Caco Ciocler questiona espetáculos que são apenas entretenimento em monólogo

'45 minutos' tem apresentação única no Teatro Bradesco nesta sexta-feira

por Carolina Braga 11/10/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guga Melgar/Divulgação
(foto: Guga Melgar/Divulgação )
“Preparem-se porque estou me preparando aqui”, avisa o ator Caco Ciocler. A recomendação é prudente. '45 minutos', monólogo que apresenta no Teatro Bradesco nesta sexta é uma provocação ao modus operandi do mundo cultural hoje. O que o ator deseja, na verdade, é despertar a capacidade de cada espectador pensar sobre o que é teatro e o que o leva a uma casa de espetáculos.

 Nada contra o entretenimento, ameniza Ciocler, mas a crítica se instala exatamente aí. “As pessoas estão entendendo o teatro como entretenimento, algo para você passar o tempo, distrair-se da vida. Acho uma pena que o teatro vire apenas isso”, lamenta. A montagem dirigida por Roberto Alvim tem texto de Marcelo Pedreira.

O nome é referência à duração mínima de uma peça. Sozinho no palco, sem se apoiar em qualquer recurso de cenografia ou iluminação, Ciocler interpreta um sujeito que precisa distrair a plateia antes que uma peça fictícia comece.

“O texto foi escrito de maneira que pareça improvisação mas não é. Somente um pedacinho. Essa provocação muda muito de acordo com o público. Já fiz sessões extremamente irônicas, tristes, raivosas”, conta. '45 minutos' foi o primeiro espetáculo feito em parceria com Alvim, um dos diretores mais polêmicos e incensados da cena paulistana contemporânea.

Caco Ciocler define o trabalho com Alvim como “um grande encontro”. “Já fizemos mais dois trabalhos e temos outros projetos pela frente. Ele tem uma pesquisa muito particular, uma assinatura forte. Nossa parceria foi boa porque foi um diálogo. O diretor não impôs sua assinatura e eu soube devolver uma leitura do que ele propunha”, conta.

O posicionamento crítico é uma constante em '45 minutos'. Mesmo que parte dos questionamentos se volte para a indústria do entretenimento, Caco Ciocler diz lidar bem com os “dois mundos” dos quais faz parte. O monólogo, segundo ele, promete surpreender quem comparecer ao teatro querendo ver o ator da televisão. “A peça é a negação disso. Para mim é muito claro. O público tem ido ao teatro querendo ver a linguagem televisiva”, critica.

45 minutos

Espetáculo com Caco Ciocler, hoje às 21h. Teatro Bradesco. Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1027. Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia).

ARAXÁ

Depois de Belo Horizonte, Caco Ciocler levará 45 minutos para Araxá. O espetáculo ocupará o palco do teatro municipal da cidade (Avenida Antônio Carlos, no Centro), no domingo, a partir das 20h. A entrada é franca mas os ingressos devem ser retirados atencipadamente na Fundação Cultural Calmon Barreto (Praça Arthur Bernardes, 10, Araxá, (34) 3691-7091).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS