Com dois atores e um livro como cenário, 'Antes da chuva' busca contato direto com o público

Espetáculo entra em cartaz neste fim de semana no teatro Bradesco

por Carolina Braga 12/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ana Cris Willerding/Divulgação
Bruna Portella e Luan Vieira em 'Antes da chuva', do grupo Cortejo (foto: Ana Cris Willerding/Divulgação)
Quando uma obra teatral toca você é difícil falar sobre ela. Principalmente se for calcada na sutileza. É esse o caso de 'Antes da chuva', espetáculo em cartaz nesta sexta-feira e sábado no Teatro Bradesco. A produção dirigida por Rodrigo Portella começa a surpreender pela simplicidade de sua origem. Feita sem qualquer apoio de leis de incentivo, a criação do grupo Cortejo vem de Três Rios, no interior do estado do Rio. Mas, quando falamos em simples, isso não necessariamente tem a ver com os recursos investidos. É o modo de fazer.

Com Bruna Portella e Luan Vieira em cena, 'Antes da chuva' não tem nada de mirabolante. Ausência absoluta de cenário, o único objeto de cena é um livro. O palco é aberto, portanto, para os elementos que fazem o teatro ser efetivamente teatro: ator, texto e relação com a plateia. A montagem estreou em abril, durante o Festival de Teatro de Curitiba e saiu de lá consagrada como uma das surpresas da mostra paralela.
 
“Curitiba foi fundamental porque acabamos ganhando visibilidade que não imaginávamos”, conta Rodrigo. Depois de Belo Horizonte o trio já tem apresentações marcadas no Festival Cena Contemporânea de Brasília, além de Juiz de Fora e Jacarezinho, no interior de Paraná. Tudo graças à repercussão que a peça atingiu no evento da capital paranaense.

Com dramaturgia inspirada em 'O amor nos tempos de cólera', de Gabriel García Marquez, a trama gira em torno do amor – inocente e persistente – de um jovem estrangeiro por uma mulher mais velha. “Eu diria que é uma peça sobre o amor e também sobre orgulho, sonhos e a dificuldade que a gente tem de encontrar pessoas com quem nos afinamos de verdade”, comenta Rodrigo.

Para ele, tem sido uma surpresa a capacidade que 'Antes da chuva' tem de tocar a plateia. A peça dá continuidade à pesquisa iniciada em 'Uma história oficial', com a qual Rodrigo está indicado ao Prêmio Shell de melhor direção no Rio. Com olhar focado no trabalho do ator e no texto, interessava a ele investigar novas formas de narração.

“A medida em que o ator deixa de ser um personagem para narrar o fato, isso acaba criando um afastamento. Desse modo, como eu poderia transformar a narrativa em um jogo dramático?”, pergunta. Foi assim que ele decidiu limpar o palco para deixar o essencial. A parceria afinada entre os atores é ponto a favor da peça.

Apesar da diferença de idade, Bruna, que é esposa do diretor, e Luan trabalham há algum tempo juntos. O rapaz foi “descoberto” nas oficinas que Rodrigo ministra na cidade. O jogo entre eles é tão intenso que o objetivo da pesquisa é alcançado. Ao mesmo tempo em que os intérpretes narram a saga do casal, o espectador não fica distante da emoção daquela história. É o contrário.

Até agora, 'Antes da chuva' só foi apresentado em espaços muito pequenos. Rodrigo Portella reconhece que a relação com o público tende a ser mais intensa em locais assim. Em Belo Horizonte será a primeira vez que 'Antes da chuva' vai ser apresentado para plateia maior, o que o deixa apreensivo. “A relação mais próxima favorece a comunicação imediata. Como é tudo muito delicado, também vai ser uma experiência delicada”, diz.

ANTES DA CHUVA
Sexta-feira e sábado, 21h. Teatro Bradesco. Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1360. Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS