Festival de Teatro de Curitiba começa nesta quarta com apresentação de peças brasileiras e internacionais

Minas Gerais participa com espetáculos na Mostra Oficial e no Fringe

por Carolina Braga 26/03/2013 08:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Carlos Hauck/Divulgação
Os mineiros da Cia. Luna Lunera levam o espetáculo Prazer para a Mostra Oficial do festival curitibano (foto: Carlos Hauck/Divulgação)
Não é segredo que o Festival de Teatro de Curitiba é o mais robusto realizado no país. Mesmo assim, o evento, que começa amanhã e se prolonga por 12 dias, costumava gerar controvérsia em relação à qualidade do que era apresentado em sua mostra paralela, o Fringe. Isso tem mudado nos últimos anos e Minas Gerais tem lá seus méritos nessa reformulação.

“O Fringe começou com sete espetáculos e organicamente chegou a 384. É obvio que alguém tem que organizar o caos”, diz Leandro Knopfholz, um dos diretores do festival. Foi daqui, precisamente do Galpão Cine Horto, que partiu a ideia da criação de pequenas mostras dentro da sempre disputada grade paralela de espetáculos em Curitiba. O exemplo tem sido seguido por outras regiões, como é o caso da Bahia, que agora também oferece um pacote de espetáculos locais.

Pelo terceiro ano consecutivo, companhias de Belo Horizonte partem em comitiva para o Sul do Brasil. Só a turma que sairá do Galpão Cine Horto terá 37 pessoas, entre atores, diretores e técnicos. Este ano, a mostra 'Grupos de BH – Teatro para ver de perto' vai ocupar um novo palco. Além do Teatro Novelas Curitibanas, os mineiros também estarão no Espaço Cênico, a antiga sede do grupo ACT, capitaneado pelo ator Luís Mello. Ao todo, serão sete peças, que revelam a diversidade da atual produção do teatro de pesquisa feito em Belo Horizonte.

“Acho esse tipo de iniciativa muito importante, porque é o que ajuda a dar permanência maior ao espetáculo. É a partir dos festivais que você pode rodar um pouco mais e fazer com que a companhia alcance outra abrangência”, avalia o ator Alexandre Hugo. Parceiro de cena de Bruna Betito, eles levam '15 centímetros' ao festival, peça que marca a estreia da dupla em palco profissional.

O coletivo Paisagens Poéticas, com 'A noite devora seus filhos' e o grupo Mano a Mana, com 'Memórias em improviso', reforçam a turma estreante no Paraná. Além dos novatos, a seleção contempla trabalhos de veteranos, como 'Entre nebulosas e girassóis', da Cia Teatro Adulto; 'Por parte de pai', do Grupo Atrás do Pano; e 'A projetista', criação de Dudude.

“Um festival tem esse papel do encontro, do compartilhar as diferenças de apreensão da arte. É um lugar para se conhecer o trabalho do outro, travar relações, apresentar o que você tem pensado. O Festival de Curitiba já é mais velho, está na agenda do país e isso tem uma importância. Quantos artistas já foram lá? É como se fôssemos lá nos nutrir”, diz Dudude.

Guto Muniz/Divulgação
Revelado nacionalmente em Curitiba, o Espanca! marca presença desta vez com a peça Líquido tátil (foto: Guto Muniz/Divulgação)
Frisson
Antes de mostrar Prazer, a nova montagem, para os conterrâneos de BH, o Grupo Luna Lunera foi convidado a integrar a Mostra Oficial do evento curitibano. Para Odilon Esteves, ao longo de seus 22 anos, o festival conseguiu se firmar como uma vitrine importante. “Coincidentemente, alguns espetáculos muito especiais no teatro brasileiro recente, como 'Hysteria' (Grupo XIX de Teatro de São Paulo) e 'Por Elise' (Espanca!), ganharam projeção nacional a partir dali. Por isso tem um frisson”, explica.

“A curadoria de um festival imprime um pensamento sobre teatro. De modo geral, esses eventos se preocupam em mostrar a produção teatral relevante do nosso tempo. Pressupõe uma atualidade em relação à linguagem, à pesquisa”, analisa Grace Passô. A dramaturga foi sensação do Fringe na edição de 2005 com 'Por Elise' e, há oito anos, a companhia é convidada a participar da Mostra Oficial.

Este ano, além de estar em cena com Gustavo Bones e Marcelo Castro em 'O líquido tátil', montagem dirigida pelo argentino Daniel Veronese, Grace mostrará sua faceta de diretora e dramaturga com 'Os bem intencionados', do Grupo Lume, de Campinas, na Mostra Oficial; e, no Fringe, com 'Os ancestrais', do Grupo Teatro Invertido.

Renovar é palavra de ordem
Realizado desde 1992, o Festival de Teatro de Curitiba tem formato mais que sedimentado. Como lembra Leandro Knopfholz, já que o lema é “se questionar sempre”, a edição deste ano apresenta algumas novidades. A principal delas – e talvez a mais arriscada – é a interferência direta da equipe na produção de algumas peças.

“O festival percebeu que também tem a função de viabilizar e propor. Se queremos ser uma vitrine, quando propomos a criação de espetáculos queremos algo diferente. Estamos interferindo de outra maneira”, compara o organizador. Da grade com 32 montagens na Mostra Oficial, três são fruto desse esquema: 'Cine Monstro versão 1.0', do encenador carioca Enrique Diaz; Parlapatões revistam Angeli, dos Parlapatões; e a coprodução internacional Homem vertente, com os argentinos da Cia Ojalá e Parnaxx.

Além disso, o Festival de Teatro de Curitiba continua de olho no repertório de grupos nacionais que mantêm produção frequente. Nessa seara, além dos mineiros Espanca! e Cia Luna Lunera, estarão em cartaz novidades da cena de grupo como do 'A marca d’água', do Armazém (RJ); 'Ficção', da Cia Hiato (SP); 'Hamlet', da Cia Clowns de Shakespeare (RN); e 'Esta criança', da Cia Brasileira (PR). “Nossa fila nunca anda. É a roda que aumenta. São companhias que vêm e criam vínculos”, diz o diretor.

Segundo Leandro, o festival continua com a proposta de fazer uma leitura do momento teatral brasileiro. E como no mundo as fronteiras estão cada vez menos definidas, os palcos de Curitiba pouco a pouco se tornam mais internacionais. Da Bélgica, por exemplo, vem 'Kiss and cry', com direção de Jaco van Dormael; da Coreia, Pansori Brecht UKCHUK-GA, com 'Ja Ram Lee'; e da Escócia, o espetáculo de dança urbana 'In the dust'.

Do interior

Não só os grupos de BH são atraídos pelo burburinho que o festival de Curitiba pode causar. Pelo menos quatro companhias do interior de Minas – de São Lourenço, Ipatinga, Ouro Preto e Juiz de Fora – apresentarão seus trabalhos por lá. “Vale a pena porque sempre tem uma crítica coesa para falar do nosso espetáculo”, avalia Cy Andrade, diretor da Cia Teatral Censura Livre. O grupo de São Lourenço apresentará 'Liquidificador: sarau literomusical'.

MINAS EM CURITIBA

>> No Fringe
'A projetista', de Dudude; 'Entre nebulosas e girassóis', Companhia Teatro Adulto; '15 centímetros', Cia. 15 de Teatro; 'Por parte de pai', Grupo Atrás do Pano; 'A noite devora seus filhos', Paisagens Poéticas; 'Memórias em improviso', Mano a Nana; 'Os ancestrais', Grupo Teatro Invertido; 'Arquivo vivo', Grupo Farroupilha (Ipatinga); 'Pequenas coisas grandes', Grupo Residência (Ouro Preto); 'Liquidificador – sarau literomusical', Cia Teatral Censura Livre (São Lourenço); 'Antes da chuva', Cortejo Cia de Teatro (Juiz de Fora).

>> Na Mostra Oficial
. 'Prazer', da Cia Luna Lunera
. 'O líquido tátil', do Espanca!

SAIBA MAIS

Fringe

A mostra paralela de Curitiba é inspirada na proposta do Fringe, o festival de teatro de Edimburgo, na Escócia. Considerado o maior evento do gênero no mundo, ele é realizado desde 1947 e se caracteriza pela ausência de curadoria. É um canal aberto para quem quiser mostrar sua criação. Na edição do ano passado, foram 2.695 espetáculos, de 47 países, ao longo de 25 dias. Este ano, o Fringe curitibano terá 376 produções.

22º Festival de Teatro de Curitiba
De amanhã a 7 de abril, em Curitiba, Paraná. Informações e programação completa: www.festivaldeteatro.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS