'O filho eterno' é monólogo sobre pai que encara a verdade de cuidar de um Down

Espetáculo é estreia do Palco Giratório, que inicia sua segunda edição em BH

por Mariana Peixoto 05/08/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Dalton Valério/Divulgação
Dalton Valério/Divulgação (foto: Dalton Valério/Divulgação)
Festival criado há 16 anos para promover a circulação de espetáculos de artes cênicas em todo o país, o Palco Giratório começa hoje sua segunda edição em Belo Horizonte. O Sesc/Palladium, que vai concentrar parte da programação (além de peças, oficinas e encontros com artistas), apresenta nesta segunda o monólogo O filho eterno, da carioca Cia. Atores de Laura. É a segunda vez que a peça, vencedora de dois prêmios Shell (ator e direção de movimento), vem a BH. Há dois anos em cartaz, vai ter no Grande Teatro seu maior palco.

Adaptação do livro homônimo (2007) de Cristóvão Tezza – que deu ao escritor catarinense os prêmios Jabuti, Portugal-Telecom e APCA, entre outros –, O filho eterno descreve, sem pieguice ou meias palavras, como um homem foi afetado ao descobrir que seu primogênito tinha síndrome de Down. Dirigida por Daniel Herz e encenada por Charles Fricks, a narrativa foi adaptada para os palcos por Bruno Lara Resende. “O livro tem 220 páginas, então não dava para montar inteiro. O que a adaptação fez foi verticalizar a relação entre pai e filho. Todo o resto foi cortado”, afirma Fricks.

A história tem um quê de autobiográfica, já que o personagem também é escritor (e Tezza tem um filho downiano). “Quando li a obra, pensei que uma de suas várias qualidades está na força das palavras. Aquele pai não tem medo de ser politicamente incorreto, ele tem coragem de dizer o que pensa sobre a criança que nasceu diferente de tudo o que imaginava para um filho. Deu vontade de contar essa história, que é muito vital”, continua Fricks, que vinha procurando há tempos um texto para encenar um monólogo.

 Além de apresentar o espetáculo, Fricks participa do Pensamento Giratório, primeiro de três encontros de artistas com o público – será amanhã a noite, também no Sesc/Palladium. Um dos temas do bate-papo será sustentabilidade. Com 21 anos de história, a Cia. Atores de Laura (o nome é uma homenagem à artista carioca Laura Alvim) já montou duas dezenas de espetáculos. “Quando pensei em fazer um monólogo, disse ao Daniel que deveríamos fazer fora da companhia. Ele disse que não, que deveria ser dos Atores de Laura. A escolha foi mais do que certa, tanto que o grupo continuou montando outros espetáculos”, acrescenta Fricks. Além de O filho eterno, atualmente a companhia encena as montagens Beatriz (segunda adaptação de um texto de Tezza) e Absurdo.


Primeira semana


» Sexta
Espetáculo: O filho eterno (Cia. Atores de Laura, (RJ): 20h, Sesc/Palladium, Avenida Augusto de Lima, 420

» Sábado
Bate-papo: Sustentabilidade: uma companhia de teatro (Cia. Atores de Laura): 19h, Sesc/Palladium

» Quarta
Espetáculo: A Pereira da Tia Miséria (Núcleo Ás de Paus, PR): 19h, Praça da Liberdade

» Quinta
Oficina: Técnicas para o teatro infantojuvenil: contação de histórias por meio de objetos e sombras (Trupe de Truões, MG): 10h às 17h, Sesc/Palladium

» Sexta
Espetáculo: Simbá, o marujo (Trupe de Truões, MG): 14h30, Sesc/Palladium; Espetáculo: Objeto gritante (Mauricio de Oliveira e os Siameses, SP): 20h, Espaço Ambiente, Rua Grão Pará, 185

» Sábado
Espetáculo: O malefício da mariposa (Ave Lola Espaço de Criação, PR): 21h, Teatro Alterosa, Avenida Assis Chateaubriand, 499

» Domingo
Espetáculo: Insone (Grupo Z, ES): 20h, Espaço Ambiente

Preste atenção

Finalmente, chega a vez de o público de BH ver Luis Antônio – Gabriela (foto). A premiada montagem da paulistana Cia Mungunzá de Teatro chegou a ser cotada para o FIT-2012, mas acabou não vindo. Vencedor dos prêmios Shell e APCA em 2011, o documentário cênico leva para o palco uma história da família do diretor Nelson Baskerville. A trama gira em torno do irmão dele, que desafiou as regras conservadoras dos anos 1960. Saiu do Brasil como Luis Antônio e se estabeleceu na Espanha como Gabriela. A peça será apresentada no encerramento do festival (dia 24, às 21h, no Sesc/Palladium).

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO
De hoje ao dia 24, em diversos espaços de BH. A programação tem entrada franca (para apresentações em teatros, senhas serão distribuídas nas bilheterias). Informações: (31) 3279-1500 e www.sescmg.com.br/palcogiratorio.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS