casa. O último dia de residência foi aberto ao público, com a apresentação dos trabalhos produzidos durante esse mês.

Sapos e Afogados


O Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados surgiu a partir de oficinas de teatro ministradas por Juliana Barreto com usuários da rede pública de Saúde Mental de Belo Horizonte. A iniciativa esteve sempre afinada à luta antimanicomial e surgiu no centro de convivência Cezar Campos. Nascia então a Companhia Momentânea de Teatro, formada por 12 usuários que desejavam ir além das oficias e tornarem tores “de verdade”.

Após desvincular-se da rede pública de Saúde Mental, o grupo se transformou no Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados, buscando saltos mais ousados que pudessem mostrar todo o potencial dos “atores loucos”. Atualmente, o Sapos e Afogados conta com o apoio do Galpão Cine Horto, onde são realizados os ensaios e encontros.

'Casa Breve', do Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados

Neste sábado, 12 de outubro, de 12h às 00h, na Rua Grão Pará, número 389, Santa Efigênia.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS