Exposição mostra objetos do cotidiano como elementos poéticos

Mário Alex Rosa as leva letras a terem encontro com cadeados, garfos e tesouras

por Carlos Herculano Lopes 08/12/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Netum Lima/divulgação
Poema para a massa: diálogo criativo entre as palavras e os objetos (foto: Netum Lima/divulgação)

Poeta, professor de literatura e artista visual, Mário Alex Rosa expõe trabalhos na Galeria de Arte da Copasa. São 35 peças construídas a partir do diálogo entre a palavra e utensílios usados cotidianamente. A proposta da exposição, afirma o autor, é provocar o olhar do espectador para outras interpretações sobre o mesmo objeto.

Como frequenta lojas de utensílios domésticos – hábito adquirido na infância –, Mário Alex busca materiais comuns para reinventar esses produtos. “Gosto de objetos produzidos em série, como facas, garfos, colheres e tesouras. Tento trazê-los para as letras, dar a eles um novo contexto”, explica.

A relação entre texto e objeto sempre foi presente na atividade literária de Mário Alex. Autor de vários livros, entre eles o infantil ABC futebol clube e outros poemas (Bagagem), ele conta que tenta passar uma mensagem quase pedagógica. “Há a tentativa de reeducar o olhar das pessoas por meio das letras contidas nos utensílios e de mostrar que as palavras são a verdadeira fonte da educação”, observa.

Drummond

Netum Lima/divulgação
Em "O corte do poema", Mário Alex mescla referências literárias e visuais (foto: Netum Lima/divulgação)
Entre suas influências, Alex cita Carlos Drummond de Andrade e o artista catalão Joan Brossa. Uma das referências a Drummond pode ser vista em Trouxeste a chave?. Trata-se do objeto formado por cinco cadeados. Juntos, eles formam a palavra poema.

“Ao fazer uma analogia bem-humorada com o poema ‘Procura da poesia’, a peça lança o desafio de achar a chave certa que a abra para assim poder desvendar a poesia”, diz Mário Alex. A maioria das peças expostas está envolta em caixas de madeira, o que, para o artista, traz o caráter de sagrado.

Mário Alex se intitula artesão. Lembra que costuma usar técnicas mistas em suas construções, buscando valorizar o passado. “Serro, uso decalques e letrinhas de macarrão. Temos a mania de achar que arte se limita à pintura e à tela. Não é bem assim”, conclui.

MEUS UTENSÍLIOS
Trabalhos de Mário Alex Rosa
Local: Galeria de Arte da Copasa
Endereço: Rua Mar de Espanha, 525, Santo Antônio
Diariamente, das 8h às 19h. Até 6 de janeiro
Informações: (31) 3250-1069

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS