Cia Domínio Público ocupa a Praça Sete com o espetáculo 'Posso dançar pra você?'

Apresentações serão nesta sexta, às 12h e 19h e sábado, às 12h

por Ana Clara Brant 26/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Débora Branco/Divulgação
(foto: Débora Branco/Divulgação)
A Praça Sete, que recentemente foi o coração dos principais protestos de Belo Horizonte, vai se tornar palco de outro tipo de manifestação. Hoje e amanhã, a premiada companhia de dança paulista Domínio Público chega a BH para três apresentações inéditas e com entrada franca. Mais do que um espetáculo ou uma intervenção, 'Posso dançar pra você?' é um convite. Idealizado para locais públicos urbanos, apresenta proposta interventiva de criar espaços para a dança contemporânea junto às pessoas, nas ruas.

Segundo um dos bailarinos da Cia, o mineiro Lineker, a escolha da Praça Sete não foi aleatória, e em praticamente todas as cidades que estão percorrendo, os locais de maior fluxo de pessoas acabam servindo como cenário. “Queríamos levar o trabalho para um espaço em que transitasse muita gente e de todas as classes sociais. Essa interação e essa diversidade são muito importantes”, comenta Lineker.

A criação do espetáculo partiu da observação de diferentes espaços da cidade de Campinas, nos quais os bailarinos buscavam compreender limites entre o cotidiano e o poético. O processo transitou entre a estruturação de materiais em sala de ensaio e a adaptação dos mesmos a diferentes espaços públicos. Tais materiais, assim como o roteiro e o conteúdo temático do espetáculo, foram criados em função das experiências vividas entre os bailarinos, o espaço e as pessoas que transitavam pelos locais escolhidos durante as experimentações.

Experiências que, de acordo com o bailarino, diferenciavam-se a cada dia, a cada encontro. “Não se tratava apenas de deslocar um trabalho da sala de ensaio para a rua, mas incorporar a rua como transformadora real do espetáculo, no exato momento em que ele ocorre. O mais interessante desse processo é que, apesar de ser um espaço público, há pessoas que se apropriam dele no dia a dia. E a gente quebrava o cotidiano e sentia que estava meio invadindo aquele lugar. Chegamos a ter momentos tensos, porque, de repente, quebrávamos a lógica do lugar. Tivemos que invadir e modificar, mas de maneira delicada; como se tivéssemos pedindo permissão”, explica.

OFICINA
Além das apresentações, amanhã, a Domínio Público vai ministrar oficina de dança no Centro de Cultura Belo Horizonte. O projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte Artes Cênicas na Rua 2012. Aberta a atores, bailarinos, performers e interessados em geral, a oficina visa a compartilhar elementos e exercícios da pesquisa do processo de criação de 'Posso dançar pra você?'.

Serão explorados aspectos como a composição coreográfica, a relação com o outro e a ocupação dos espaços públicos da cidade. A partir dessas experiências, todos os participantes serão convidados a participar de um flashmob como parte de uma das apresentações do espetáculo. A oficina será realizada amanhã, das 9h às 11h, no Centro de Cultura de Belo Horizonte/CR Moda, Rua da Bahia,1.149, esquina com Avenida Augusto de Lima, Centro. Informações: www.ciadominiopublico.com.br.

Saiba mais
A COMPANHIA


Criada em 1995 pela conceituada bailarina e professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a norte-americana Holly Cavrell, a Cia. Domínio Público tem seu foco voltado para a pesquisa em dança contemporânea, e sempre buscou desenvolver e aprofundar novas expressões de linguagem corporal, visando e estimulando a criação, a produção e a circulação de espetáculos artísticos. Já produziu 16 peças – três delas em repertório – e duas videodanças, com as quais foi premiada em várias mostras, festivais e bienais. Além de Lineker, fazem parte do grupo os bailarinos e intérpretes e criadores Gustavo Valezi, Sara Mazon e Talita Florêncio.

Posso dançar pra você?
Espetáculo da Cia. Domínio Público, sexta, às 12h e às 7h; sábado, às 12h. Praça Sete, Centro. Entrada franca. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS