'Fedra e Hipólito', ópera de Christopher Park, tem estreia mundial dia 15, no Palácio das Artes

A montagem dirigida por Fernando Bicudo mescla a tradição do enredo com alta tecnologia

por Sérgio Rodrigo Reis 31/05/2013 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Leandro Couri/EM/D.A Press
O diretor Fernando Bicudo coordena de perto todos os elementos que compõem o universo visual e sonoro de 'Fedra e Hipólito' (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Sedução, amor e traição. O americano Christopher Park se inspirou em sentimentos universais para criar a ambientação da ópera 'Fedra e Hipólito', cuja estreia está prevista para dia 15, no Grande Teatro do Palácio das Artes, em Belo Horizonte. A história se passa em tempos remotos. Afrodite, como vingança por Hipólito não ter a mesma devoção por Ártemis, provoca em Fedra uma paixão impossível por seu enteado. Para levar ao público a narrativa, nunca antes apresentada, um batalhão de artistas, técnicos, cenógrafos e figurinistas corre contra o tempo nos bastidores.

Com prólogo e dois atos, o espetáculo tem duas horas e meia de duração. Música, libreto e direção musical são assinados pelo compositor Christopher Park. A direção artística e cênica é de Fernando Bicudo. A equipe de produção se completa com Lúcia Tristão, que cuidará da direção geral da ópera, cujos dois elencos reúnem as sopranos Leila Guimarães e Rita Medeiros (Fedra) e os tenores Max Wilson e Anibal Mancini (Hipólito). Os demais personagens serão interpretados por Leonardo Páscoa, Fabrízio Claussen, Malena Dayen, Luisa Francesconi, Juliana Franco, Nívea Raf, André Fernando, Cristiano Rocha e Lilian Assumpção.

A Orquestra Sinfônica e o Coral Lírico de Minas Gerais, além da Sesc Cia. de Dança – em sua estreia nos palcos –, são os corpos artísticos que participam da montagem, baseada na tragédia universal 'Hippolytus', do dramaturgo e poeta grego Eurípides (480 a. C.). Em outubro de 2009, Christopher Park – autor do libreto – fez uma leitura musical da obra no Mannes College of Music, em Nova York. Na plateia estavam Lúcia Tristão e o maestro mineiro Luiz Aguiar. Ambos se encantaram com a apresentação. Desde então, têm feito de tudo para montar o trabalho no Brasil.

A missão de levar algo novo para a cena é desafiadora. “Trazer a novidade é sempre algo sensacional. Não tenho nenhum medo de dar um salto no escuro. Quem tem medo não sai do lugar”, avisa Fernando Bicudo, que se apaixonou pelo projeto, pela música, libreto e os trágicos triângulos amorosos. Bicudo se cercou de profissionais nos quais confia para levar adiante o projeto, como o cenógrafo Hélio Eichbauer, o iluminador Maneco Quinderé e os responsáveis pelos efeitos especiais, Fábio Passos e Fred Tolipan. A equipe se completa com Karema Deodato (figurinos) e Alexander Filipov (coreografia).

A opção da direção cênica foi aliar a tradição grega à modernidade, distanciando-se das óperas convencionais a partir de diálogos com a tecnologia de ponta utilizada na cenografia e a ambientação cênica. “Temos disponibilidade de recursos tecnológicos fantásticos.” A expectativa é que os recursos do cinema e da computação gráfica consigam unir todas as demais artes, algo da essência da ópera.

A iluminação é outra aposta. Será pontuada apenas com refletores varylights, com amplas possibilidades de efeitos. Recursos multimídia em computação gráfica e projeções em telão darão vida às 14 cenas de 'Fedra e Hipólito'.

A ambientação cênica é composta de base cenográfica formada de vários planos, totalmente revestidos em material decoflex branco, cor característica da Grécia, que servirá de base para a composição das cenas, dispostas em quatros níveis de ação, com plataformas e escadarias. Eles aparecerão e desaparecerão a cada cena criada pelos artistas Fred Tolipan e Fábio Passos. O clima se completa com a presença constante do icosaedro, uma das cinco únicas formas perfeitas da geometria. Estudada por Pitágoras e Platão, é formada por 20 triângulos equiláteros que aparecerão girando no espaço.

A história

Hipólito, filho do rei Teseu, enfurece Afrodite, a deusa do amor, ajudando Ártemis, a deusa da castidade. Como punição, Afrodite faz com que a rainha Fedra, madrasta de Hipólito, o desejasse. Fedra, envergonhada por seus sentimentos, desabafa com sua aia, que logo em seguida a trai, contando seu segredo para Hipólito. Para proteger sua reputação, Fedra decide tirar a própria vida, mas antes deixa uma carta acusando Hipólito de violentá-la. Ao retornar, Teseu descobre que a esposa havia morrido. Ávido para saber a causa dessa morte, exige que familiares revelem a verdade da falsa carta que Fedra deixou.

 

Superprodução

 

135 - artistas no palco

58 - músicos na orquestra 

25 - coralistas 

20 - bailarinos

12 - solistas

08 - figurantes

05 - récitas

 

Três perguntas para...

Fernando Bicudo
diretor de ópera

Como você avalia a ópera na atualidade?

Ópera é um espetáculo complexo. Abraça todas as formas de expressão artística, da música, teatro, dança, artes plásticas e da iluminação. Como estou criando, por que não pensar em algo revolucionário? Não vejo ópera como algo tradicional. Mas como uma coisa de qualidade e vanguarda. Estamos fazendo uma encenação atemporal, com várias dimensões de ação, da dança, do canto e da música. Não queremos simplesmente mostrar um texto, mas fazer com que as pessoas fiquem atentas ao que acontece e sonhem.

Que questões a sua concepção dessa ópera incita?

A força da paixão, o ciúme... Está tudo num plano só e misturado. Trabalhamos com extremos de paixão, ódio e triangulações fortes. Não só o que seriam supostamente representações dos deuses. Há neste espetáculo uma triangulação de grandes sentimentos e conflitos, intensa desde o primeiro instante. Ela já arrebata você pela força das composições desde a ária de Afrodite, no prólogo.

Quais as contribuições da tecnologia para esta versão de 'Fedra e Hipólito'?

É tudo tudo novo, pelo fato de ser uma estreia mundial. Não temos nenhuma referência, a não ser a nossa própria imaginação. Durante toda a apresentação, o público verá projeções em quatro superfícies diferentes, a partir de vídeos inventados por designers pioneiros em cenografia virtual no Brasil. Eles farão isso a partir de meu storyboard. Minha estreia na direção de ópera se deu em 1984, com Orfeu e Eurídice, no Theatro Municipal do Rio. Foi a primeira vez que se utilizou o raio laser. Foi um impacto.

'Fedra e Hipólito'

Ópera de Christopher Park. Récitas em 15, 18, 20 e 21 de junho, às 20h30, e no dia 16, às 19h, no Grande Teatro do Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro. Com solistas convidados, Orquestra Sinfônica e Coral Lírico de Minas Gerais, além de bailarinos da Sesc Cia. de Dança. Ingressos: R$ 60 (inteira). Informações: (31) 3236-7400.

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS