Contista Jeter Neves lança quinta-feira o romance 'Vila Vermelho'

Noite de autógrafos será na Livraria do Palácio, no Palácio das Artes

por Carlos Herculano Lopes 09/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jair Amaral/EM/D.A Press
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )
Se paciência pode ser um ingrediente indispensável para se fazer uma boa literatura, esse atributo nunca faltou ao escritor Jeter Neves. Há muitos anos, dia após dia, ele vem construindo uma bem-sucedida carreira de ficcionista, que o coloca entre os autores mais representativos de sua geração.


Nascido em Miradouro, na Zona da Mata mineira, há tempos vivendo em Belo Horizonte, onde é professor da PUC Minas, Jeter autografa quinta-feira no Palácio das Artes seu novo romance, 'Vila Vermelho', no qual se debruçou durante um bom tempo escrevendo e reescrevendo o texto. Valeu a pena, pois em 2011 o livro foi o vencedor do Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura, batendo dezenas de outros originais.

Na história, escrita com aparente simplicidade, ele narra a trajetória de um menino chamado Caburé, que foi criado num lugar chamado Vila Vermelho – teria alguma coisa a ver com Miradouro? – já nos distantes anos de 1950. Na época, o Brasil passava por intensas transformações, com a chegada de JK ao poder, o surgimento da bossa nova, o lançamento de clássicos da literatura, como 'Grande sertão: veredas', de Guimarães Rosa, a conquista da Copa do Mundo, entre outras coisas, que faziam acreditar que, finalmente, o país iria para frente.

É neste cenário que Caburé, o protagonista da trama, resolve voltar a Vila Vermelho, depois de receber a notícia – desmentida em seguida –, de que um amigo seu de infância tinha morrido. Começa a partir daí uma viagem ao passado, a partir da experiência do presente.

Para Guiomar de Grammont, que prefaciou a obra, o olhar poético do narrador, permeado pela ironia, “faz a crítica da hipocrisia dos costumes da pequena cidade, ao mesmo tempo em que descortina o sofrido cotidiano e as dificuldades de sobrevivência de sua família.”

Jeter Neves é autor ainda dos livros de contos 'Quadros para um oratório' e 'Fratura exposta', com o qual estreou na literatura em 1983.

VILA VERMELHO
Lançamento do romance de Jeter Neves. Dia 11, a partir das 19h, na Livraria do Palácio, no Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS