Documentário conta origens do bloco UCA

Diretor optou pela linguagem tradicional sem narrador em off

por Gracie Santos 25/05/2013 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Léo Rodrigues/Divulgação
Criado nos anos 1960, o Bloco UCA anima o carnaval da cidade mineira de Prados (foto: Léo Rodrigues/Divulgação)
Quem gosta de carnaval sabe que Momo tem filhos pródigos no interior de Minas, caso de Diamantina e Ouro Preto. Mas nem todo mundo sabe que nasceu em Prados, região do Campo das Vertentes, em 1962, um bloco que fez e faz história, o UCA, sigla que, com o perdão da brincadeira, torna a entidade algo quase imensurável em número de “adeptos” (integrantes ou não): União de Consumidores de Álcool. Para marcar os 50 anos de atividades do bloco, Léo Rodrigues criou o documentário Pra fazer carnaval mais uma vez (77min), que será exibido neste sábado, às 11h, no Belas Artes, em sessão com entrada franca. 

Fruto de projeto de conclusão de curso de comunicação social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o filme revela em alguns momentos ares de exercício acadêmico e traz, por isso mesmo, questões ainda a serem amadurecidas pelo diretor, que optou pela linguagem tradicional sem narrador em off. Todo o discurso é construído a partir da voz dos entrevistados, o que resulta em momentos mais e menos inspirados, dependendo da desenvoltura de quem fala. Também por isso a obra perde em amarração e cadência. 

Qualquer deslize é recuperado pela importância histórica do registro, com momentos de alegre folia, mostrando que Prados é fiel representante do que a festa momesca tem de mais bonito: a (rara) tradição do bom carnaval embalado por marchinhas e com a presença de crianças no Bloco Ukinha. Com direito à saudável disputa entre rivais, no caso, o Gato Preto. A maior parte das filmagens foi feita durante os preparativos e o carnaval de 2012, quando o bloco completou 50 anos.

A criação do UCA foi, como conta o filme, ponto de partida para transformações sociais e culturais na cidade. A iniciativa questionou o conservadorismo católico e o bloco passou a ser importante espaço de contestação social. Ao fim do documentário, pode-se dizer que a obra cumpre sua proposta de mostrar, como afirma o próprio Léo Rodrigues, que “Prados não abre mão do samba, das bandinhas que tocam marchinhas e de outros elementos que dão sentido próprio à noção de modernização dessa data nacional”.

Pra fazer carnaval mais uma vez
Exibição do filme com direção e edição de Léo Rodrigues
Hoje, às 11h, no Usiminas Belas Artes Cinema (Rua Gonçalves Dias, 1.581, Lourdes). Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS