Pesquisador francês busca editora brasileira para publicar biografia sobre Lampião

Jack de Witte quer lançar versão em português da história do cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva

por Fellipe Torres 30/09/2013 08:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Estado de Minas / Agencia Meridional
Lampiao (Virgulino Ferreira) e Maria Bonita (foto: Estado de Minas / Agencia Meridional )
O primeiro grande sucesso internacional do cinema brasileiro ganhou o mundo há 60 anos, em 1953. Trata-se de O cangaceiro, escrito por Lima Barreto (cineasta homônimo do autor de Triste fim de Policarpo Quaresma) em parceria com Rachel de Queiroz. Bastante premiado, inclusive no Festival de Cannes, o filme circulou por 80 países. Na França, onde passou cinco anos em cartaz, o longa-metragem inspirado na história de Lampião encantou muitos espectadores, e particularmente Jack François de Witte, na época adolescente.

O cenário de truculência e banditismo no Sertão nordestino permaneceu no imaginário do francês por toda a vida. Décadas mais tarde, já formado em engenharia eletrônica, morou três anos no Rio de Janeiro, quando teve a oportunidade de conhecer mais sobre a lenda por trás de ficção, o cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva. Ao se aposentar, intensificou a pesquisa em jornais das décadas de 1920 e 1930, além de montar biblioteca com 60 livros sobre o assunto. “Me tornei um apaixonado pelo cangaço”, diz.

Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press
O escritor francês Jack de Witte (foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press)
Munido de bastante informação, de Witte percorreu cidades nordestinas na tentativa de refazer os passos de Lampião. Visitou desde o local de nascimento, em Serra Talhada, no Sertão pernambucano, até onde foi morto, na fazenda Angicos, em Sergipe. O resultado da imersão na história do cangaço rendeu o livro Lampião VP - Sans toit , sans roi, sans loi (em tradução livre, sem casa, sem lei, sem rei), lançado há cinco anos em Paris. Agora, o escritor francês circula em busca de editora para publicar a obra em português.


A despeito de ter sido embasada em extenso levantamento, a narrativa é construída na primeira pessoa, do ponto de vista de Lampião. “Quis fazer uma abordagem meio literária, então associei notícias de jornal com essa nova maneira de contar a história”, explica Jack de Witte. No encadeamento de ideias, contudo, também há espaço para a imaginação e a subjetividade. O “VP” do título, vale ressaltar, é uma referência à comparação feita entre Virgulino e o traficante carioca Marcinho VP (protagonista de Abusado, de Caco Barcellos).

Na avaliação do pesquisador do cangaço Frederico Pernambucano de Mello, o livro é um “romance histórico desafiador”, referindo-se à maneira peculiar de narração. “Para o historiador, cometimentos assim chegam a ser arrepiantes... Mas o certo é que ele [o autor] cercou-se de informações densas sobre a vida do cangaceiro”. Pernambucano de Mello foi um dos que colaboraram com a pesquisa do francês. “Creio que cabe a tradução para o português. O assunto está vivendo efervescência máxima”, completa.

Sobre o interesse em editar a obra no Brasil, de Witte diz ter essa intenção desde o início da pesquisa. “Não escrevi o livro para os franceses, e sim para, de algum modo, fazer parte dessa história”. E aproveita para explicar a pouca repercussão desde o lançamento em Paris. “As pessoas na França são muito egocêntricas e etnocêntricas, não estão abertas para aprender a respeito de outros locais”.

Lampião segundo estrangeiros

“BANDIDO SOCIAL” (VISÃO BRITÂNICA)


'Eric Hobsbawn - Bandidos' (Paz e terra, 280 páginas, R$ 45)

O historiador britânico Eric Hobsbawm traça perfis de vários “bandidos sociais” ao redor do mundo, entre eles, Lampião. No livro, ele aponta a lenda de Robin Hood como ideal universal do bom ladrão para analisar como a ausência pode transformar criminosos em heróis. A análise rendeu muitas críticas, sobretudo por sugerir que essas figuras representavam a “reação dos excluídos” contra a opressão de alguns poderes centrados no campo. No caso particular de Lampião, Hobsbawm o considerava um “bandido social” com a ressalva de que havia nele uma ambiguidade. Era “meio nobre, meio monstro”.

“BANDIDO DE ORIGEM SOCIAL” (VISÃO NORTE-AMERICANA)

'Lampião: o rei dos cangaceiros' (Paz e terra, 335 páginas, R$ 47,50), de Billy Jaynes Chandler

O norte-americano Billy Chandler é um dos críticos de Hobsbawm. Para ele, Lampião só se encaixa no conceito de “bandido social” por ter origem em ambiente injusto, e que seria exagero falar em justiça social por parte do cangaceiro. Na biografia de Virgulino, examina a trajetória desdea infância até o episódio de sua morte. Separa fatos da ficção e coloca o personagem no contexto do sertão, onde tornar-se cangaceiro era um ato natural e atrativo para o filho de um agricultor. Relatos atuais e da época, arquivos e entrevistas sustentam a análise sistemática sobre o cangaceiro.

“GÊNIO DO MARKETING” (VISÃO FRANCESA)

'Lampião - Senhor do sertão' (Edusp, 392 páginas, R$ 62), de Élise Grunspan-Jasmin

A historiadora francesa Élise Grunspan-Jasmin fez vasto levantamento e comparou várias versões sobre a vida de Lampião. Também explica como a imagem do “mito” foi construída pela imprensa dos anos 1930, que embora criticasse a violência, ajudava a construir a lenda do herói invencível, de corpo fechado. Ela aponta as numerosas fotos publicadas na imprensa, e revela o enorme prazer de Virgulino em posar para fotógrafos e se ver nos jornais. Com grande senso de marketing, manipulava jornalistas para se promover. A “lenda” seria reforçada com a literatura de cordel, bonecos de barro, filmes e músicas.

DEPOIMENTO


Frederico Pernambucano de Mello

Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press
(foto: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press)
“Conheci pessoalmente Jack de Witte em Paris, em 2004, quando fui fazer palestra sobre o cangaço. Alto, magro, contido, ares de jesuíta que largou a batina. No dia seguinte, à noite, nos avistamos demoradamente para um vinho em casa da também brasilianista do cangaço Élise Grunspan-Jasmin.

Jack estava cavando informações para escrever seu livro sobre Lampião, um romance histórico muito desafiador, vez que corre o risco de dar voz ao grande cangaceiro, fazendo com que este vá alimentando a narrativa com revelações sobre fatos e sobre motivos por trás desses fatos. Para o historiador, cometimentos assim chegam a ser arrepiantes...

Mas o certo é que ele não se lançou ao risco a partir do vazio. Ao contrário,  cercou-se de informações densas sobre a vida do cangaceiro, detendo-se por anos no levantamento destas, o que confere respeitabilidade ao produto final. Li a versão em francês de seu livro, faz alguns anos, e creio que caiba a tradução para o português, com vistas ao nosso público. O assunto está vivendo efervescência máxima.

Jack de Witte está longe de ser um aventureiro. Cercou-se criteriosamente dos elementos necessários a nos dar a visão pessoal do que entende terem sido algumas das razões e propósitos do Capitão Virgulino Ferreira. Trata-se, por outro lado, de um enamorado do Nordeste do Brasil sem meios-termos, sobretudo dos sertões setentrionais. Que não deixa turvar seus estudos por essa paixão.”


Arquivo / Diário de Pernambuco
(foto: Arquivo / Diário de Pernambuco)

REFERÊNCIA

Uma das principais fontes de pesquisa de Jack de Witte foram edições antigas do Diario de Pernambuco. Não à toa, Lampião VP tem mais de cem citações a notícias publicadas no jornal. Confira algumas delas:

  • Diario de Pernambuco, julho de 1922 - Ao lado de 50 homens, Lampião entra em confronto com a polícia no Espírito Santo.

  • Agosto de 1922 - Aos 25 anos, Lampião ataca município de Água Branca. Foi definido como possuidor “de uma perversidade insólita”.

  • Agosto de 1924 - Bando de cangaceiros atacam a cidade de Souza, na Paraíba.

  • Julho de 1925 - Confronto entre 19 policiais da Paraíba e 15 cangaceiros deixa vários mortos, entre eles o irmão de Lampião, Levino.

  • Fevereiro de 1926 - É desmentida a suposta morte de Lampião, boato que estava sendo noticiado.

  • Novembro de 1926 - Lampião junto a 120 homens sequestra representantes das empresas Souza Cruz e Standard Oil, e exige resgate.

  • Dezembro de 1926 - governadores dos estados nordestinos se reúnem para combater o banditismo no sertão.

  • Setembro de 1927 - O bando de cangaceiros estaria “desmoralizado” e reduzida a 14 homens.

  • Julho de 1938 - Notícia da morte de Lampião e de mais 11 cangaceiros.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS