Cineasta Fábio Carvalho dá os primeiros passos na literatura

Autor lança nesta segunda-feira o livro 'Parábola do voo livre'

por Carlos Herculano Lopes 04/02/2013 10:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Beto Magalhães/EM/D.A Press
(foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press)
Com muitos anos de estrada e vários filmes premiados, o fotógrafo, produtor e cineasta Fábio Carvalho, sempre irrequieto e em busca de novas possibilidades, estreia na literatura. Esta noite, ele autografa o livro 'Parábola do voo livre', no Café Book, em BH.

Trata-se de uma coletânea de crônicas, ensaios e pensamentos que podem ser lidos como ficção ou fragmentos autobiográficos. Todos vêm recheados de lembranças, episódios com outros cineastas ou andanças pelas ruas e bares de Belo Horizonte. O mosaico de textos convida ao sonho e à reflexão.

Belo-horizontino nascido em 1963, Fábio começou sua carreira na década de 1980, quando filmou 'Imaginação, em super-8. De lá para cá, realizou dezenas de trabalhos, como o longa O general (2003) e os curtas Geografia do som (2001) e Encontro com Bardem (1998). Em formato digital, que concentra a maior parte de sua obra, o diretor rodou, só no ano passado, Minas, música e futebol, Nelson em Ouro Preto e David Lynch no BH Shopping.

Em uma das crônicas de Parábola do voo livre, “O mundo de Aron Feldman”, que também rendeu curta homônimo, Fábio fala de sua convivência com esse notável cineasta, que morou muitos anos em Belo Horizonte. “Aron foi a figura mais amável que tive o privilégio de conhecer. Lembro-me de quando um amigo em comum, o João, me levou de moto à sua casa, no Alto da Serra, para fazer a câmara de Finito ou infinito, filme em super-8 que ele iria realizar...”

Em outro texto sobre cinema, Fábio lembra o longa Tragam-me a cabeça de Alfredo Garcia, que, para ele, foi o melhor filme do diretor Sam Peckinpah.

Com belo projeto gráfico assinado por Isabel Lacerda, o livro tem prefácio assinado por Luiz Rosemberg Filho. Para ele, o cineasta mineiro é um ser indomável, entre falhas e afetos.

“Fábio filma com facilidade e escreve legitimando desobediências saudáveis. Incompreendido, sensível, sincero, é o que existe de mais legítimo de Minas para o Brasil”, afirma Rosemberg. 

 

PARÁBOLA DO VOO LIVRE

De Fábio Carvalho Editora Asa de Papel Crônicas, 253 páginas, R$ 30 . Lançamento hoje, a partir das 19h, no Café Book (Rua Padre Rolim, 616, Santa Efigênia). Informações: (31) 3224-5748.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS