Livro analisa as relações entre o verbal e o visual

A literatura como design, de Angelo Mazzuchelli, será lançado neste sábado em BH

por Walter Sebastião 29/06/2013 09:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Ana Clara Brant/EM/D.A Press
Obras de artistas como Ferreira Gullar são abordadas em livro (foto: Ana Clara Brant/EM/D.A Press)
 

 

As intensas relações entre o verbal e o visual em trabalhos que tensionam os dois campos é tema do livro A literatura como design, de Angelo Mazzuchelli Garcia, que será lançado neste sábado, em Belo Horizonte. Professor de design gráfico, o autor analisa a questão a partir de criações de diversos autores e épocas.

Essas obras, provoca Mazzuchelli, não são nem literatura nem artes visuais, mas se movem, nômades, em territórios fluidos de confluência das artes.

“Qualquer forma pode ser entendida como letra, dependendo do contexto”, afirma o autor, evitando opor os dois elementos. O professor lembra que a relação entre literatura e artes visuais é antiga, varia de autor para autor e está presente em vários movimentos artísticos, como dadaísmo, futurismo e poesia concreta, por exemplo. A evidência desse fato pode ser observada em textos poéticos dos séculos 17 e 18, que já trabalhavam tanto com o verbal quanto com elementos visuais.

No caso do Brasil, ele destaca a poesia concreta e analisa as ideias de Oswald de Andrade, Ferreira Gullar, Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari, entre outros.

Doutorado

Angelo Mazzuchelli conta que o tema verbal/visual sempre foi interesse dele, inclusive por ser fundamento do design gráfico. “Quanto mais se mergulha, mais se descobrem maravilhas”, observa. Durante sua pesquisa de doutorado, ele tomou contato com a obra do poeta cuiabano Wlademir Dias-Pino. E não mede elogios ao criador do movimento poema processo, chamando a atenção para a complexidade da literatura dele. “Wlademir anteviu o desconstrutivismo no design gráfico”, observa.

Cruzando as diferentes manifestações, o professor destaca a hipertextualidade – “trabalhos com vários pontos de acesso interligados, sem entrada ou saída, mas emaranhados”, explica. Angelo gostou tanto da pesquisa que continua às voltas com o tema. Na quarta-feira, dedicava-se a um artigo sobre o livro Woman’s world (2005), de Graham Rawle, com colagem de palavra por palavra. O autor levou cinco anos para concluir a obra.

A literatura como design é ilustrado por dezenas de obras com projetos gráficos para lá de ousados. Respondendo a uma provocação – que livros entre os pesquisados gostaria de reeditar? –, Mazzuchelli selecionou dois: Nu entre vestidos (1914), de Vasily Kamenski e Andrei Kravtsov, feito com fragmentos de papel de parede estampados, e Parole in libertá: Olfattive, tattili, termiche (1932), de Marinetti, em folha de flandres.


A LITERATURA COMO DESIGN

. Lançamento do livro de Angelo Mazzuchelli Garcia.
. Hoje, às 10h, na Livraria Status, Rua Pernambuco, 1.150, Savassi, (31) 3261-6045.
. Editado pela C/Arte, o volume custa R$ 38.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS