Rede Minas terá que demitir maior parte de seus funcionários e realizar concurso público ainda este ano

Vários programas foram extintos e reprises dominam a grade da emissora

por Sérgio Rodrigo Reis 10/06/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Alexandre
(foto: Alexandre)
A Rede Minas de Televisão, em quase 30 anos de atividade, enfrenta sua maior crise. O futuro dos 28 programas locais que estão no ar, que ocupam quatro horas e meia diárias de atrações inéditas na grade da emissora, é incerto. Até o fim do ano, a maioria dos 430 funcionários deverá ser demitida para dar lugar a futuros servidores contratados via concurso público e, com isso, parte da programação regional deverá ser substituída por reprises ou produções realizadas de maneira improvisada. Até o próprio diretor-executivo da emissora, Hugo Teixeira, não pode prever o impacto da situação: “Não sei, hoje, dizer como manteremos a programação”, afirma.

Foi em 1984, para promover intercâmbio de valores, educação e cultura entre a população mineira, que a então TV Minas entrou no ar. Começou timidamente, alcançando municípios próximos à capital e retransmitindo a TVE do Rio de Janeiro. As primeiras experiências de produções locais ocorreram um ano depois e a ampliação foi sendo feita até que, em 1992, a emissora passou a distribuir também as atrações da TV Cultura de São Paulo. Em 1995, ocorreu outro salto, quando a TV Minas se tornou Rede Minas, com a missão de ampliar o alcance regional para a maioria das cidades mineiras. Desde 2005, funciona em parceria com a Associação de Desenvolvimento de Radiodifusão de Minas Gerais (ADTV), que, na prática, permitiu um regime de contratações diferenciado e mais maleável, considerado mais adequado às características da produção televisiva, o mesmo que a Justiça acaba de barrar.

Desde que o Ministério Público do Trabalho condenou a Rede Minas a pagar uma multa de quase R$ 4 milhões pela não realização de concurso público em 2004, a situação ficou tensa. No mês passado, cerca de 50 profissionais não concursados das áreas de jornalismo, produção, programação e administração foram demitidos. Outros cortes drásticos estão previstos para os próximos meses entre os 400 funcionários restantes no quadro de pessoal da emissora, preparando o terreno para a realização do concurso. A previsão é de que apenas 290 vagas sejam abertas. As demais, cerca de 80, consideradas estratégicas, relacionadas a cargos de chefia, apresentadores e profissionais das áreas de criação, deverão ser preenchidas por cargos de recrutamento amplo, sem concurso. Ou seja, o quadro de pessoal, mesmo depois da realização do concurso, será reduzido.

“Está muito difícil trabalhar lá, porque as pessoas estão tendo que se desdobrar para colocar a emissora no ar. A TV Minas é engraçada: as pessoas se apaixonam. Não há outro lugar aqui para fazer uma televisão criativa”, compara Mariana Tavares, ex-apresentadora do Curta. Depois de 22 anos na emissora, ela conta que deve muito à antiga casa. “Fui editora, repórter, roteirista de documentário, apresentadora e fui surpreendida com a demissão. Não entendi minha saída. Achei que merecia ao menos uma conversa, pela minha trajetória. Não gravei nem uma despedida. Faltou respeito, sim.” Apesar de a situação atual ser complicada, a apresentadora acha que o futuro pode ser melhor. “As pessoas serão concursadas e terão estabilidade. Nesses anos todos lá dentro, passei por cinco regimes de contratações”, diz Mariana.

A preocupação da maioria dos funcionários, a curto prazo, é de uma perda significativa da qualidade da programação da Rede Minas. Graças à criatividade local, a emissora se tornou a terceira maior TV pública do país, atrás da TV Cultura de São Paulo e da TV Brasil. Com vários prêmios e atrações exibidas nacionalmente, como o 'Alto-falante' e o 'Dango Balango', a emissora, caso se configure a transição prevista, terá prejuízo evidente, como avaliam vários profissionais em atuação na emissora, que preferiram não se identificar temendo represálias.

“A Rede Minas surgiu com a esperança de que o estado pudesse ter produções locais. Sempre exportamos. Atualmente estava cumprindo o seu papel. Com a má gestão e a grande confusão que sucessivos governos fizeram, ela foi terceirizada. Assim a sucatearam. Passei lá no ano 2000 e a redação nem sequer tinha computador”, exemplifica Eneida da Costa, presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. “A emissora entrou num beco sem saída”, lamenta a dirigente sindical.

ESTREIAS E REPRISES Diante de um futuro incerto e de um quadro iminente de demissão em massa, chama atenção o esforço dos atuais dirigentes em lançar, nos últimos dias, uma nova grade de programação. O 'Agenda', especializado em entretenimento, que era veiculado às 19h40, um dos mais antigos no ar, foi remodelado e passou a ser exibido às 22h, sob o comando da jornalista Daniella Zupo. A antiga apresentadora, a também jornalista Fernanda Ribeiro, deve estrear 'Breve história', em 24 deste mês, às 22h30.

As outras modificações anunciadas não passam de adequações de horários e reprises. A nova grade foi divulgada quase simultaneamente à extinção de produção de algumas atrações que fizeram parte, por anos a fio, do dia a dia do telespectador mineiro, a exemplo do 'Curta', do'Rede mídia', do 'Emprego e renda' e do 'Jornal visual'. Por enquanto, estão sendo reprisados programas antigos.


ENTENDA O CASO
» A Fundação TV Minas assinou, em 2004, com o Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Estadual um termo de ajustamento de conduta pelo qual o governo estadual se comprometia a realizar concurso público. Não foi feito.
» A situação gerou uma ação do Ministério Público do Trabalho e a fundação foi condenada, em todas as instâncias, a pagar uma multa que chega hoje perto dos R$ 4 milhões.
» O governo negociou novo prazo para a realização do concurso. O Projeto de Lei 3.252/2012 propõe nova estrutura de cargos e funções da Fundação TV Minas, por meio de concurso público, já aprovado na Assembleia Legislativa.
» Como ano que vem há eleição, o que impede a realização de concurso, a seleção deverá ser feita e homologada ainda este ano. A consequência será demissão de 400 funcionários, preservando-se apenas os cargos em comissão.


SEDE E ACERVO
Se por um lado a emissora enfrenta um dos piores momentos de sua história, por outro o governo estadual anunciou a construção da futura sede da Rede Minas, a ser instalada num terreno no Barro Preto, onde funcionarão também a Rádio Inconfidência e a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Outra promessa é a digitalização do acervo. “Em 2014 chegamos aos 30 anos de funcionamento. Temos hoje em torno de 50 mil horas de produção própria, que será digitalizada numa parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Ninguém tem um acervo como este, com a cara do nosso estado. Minha esperança é que as pessoas percebam a necessidade de preservar essa história”, defende o diretor-executivo Hugo Teixeira.


PALAVRA DE ESPECIALISTA
Por uma TV pública

. Laurindo Leal Filho, professor de comunicação da USP
Nunca houve vontade política para consolidar uma TV pública de qualidade no Brasil. Desde a implantação do rádio e depois das televisões, as concessões foram entregues à iniciativa privada. Não houve vontade política de nenhum governo para impulsionar efetivamente uma alternativa às televisões comerciais. O que houve foi a criação de emissoras educativas ou públicas, que, na verdade, fazem papel de estatais, pelos seus vínculos com os governos e a dependência financeira. O modelo que se persegue é o da BBC de Londres. Mantida por uma taxa cobrada da população e com conselho autônomo, ela tem liberdade e distância do poder público. No Brasil, nunca se conseguiu algo parecido. Luto para que consigamos chegar a um modelo próximo ao inglês. É algo necessário para o país e para nossa democracia que exista alternativa às emissoras comerciais.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS