CBL anuncia R$ 3,4 mi para promoção do livro brasileiro

Objetivo é desenvolver a competitividade da indústria editorial brasileira. Projeto intitulado Brazilian Publishers já conta com 55 editoras associadas

por Agência Estado 18/01/2013 13:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

reprodução / brazilianpublishers.com.br
(foto: reprodução / brazilianpublishers.com.br)
A Câmara Brasileira do Livro renovou na quinta-feira, 17, por mais dois anos, o contrato que firmou em 2008 com a Agência Brasileira de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para desenvolver a competitividade da indústria editorial brasileira. Serão investidos, entre 2013 e 2014, R$ 3,475 milhões em ações no Brasil e no exterior para a promoção do livro brasileiro - seja ele técnico, infantil, religioso ou literário. No biênio passado, esse investimento foi de R$ 1,850 milhão. No início do projeto Brazilian Publishers, não chegava a R$ 1 milhão. O recurso vem da Apex, com contrapartida da CBL.

Cresceu também o número de editoras associadas e, claro, as exportações de livros físicos e de direitos autorais. Em 2008 eram 23 editoras. Agora, o projeto já conta com 55. Elas pagam R$ 300 por mês e têm acesso a todas as iniciativas - recebem consultorias, participam de seminários e rodadas de negócios com especialistas e compradores de outros países, têm espaço no estande coletivo do Brasil em feiras internacionais e nas missões comerciais.

É a chance de editoras de pequeno porte, que não participariam de eventos internacionais, mostrarem sua produção e participarem desse momento de visibilidade do mercado editorial nacional. Em outubro, o Brasil será homenageado na Feira do Livro de Frankfurt, a mais importante do mundo. Em 2014, quem presta homenagem ao País é a Feira do Livro Infantil de Bolonha. No ano seguinte, o Salão de Paris. Em 2016, Londres terá o Brasil como país convidado e em 2017, Nova York.

Grandes casas também integram o grupo, que reúne, entre outras, Globo, Unesp. Edusp, Callis, Manole, Lafonte, Cosac Naify, Ática e Pallas.  No início do projeto, foi negociado mais de US$ 1,8 milhão. O ano de 2012 fechou com US$ 2,4 milhões.

Entre as mudanças previstas para este biênio estão a inclusão da Colômbia e a exclusão da Argentina como países-alvo. "Analisamos os números e percebemos que precisávamos considerar a Colômbia. Já com a Argentina encontramos barreiras na exportação e não vamos trabalhar o país agora", explica Dolores Manzano, gerente do projeto Brazilian Publishers. Além de organizar ações específicas para esses mercados, um grupo de editores do segmento CTP (Científico, Técnico e Profissional) e de não ficção participam, em abril, de uma missão na Feira do Livro de Londres. Outras duas, para o Chile e a Colômbia, estão programadas para o fim do ano.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS