Mistério, encantamento e cumplicidade cercam artistas e suas fontes de inspiração

Musas e musos emprestam a própria alma às obras para se tornar símbolo do inconsciente coletivo

por Walter Sebastião 13/05/2013 08:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Beto Novaes/EM/D.A Press
José Maria Ribeiro pintou cerca de 200 retratos de sua musa, Fátima Inchausti (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Apenas quatro letras nomeiam a musa, figura eternamente cultivada pelos artistas. Protetora das artes e das ciências, segundo a mitologia greco-romana, seu dom é inspirar. O que elas – ou eles – têm? Um encanto, que, observado e registrado com arte, não vem necessariamente da beleza, da perfeição das formas ou do poder de despertar desejo sexual.

José Maria Ribeiro faz retratos de sua mulher, Fátima, há 40 anos. “É minha musa”, afirma. Os dois se conheceram no Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – ela, aluna de desenho; ele, de pintura. “Aquela figura bonita me inspirava. Assim surgiram os retratos que faço até hoje. A pintura sempre esteve entre nós dois”, diz José Maria. O pintor avisa: não usou a arte para seduzir Fátima. Isso até costuma ocorrer, admite, mas ele nunca agiu assim, pois considera tal comportamento impróprio.

“Pintar o retrato de alguém é a busca de captar a alma de algo que está além do físico”, explica José Maria Ribeiro. Trata-se de uma experiência de autoconhecimento para o modelo, sobretudo pela possibilidade de alguém se ver por meio da ótica de outra pessoa. É difícil expressar em palavras o sentimento despertado pela musa: “Um encanto misterioso”, arrisca José Maria. Ele fez cerca de 200 pinturas de Fátima, trabalhos que chama de “retratos imaginários”, além de desenhos.

A longa dedicação à imagem de Fátima não foi planejada. “É sempre algo novo”, assegura o pintor, que, aliás, tem outra musa: “Minha filha Iara, de 32 anos, que pinto desde que nasceu. E também o Humberto”, acrescenta, referindo-se ao filho de 34 anos.

Sérgio Nunes/divulgação
As irmãs Gastelois inspiram desenhos e quadros do artista plástico Sérgio Nunes (foto: Sérgio Nunes/divulgação)
AMIZADE
Há mais de uma década, o artista plástico Sérgio Nunes se dedica à série com cerca de 40 desenhos e algumas pinturas, cujos modelos são as irmãs Ana, Lídia, Maria e Ignez Lana Gastelois. Ele só aceita definir as duas primeiras como musas. E avisa: não é apaixonado nem casado com elas, escolhidas por terem o tipo adequado ao projeto que Sérgio queria realizar.

Dada a explicação, Sérgio Nunes se desdobra em tentativas de descrever o encanto. Que nem tanto se deve à beleza do quarteto, mas ao modo como as irmãs mexem os cabelos, a olhares expressivos e a gestos sensuais.

“Fico observando o jeito delas, sinto que convidam ao desenho”, garante Sérgio. Em 1983, ele descobriu Ana e a irmã gêmea, Lídia, no Festival de Inverno da UFMG. Inclusive, já desenhou a filha de Lídia. “Há entre nós forte relação de amizade e proximidade, o que permite a abordagem e o pedido de poses e movimentos”, conta ele.

Se a inspiração das musas é poderosa, o artista explica ser necessário um platonismo para aproveitá-la. Sérgio revela que nunca fez retratos das mulheres por quem se apaixonou.

MUSO “Meu muso é Caetano Veloso”, afirma Vânia Toledo. Mineira de Paracatu, ela mora em São Paulo há décadas. Conhecida por retratar dezenas de artistas, a fotógrafa publicou seus trabalhos em livros, capas de discos e revistas. “Caetano é o exemplo de homem moderno da minha geração. Temos alto grau de cumplicidade, vejo isso no olhar dele. Respeito-o muito, e ele o que faço. Nunca tive um senão dele na hora de fotografar”, conta.

Para se ter ideia do grau de intimidade dos dois, foi para Vânia que o baiano posou sem roupas em 1979. A imagem integraria um livro de nus. “Ele se entrega, confia no que estou fazendo”, agradece a mineira.

A fotógrafa não diz, mas ao comentar seu trabalho, deixa claro que não não mira no mito e em celebridades. “Trato qualquer homem como João e qualquer mulher como Maria. Faço musos e musas todos os que se entregam a mim. Adoro gente, quero sempre mostrar o melhor lado do ser humano”, conclui.


PERSONAGEM DA NOTÍCIA
. Fátima Inchausti, pintora

Perto da alma

“Tenho um sentimento bom quando vejo cerca de 200 retratos meus que o José Maria fez. Sinto-me bonita. Em outros momentos, sinto que ele me pegou mais séria, mais preocupada. É a minha vida, uma biografia em imagens”, afirma a pintora Fátima Inchausti, mulher do artista plástico José Maria Ribeiro. “Os retratos têm muito da minha alma, algo que ele percebe sem que eu tenha de falar nada”, garante. Para ela, artistas que se voltam recorrentemente para determinado modelo gostam da figuração e têm facilidade para o retrato, um gênero difícil. “É a atração pelo humano, a tentativa de desvendar o mistério que é o ser humano”, acredita.

AS BELAS

John Mac Dougall/AFP
(foto: John Mac Dougall/AFP)
» Simonetta Vespúcio (1453–1476), casada com um primo do navegador Américo Vespúcio, foi modelo do pintor Sandro Boticelli (1445–1510) e aparece nos quadros 'Nascimento de Vênus' e 'Primavera'. Diz a lenda que o último pedido de Boticelli foi ser enterrado aos pés de Simonetta.

Renato Weil/EM/D.A Press
(foto: Renato Weil/EM/D.A Press)
» Há quem garanta que Maria do Carmo Raimundo da Silva, mulher do pintor Manoel da Costa Ataíde (1762–1830), inspirou a figura central da apoteótica imagem (foto) que se vê no teto da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto.

Álbum de família
(foto: Álbum de família)
» A beleza da pintora Tarsila do Amaral (1886–1973), musa do Modernismo brasileiro (foto), foi saudada por vários escritores.

» A obra de Picasso (1881–1973) é dividida de acordo com as seis mulheres com quem ele viveu relacionamentos conturbados.

Reprodução
(foto: Reprodução)
» Gala (1894–1982), a russa (foto) que trocou o poeta Paul Eluard e o pintor Max Ernst por Salvador Dalí (1904-1989), é a mais famosa das musas dos surrealistas.

*Durante sete anos, a mulata Marina Montini (1948–2006), miss e madrinha de blocos de carnaval que posou nua para a Playboy, foi a musa do pintor Di Cavalcanti (1897–1976).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS