Crítica de teatro mais temida do Brasil, Bárbara Heliodora chega aos 90 anos

"Terror" de atores e diretores, autoridade em Shakespeare conquistou respeito por sua dedicação ao ofício

por Carolina Braga 05/08/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arte / EM
(foto: Arte / EM)
Uma frase escrita por ela tem poder de fogo – para o bem ou para o mal. Quem foi foco de tais palavras que o diga. “Lá do palco, a gente vê de longe aquela cabeleira branca. E treme”, confessa a atriz Drica Moraes. Afinal, quem não tem medo de Bárbara Heliodora? Prestes a completar 90 anos, ela é a crítica de teatro mais temida do Brasil.

Curiosamente, há controvérsias sobre a famosa dona Bárbara. Quando o assunto é William Shakespeare, dificilmente se encontrará alguém no Brasil com tamanha autoridade para falar sobre o Bardo. Nesta hora, a mestra nada tem de durona. Embora o rigor seja quase marca registrada, ouvi-la discorrer sobre as dinastias inglesas ou sobre a genialidade do dramaturgo ofusca totalmente a persona mal-humorada.

Defensores de um novo olhar crítico para o teatro contemporâneo acusam Bárbara Heliodora de manter postura personalista, sem aprofundar a reflexão sobre novidades que companhias, diretores e autores encenam atualmente. Mesmo assim, concordam: o interesse dela por seu objeto de análise é inquestionável. É daí que vem o respeito.

Quando pensa na figura de Bárbara Heliodora, a mineira Inês Peixoto imediatamente abre um sorriso. “Tenho um caso tão engraçado com ela...”, deixa escapar a atriz do Grupo Galpão. Rir também é a reação do ator mineiro Alexandre Cioletti ao se lembrar da experiência de ter sido criticado por ela: “Nunca na minha vida vou esquecer aquela frase. Hoje, já superei. Mas foi duro”.

Ao lado de Débora Falabella, Alexandre Cioletti interpretava Paulo, personagem de 'A serpente', de Nelson Rodrigues, sob a direção de Yara de Novaes. O ator ainda se lembra do burburinho nos bastidores quando veio a notícia de que Bárbara Heliodora estava na plateia. “Foi aquele frisson. A gente finge que não está nem aí, mas dá medo. Não tem jeito de não sentir assim”, conta. Dias depois, o baque. “Ela acabou comigo. E eu pensava: não é possível. Bárbara Heliodora tem que ser respeitada por sua história, mas ouso dizer: ela não estava certa.”

Uma das criadoras da peça 'Hysteria', a paulista Sara Antunes, ex-integrante do Grupo XIX de Teatro, também experimentou episódio de superação envolvendo Bárbara. “Ela sempre elogiou as peças que fiz. Então, quando foi ver 'Sonhos para vestir', eu não tinha pavor de suas críticas ou algo assim. Era alguém que, a princípio, gostava do meu trabalho. E abusei. Tive a ousadia de querer interagir com ela”, revela a atriz.

Em determinado momento do espetáculo, dirigido por Vera Holtz, Sara perguntava aos espectadores que lugar escolheriam para ter um dia radiante. “Escolhi a dona Bárbara, e ela respondeu: ‘Inglaterra’. Outras pessoas criaram mil histórias com o nosso autor inglês, e a improvisação virou outra coisa. Ela saiu com a cara muito fechada, escreveu crítica terrível”, relembra a atriz.

Para alento de Sara, depois de receber comentários nada entusiasmados de Bárbara, Fernanda Montenegro foi conferir 'Sonho para vestir'. “Quando acabou a sessão, ela ficou uma hora comigo falando sobre os árduos caminhos do ator, dizendo que devemos sempre seguir em frente. A crítica negativa veio com esse presente inesquecível”, revela a ex-integrante do Grupo XIX de Teatro.

Foi notório o quanto a versão mineira de 'Romeu e Julieta', do Grupo Galpão, caiu nas graças de Bárbara Heliodora, autoridade em Shakespeare. Talvez por isso, a relação de profundo respeito e admiração foi cultivada por ambas as partes ao longo dos anos.

Quando a montagem estreou em Londres, a crítica carioca estava na cidade. Por coincidência, acompanhou o Galpão na excursão à terra natal de Shakespeare, Strattford-Upon-Avon. “Alugamos um ônibus. Foi lindo, porque ela sentou na cadeira da frente e deu uma aula para a gente sobre a relação de Shakespeare com as dinastias, falou sobre a totalidade da obra”, conta Inês Peixoto.

Além dessa lembrança, a atriz guarda a foto de Bárbara Heliodora com a trupe mineira na frente da casa onde Shakespeare teria nascido.

Quando fazem turnê no Rio de Janeiro, os atores do Galpão, sempre que possível, são carinhosamente convidados para jantar na casa de Bárbara Heliodora. “Ela nos conta casos maravilhosos sobre o teatro brasileiro. É uma enciclopédia ambulante”, comenta Inês.

O tal caso engraçado entre as duas ocorreu num desses encontros, na época da estreia carioca de 'O inspetor geral', de Gogol. O bebê de Inez simplesmente golfou na blusa de seda da anfitriã. “Claro que ela achou graça, mas foi uma situação inusitada. Estamos sempre acostumados a ver a dona Bárbara pelo lado da crítica, muito temida. Mas vi-me naquela situação de mulher para mulher”, diz.

“A presença dela na plateia toca o ator, porque é uma pessoa que conhece teatro profundamente. Dona Bárbara pode ser muito dura com alguns espetáculos, mas, no geral, as críticas são consistentes. Ao mesmo tempo em que é temida, as pessoas desejam ouvir uma crítica dela”, conclui Inês.

O Estado de Minas procurou Bárbara Heliodora para falar de sua trajetória como crítica de teatro e especialista em Shakespeare. De acordo com a família, ela se recupera de problemas de saúde e não pode dar entrevistas. Depois de passar 20 dias internada num hospital carioca, Bárbara voltou para casa na semana passada.

Arquivo pessoal
(foto: Arquivo pessoal)
Na rede

A fama de durona de Bárbara Heliodora mereceu até perfil falso na internet. Aliás, vários. O responsável por isso é o dramaturgo carioca Felipe Barenco, que criou as contas dona Heliodora e dona Shakespeare. O primeiro perfil foi desativado, enquanto o outro, apenas no Twitter, superou 20 mil seguidores.

Saiba mais

55 anos de ofício

Na certidão, ela se chama Heliodora Carneiro de Mendonça. Nasceu no Rio de Janeiro em 29 de agosto de 1923, filha do mineiro Marcos Carneiro de Mendonça – historiador e goleiro da Seleção Brasileira (de quem a filha herdou o amor pelo Fluminense) – e da poetisa Anna Amélia, fundadora da Casa do Estudante do Brasil.

A carreira da crítica de teatro Bárbara Heliodora começou em 1958, no jornal carioca Tribuna da Imprensa. Até 1964, assinou coluna no Jornal do Brasil. De 1964 a 1967, coordenou o Serviço Nacional de Teatro. Dedicou-se ao ensino e ao estudo de Shakespeare, tornando-se respeitada especialista na obra do Bardo. Professora da Uni-Rio, deu aula em cursos de pós-graduação da Universidade de São Paulo (USP) e, em 1975, defendeu a tese de doutorado A expressão dramática do homem político em Shakespeare.

Bárbara Heliodora traduziu para o português clássicos da dramaturgia mundial, especialmente peças de Shakespeare. Desde 1986, escreve sobre teatro no jornal O Globo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS