Drica Moraes e Mariana Lima trazem a peça 'À primeira vista' a BH

Atrizes partem da relação entre duas mulheres para discutir algo muito mais profundo

por Carolina Braga 09/08/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nil Canine/Divulgação
As atrizes Drica Moraes e Mariana Lima na peça 'À primeira vista', espetáculo dirigido por Enrique Diaz para texto de Daniel Maclvor (foto: Nil Canine/Divulgação)
Tudo
é simples. No figurino, calça jeans e camiseta. Tampouco há cenários mirabolantes. É apenas um pano no fundo e dois banquinhos. Mas sabe aquela história do pouco que vira muito? Pois 'À primeira vista' é assim. O espetáculo, em cartaz hoje e amanhã no Teatro Bradesco, reúne em cena as amigas Drica Moraes e Mariana Lima. Não por acaso, é também sobre amizade que elas vão falar. Aliás, é a nomeação das relações que estará em jogo.

A direção é de Enrique Diaz para o texto de Daniel Maclavor. O carioca, fundador e ex-integrante da Cia. dos Atores é creditado como o “descobridor” desse dramaturgo canadense, reconhecido por criar peças que falam coisa simples de modo inovador. Com Fernando Eiras e Emilio di Mello fez de 'In on it' (2009), a primeira incursão pelo universo de Maclavor. Desde aquela época, o diretor deixou claro o interesse por um teatro minimalista e profundo ao mesmo tempo. 'À primeira vista' segue essa linha.

Duas metades
A trama gira em torno dos encontros e desencontros de duas mulheres que se conhecem em um acampamento e depois tentam formar uma banda de rock. São, no final das contas, pessoas comuns procurando se encontrar. “É uma dramaturgia muito solta, profunda, desimpedida, leve, sem querer passar mensagem. Tem esse contraste de conteúdo e coloquialismo. O público se sente parte do jogo muito rapidamente”, explica Drica. A trilha sonora da peça tem clássicos do rock mundial executados pela dupla.

Como é próprio dos textos escritos por Daniel Maclavor, cada elemento manejado em cena tem o poder de ampliar os sentidos. “Extraímos o máximo de significados com o mínimo de objetos”, revela a atriz. A iluminação – indicada ao Prêmio Shell no ano passado – leva a assinatura de Maneco Quinderé, cenografia de Marcos Chaves, figurinos de Antônio Medeiros e a trilha sonora de Fabiano Krieger e Lucas Marcier.

Para Enrique Diaz, 'À primeira vista' é um delicado olhar sobre o afeto. “No sentido mais amplo desse termo. Sobre como nos afetamos, como somos feitos por outras pessoas muito mais do que pensamos. Tudo isso com uma artesania de estrutura muito interessante”, comenta. O resultado, segundo ele, é um trabalho que fica no meio do caminho entre o racional e o emocional. “Você tem que parar para pensar mesmo. O material é puro afeto, mas é uma maneira de juntar as duas metades do cérebro”, continua.

 “À primeira vista fala sobre a necessidade que a gente tem de dar nome às relações para se estabelecer dentro da sociedade. Fala de vida e morte, de tempo passando, juventude, de escolhas”, adianta Drica. Ela lembra que no primeiro contato que teve com o texto, nem de longe conseguiu ter a dimensão do que a peça seria capaz de tocar. Desde a estreia em março de 2012, cerca de 25 mil pessoas já estiveram na plateia do espetáculo.

“Olhando em retrospectiva, não vejo coisa melhor para ter voltado a trabalhar. Pela peça, pela dramaturgia, pela potencia do autor, pela amizade que tenho por esses dois. Foi tudo muito orgânico e intenso”, resume Drica. Pelo papel, ela também recebeu a indicação ao Prêmio Shell na categoria melhor atriz.

A PRIMEIRA VISTA
Sexta, às 21h; e sábado, às 21h, no Teatro Bradesco (Rua da Bahia 2244, Lourdes). Ingressos a R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada). Informações: (31) 3516-1027 e 3516-1360.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS