Grupo Porta dos Fundos conta origem de suas esquetes em livro

Humoristas contam em obra como surgiram os populares vídeos na internet

por Diário de Pernambuco 20/08/2013 08:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Sextante / Divulgação
(foto: Sextante / Divulgação)

Com 37 roteiros de vídeos publicados na internet, o coletivo de humor Porta dos Fundos lança livro ilustrado e com comentários sobre a origem das esquetes. Além de fotos dos bastidores, cada capítulo conta com um QR code que leva diretamente aos vídeos da trupe no Youtube. Editada pela Sextante, a publicação conta com 240 páginas e custa R$ 49,90.

Entre as muitas conquistas, e em menos de um ano de existência, o Porta dos Fundos tornou-se o canal brasileiro na internet a atingir mais rapidamente a marca de 1 milhão de inscritos e venceu o prêmio da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de “Melhor Programa de Humor Para TV”.

Saiba como foram criados alguns vídeos:

NA LATA


"Eu nunca achei meu nome na latinha - e olha que eu me chamo Fábio! Isso me fez pensar: se eu não encontro o meu nome, o que dirá de Brigite. Foi o ponto de partida para brincar com nomes esquisitos, difíceis, feios... enfim, nomes. Curioso que, ao escolher como chamaria os personagens, minha primeira opção foi Kélen ou Uélerson. Acho interessante imaginar como as pessoas reagem a seus próprios nomes. Se elas gostam, odeiam, consideram diferentes...

O tom do personagem quem me deu foi o Ian SBF. Eu estava um pouco expansivo demais e ele pediu para eu segurar. Ficou preciso: um cara calmo que tem noção das coisas. As pessoas riem daquilo que elas conhecem, sobre o que têm alguma referência. Os nomes na latinha viraram uma febre, todo mundo queria se achar, comprar e guardar em casa como um troféu. Foi uma campanha simples e ótima da Coca. Principalmente pra sacanear!" (Fábio Porchat)

SOBRE A MESA


"O casal da mesa ao lado, aparentemente com quarenta e poucos anos de idade e uns vinte de casamento, comia em silêncio quando a mulher puxou assunto: 'Fulano, quero conversar com você'. Fulano, sem sequer erguer os olhos do prato, perguntou sobre o que ela queria falar, e a esposa respondeu que era sobre eles dois. Foi então que ele finalizou: 'Que papo de merda, hein?' .

A grosseria que testemunhei num restaurante me fez pensar no que a pobre alma gostaria de dizer para aquele crápula. Que sentimentos alforriados sairiam daquele peito feminino e flagelariam aquele 'Mário Alberto'? Que verdades muitas e muitas mulheres gostariam de dizer a deus parceiros? Mário Alberto não só ganhou a sobremesa, como ainda teve direito a um café. Foi ele quem pagou a conta naquela noite". (Antônio Tabet)

TÉRMINO DE NAMORO


"Um caminho que gosto de usar para ter ideias é pegar clichês, lugares-comun, e subverter. Foi o caso deste texto. Fiquei muito tempo na cabeça com o que todo homem diz quando termina um namoro. 'A culpa não é sua. É toda minha.' E se a culpa fosse realmente dele? Se ele agisse como um escroto, batesse na mulher, tivesse todos os defeitos do mundo, mas só quisesse mesmo terminar um relacionamento? Esse foi o mote do texto." (Gabriel Esteves)

 

LIVRO

 

'Porta dos fundos'

Editora: Sextante, 240 páginas
Valor: R$ 49,90 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS