Mundo dos excluídos é retratado na peça 'As Polacas - Flores do lodo', em cartaz no Sesc Palladium

O dramaturgo João das Neves conta a história das polacas da Praça Onze

por Ailton Magioli 28/06/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Chico Lima/divulgação
(foto: Chico Lima/divulgação)
O teatrólogo João das Neves mergulhou fundo no universo das prostitutas judias que chegaram ao Rio de Janeiro no fim do século 19 para escrever e dirigir 'As polacas – Flores do lodo', em cartaz no Sesc Palladium. O encontro das judias com as negras – em plena Praça Onze – é o fio condutor da peça, que mostra como aquelas mulheres do Leste Europeu conquistaram seu espaço, lutando contra o estigma do meretrício.


Contemplada com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2013 e selecionada para o projeto Viagens teatrais do Sesi, a peça, que estreou em 2011, é produto do trabalho da atriz e produtora carioca Luciana Mitkiewicz. Desde 2007, ela pesquisa o mundo das polacas. Depois de participar de montagem comandada por João das Neves em Campinas (SP), Luciana resolveu dividir com ele a responsabilidade de levar para o palco a saga das judias em terras tupiniquins.

“Na zona portuária carioca, elas passaram a conviver com a cultura do samba e da malandragem. Isso se deu em meio à grande miscigenação que envolvia também escravos e desempregados, contribuindo para a formação das favelas”, afirma João das Neves. “Naquele meio adverso, as polacas criaram fantásticas formas de sociabilidade. É um universo maravilhoso”, acrescenta.

A peça surgiu do amplo material recolhido por Luciana Mitkiewicz. Verdadeiro caldeirão cultural, a Praça Onze era um dos espaços mais cosmopolitas do Rio de Janeiro, onde se misturavam culturas, crenças e etnias. A região chegou a abrigar a maior concentração de judeus da história carioca, que lá se instalavam em construções adequadas para moradia e comércio.

Ultimamente, João das Neves tem se dedicado à temática negra, à qual dedicou os elogiados espetáculos 'Besouro, cordão de ouro' e 'Galanga Chico Rei'. “Negros, prostitutas e escravas brancas, os excluídos em geral, sempre me fascinaram”, conta o diretor. Diferentemente das francesas, que se tornaram prostitutas de luxo, as moças do Leste Europeu eram analfabetas aliciadas por proxenetas.

Em meio ao samba e à polca, circulam personagens emblemáticos da cultura brasileira, como o cantor Moreira da Silva e o compositor Ismael Silva, além da mitológica Tia Ciata – matriarca em cuja casa se consolidaram o choro (na sala de visitas) e o samba (no quintal).

Com cenário de Helio Eichbauer, direção musical de Alexandre Elias e preparação corporal de Angel Vianna e Marito Olsson-Forsberg, 'As polacas – Flores do lodo' reúne os atores Beth Zalcman, Iléa Ferraz, Wilson Rabelo, Eduardo Osorio, Carla Soares, Lígia Tourinho, Felipe Habib, Guilherme Tomaselli, Rodrigo Cohen e Luciana Mitkiewicz.

AS POLACAS – FLORES DO LODO
Sesc Palladium, Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro. Sábado, 21h; domingo, 19h. Ingressos: R$ 10. Informações: (31) 3214-5350.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS