Cine Teatro Brasil recebe autoridades e reabre as portas para o público

Espaço será mais um local destinado à difusão das artes, com apresentações de teatro, dança, música e mostras de cinema, além de exposições de artes visuais

por Landercy Hemerson 09/10/2013 08:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Marcos Vieira / EM / DA PRESS
Exposição ''Guerra e Paz', de Candido Portinari foi vista de perto por convidados durante inauguração do Cine Brasil, na terça-feira. Painéis serão expostos no espaço até 24 de novembro, quando seguem para Paris (foto: Marcos Vieira / EM / DA PRESS)

A Praça Sete recebeu de volta um dos ícones da arquitetura de Belo Horizonte. Depois de quase 15 anos de portas fechadas, o Cine Teatro Brasil foi reaberto à noite com a exposição 'Guerra e Paz, de Candido Portinari'. Presente do governo brasileiro à sede das Organizações das Nações Unidas (ONU), em Nova York, os painéis 'Guerra e Paz' foram encomendados a Candido Portinari no fim de 1952. A reinauguração, que reuniu autoridades e representantes dos vários segmentos sociais e culturais, foi marcada pela entrega de um novo espaço cultural à BH, que se destaca pela preservação das características marcantes do prédio inaugurado em 1932.

 

Veja imagens da reinauguração do Cine Brasil!


Em sua reabertura, o agora Cine Theatro Brasil Vallourec recebeu em seu palco um espetáculo cênico-musical inédito, com concepção do Projeto Portinari, e direção artística de Pedro Paulo Cava. Milton Nascimento e Hamilton de Holanda fizeram uma homenagem a Portinari, com composições inspiradas nos painéis 'Guerra' e 'Paz'. Ana Botafogo e Alex Neoral dançaram a coreografia 'O Pintor' e deram vida à dor da personagem 'Pietá'. A atriz mineira Letícia Sabatella interpretou texto de vários autores famosos que citam Candido Portinari.

 

Galeria: instalação de 'Guerra e Paz', de Candido Portinari


Antes da cerimônia oficial, o governador Antonio Anastasia definiu como “um renascimento cultural” da cidade a entrega do novo espaço. “Belo Horizonte retoma, de maneira muito tranquila, uma posição que sempre teve de uma das principais cidades culturais do nosso Brasil”, assinalou. “A produção cultural mineira, quer na área da dança, do teatro, da literatura, das artes plásticas, de todo segmento da arte é muito rica. E precisamos de espaços como este para mostrar nossa diversidade cultural”.

 

Veja também: Portinari pinta 'Guerra e Paz'

Marcos Vieira / EM / DA PRESS
Rebatizado Cine-Theatro Brasil Vallourec, espaço abriga galerias, teatros, restaurantes e espaços para eventos (foto: Marcos Vieira / EM / DA PRESS)

 

O prefeito Marcio Lacerda destacou a restauração do Cine Brasil, que considerou como “belíssima”, e a integração do novo espaço multiuso aos equipamentos culturais da cidade. “Como jovem, cheguei a Belo Horizonte, com 17 anos, e estive no Cine Brasil talvez umas dezenas de vezes. Ir ao cinema era muito importante na época. E certamente muitas pessoas tem lembranças de suas vidas relacionadas com o Cine Brasil. Uma das boas notícias, é que o projeto da linha subterrânea do metrô Savassi/Lagoinha está adiantado, e a estação Praça Sete terá um de seus acessos exatamente aqui, bem próximo à entrada do Cine Brasil.”

Com 8, 3 mil metros quadrados de área construída, divididos em sete pavimentos, o Cine Brasil vai contar com dois teatros, um com mil lugares e outro com 200, dois andares de galerias para exposições de artes visuais, área de eventos para até 650 pessoas, restaurante, loja e áreas de convivência.

Os ambientes receberam isolamento acústico e possuem sistema de ar condicionado. Será mais um local destinado à difusão das artes, com apresentações de teatro, dança, música e mostras de cinema, além de exposições de artes visuais. O prédio foi o primeiro em art déco da cidade e por muitos anos o mais alto da capital mineira.

Exposição

Até o dia 24 de novembro, o Projeto Portinari leva ao Cine Theatro Brasil Vallourec a exposição 'Guerra e Paz, de Portinari'. Em cena, ocupando todo o palco do Grande Teatro, os dois monumentais painéis produzidos na década de 1950, 'Guerra' e 'Paz'. Os murais são compostos, ao todo, por 28 placas de compensado naval, cada uma com 2,2 metros de altura por cinco metros de largura e 75 quilos. A área total pintada, uma superfície de 280 metros quadrados, é maior do que a do 'Juízo Final', produzida por Michelangelo para a Capela Sistina. Os painéis estão no Brasil desde 2010, e já estiveram em exposições no Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo(SP). Depois da passagem pela capital mineira, os painéis serão expostos em Paris, na França, antes de serem devolvidos à ONU em junho de 2014.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS