Produção recente de Nelson Leirner é tema de livro

por Agência Estado 31/12/2012 20:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
"Da Monalisa ao Mickey, passando pela criação de um altar para o cantor Roberto Carlos ou de uma instalação de uma paca empalhada que voava, vários são os ícones que Nelson Leirner utiliza em sua arte sempre provocativa e irreverente. Professor de gerações “artista de artistas” e um dos criadores mais consagrados da arte brasileira, sua produção, entretanto, merece mais estudos e olhares, como afirma o curador Agnaldo Farias no texto de abertura do livro Nelson Leirner: A Arte do Avesso 1999 1-1999 13 (Andrea Jakobsson Estúdio, 232 págs., R$ 95), que acaba de ser lançado.

“Um curioso efeito produzido por uma obra cuja aparência é sempre carismática, deliciosamente próxima, dado que lida com objetos no geral fofinhos, álacres, familiares, ainda que subvertidos quanto à sua significação corriqueira, e que termina por ocultar aos olhos embevecidos suas sutis e incisivas camadas críticas”, assinala Agnaldo Farias.

O texto Abrindo o Jogo, de Agnaldo Farias, detém-se em dois trabalhos específicos do artista - Hobby, realizado desde 1995, é a coleção de peças de intervenções em convites de galerias, postais de museus e outros “produtos” do mundo artístico; e a sala especial do artista na 25.ª Bienal de São Paulo, de 2002, em que ele faz referência ao tema do jogo e ao campo da arte usando como mote uma partida velada de pingue-pongue (com o uso da mesa do esporte, uma peça em que colocou raquetes enfileiradas em caixa de acrílico e o som de uma partida).

Já o ensaio Quando o Tempo Pede Tempo: Nelson Leirner ou Das Vantagens de Ser 2000, da antropóloga Lilia Moritz Schwarcz, trata, como diz o próprio título, do fato de o consagrado e premiado artista estar em plena forma na “virada do século”."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS