Museu Histórico Abílio Barreto é diversão garantida no feriado

Casarão, futebol e alimentação da capital ao longo do tempo são atrações nessa viagem ao passado

01/01/2013 08:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Maria Tereza Correia/EM/D.A Press
Bonde da linha Padre Eustáquio exposto no Museu Histórico Abílio Barreto, na Cidade Jardim, boa opção de passeio neste feriado (foto: Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)

Quem quiser começar o ano fazendo um programa cultural terá diversão garantida no Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB). A instituição, que se dedica à memória da capital mineira, é ótima opção de passeio para turistas, crianças e belo-horizontinos nostálgicos dos tempos em que BH era conhecida como Cidade Jardim .

O casarão: da fazenda ao museu histórico da cidade é o nome de interessante mostra em cartaz. Ela se propõe a estimular a reflexão sobre os diversos usos do MHAB. Instalada no andar térreo, a exposição reúne, por exemplo, objetos do cotidiano (caneta, cadernetas, fotografias, quadros e mapas) para apresentar as transformações pelas quais a edificação passou – de sede de fazenda, no século 19, até se tornar museu, em 1943.

A “casa-grande” da Fazenda do Leitão foi construída em 1883. Ao longo de sua trajetória, experimentou distintos usos privados e públicos. Já ficou nas áreas rural e urbana de BH. Afinal de contas, o atual Bairro Cidade Jardim já foi “roça” e “periferia” da capital.

Em 1894, a antiga fazenda foi desapropriada pela Comissão Construtora da Nova Capital e se tornou propriedade pública. A partir de então, o casarão e seu entorno funcionaram como centro de pesquisas agronômicas da Secretaria de Estado da Agricultura e como viveiro de plantas e sementes. Também abrigaram a Colônia Agrícola Afonso Pena e um posto de veterinária e zootecnia.

Em 1938, a Prefeitura de Belo Horizonte adquiriu o imóvel e, três anos mais tarde, criou o Museu Histórico de Belo Horizonte. Oficialmente, ele foi inaugurado em 18 de fevereiro de 1943. Abílio Barreto foi seu primeiro diretor.

Em 1951, o casarão foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o que obriga o governo a preservá-lo enquanto patrimônio cultural.

No anexo do museu podem ser conferidas outras mostras: Belo Horizonte F.C, sobre a trajetória do futebol na capital mineira, e Cultura alimentar mineira: Do Curral del-Rei à nova capital.

MUSEU ABÍLIO BARRETO
Av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim, (31) 3277-8573. De terça-feira a domingo, das 10h às 17h (quarta e quinta, das 10h às 21h). Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS