Mostra 'Ocupação macia', da carioca Maria Lynch, entra em cartaz na Galeria Murilo de Castro

Exposição propõe viagem sensorial por formas orgânicas, sensuais e lúdicas

por Walter Sebastião 03/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Beto Felício/Divulgação
Instalação da artista Maria Lynch, na Galeria Murilo de Castro (foto: Beto Felício/Divulgação )
A grande instalação com centenas de peças de tecido e acrilon propõe uma viagem sensorial por formas orgânicas, sensuais e lúdicas. Essa obra compõe a mostra 'Ocupação macia', que a carioca Maria Lynch apresenta a partir de hoje, na Galeria Murilo de Castro. “É como se fosse quarto ou sala revestida, que tira o espectador da realidade e o leva para outro lugar, fantástico e encantado”, explica a autora. A exposição tem também esculturas e pinturas que investigam mundos fictícios.

Maria Lynch conta que, ao detalhar vazios, devaneios e algum erotismo em registros figurativos, veio a vontade de transportar para o tridimensional o universo que ela trabalhava no plano. Até chegar às esculturas atuais, a artista “estripou” ursinhos de pelúcia, que remetem a memórias da infância. “'Ocupação macia' é marco da minha trajetória. Levou-me a trabalhar com o sensorial, que provoca mergulho interior para se perder ou se achar”, avisa. Detalhe: o espectador pode – literalmente – entrar na obra.

“As esculturas me levaram a outra relação com o espaço, à desconstrução de arquiteturas geométricas e a me abrir a coisas que vão surgindo do labirinto do inconsciente”, acrescenta Maria, que tem saboreado um rol de questões “postas por formas amorfas que vão se contaminando reciprocamente”. A conexão entre conceito e experiência se dá por ambivalências entre tradição e ruptura, jogos com universos sagrados e profanos. “Um aspecto faz o outro disparar o pensamento, força o pensar. Na vida também é assim”, garante ela.

Maria compara suas formas orgânicas ao devir, que a todo instante se transforma. “Estou trabalhando com o sentir e com a espontaneidade, sem regras, construindo um estar ali presente, um local construído a partir da minha lógica”, conclui. Duas de suas esculturas flutuam no espaço. O colorido vibrante tem explicação: “Sou pintora. Então, não há como deixar de lado a cor”, conclui.

MARIA LYNCH
Instalação, objetos e pinturas. Abertura quarta-feira, às 20h. Galeria Murilo de Castro, Rua Antônio de Albuquerque, 377, sala 1, Savassi, (31) 3287-0110. De segunda a sexta-feira, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 14h. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS