Ballet Jovem Palácio das Artes estreia novo espetáculo nesta quarta-feira, no Grande Teatro

Coreografia de Peter Lavratti buscou inspiração em obras do escultor Auguste Rodin

por Ana Clara Brant 31/10/2012 08:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Paulo Lacerda/Divulgação
Em alguns momentos, o espetáculo Frágil? parece realmente reproduzir esculturas de Rodin (foto: Paulo Lacerda/Divulgação)
 

 

Frágil? Esse é o questionamento que o Ballet Jovem Palácio das Artes fará ao público que comparecer nesta quarta-feira ao Grande Teatro. A pergunta dá também nome ao espetáculo do grupo de dança da Fundação Clóvis Salgado, que estreia logo mais e tem concepção coreográfica de Peter Lavratti, bailarino da Cia. de Dança Palácio das Artes.

 

Segundo a diretora artística do grupo, Andréa Maia, o coreógrafo se inspirou em imagens do escultor francês Auguste Rodin (1840–1917) e ao longo do processo de desenvolvimento da montagem, que apresentará uma série de movimentos sobre o tema “relação”, buscou ouvir a opinião dos bailarinos, propondo-lhes perguntas como “o que entendiam como relação?” e “o que identificariam como frágil nas relações?”.

“O Lavratti fez uma pesquisa gestual com as imagens de Rodin e daí as coisas se desenrolaram. Ao mesmo tempo em que as relações são fortes, elas são frágeis; é um paradoxo interessante e por isso esse questionamento”, explica Andréa. Por isso, a coreografia traz momentos fortes de paixão, fragilidade e sensibilidade, características de todo relacionamento, e foi criada a partir da música Piano works, de Craig Armstrong.

REPERTÓRIO Além de Frágil?, o Ballet Jovem apresenta mais dois espetáculos que mostram um pouco do trabalho que o grupo desenvolve desde 2007, quando foi criado: Goldberg, de 2011, e Contracapa, de 2009, um dos grandes sucessos da companhia. Com concepção e coreografia de Tíndaro Silvano, a primeira leva ao palco as Variações de Goldberg, composição de Bach, de 1741, com versão em ritmo de jazz executada por Jacques Loussier Trio. Apresentada pela primeira vez em novembro do ano passado, a montagem já foi vista por mais de 4 mil pessoas e venceu os prêmios de Melhor Bailarino, Melhor Concepção Coreográfica e Maior Público de Dança no Usiminas/Sinparc 2012.

Contracapa — uma das obras mais vistas do repertório do Ballet Jovem, com público superior a 13 mil pessoas — tem uma trilha que conquista logo de cara. Criada a partir de sete canções dos Beatles, a produção tem coreografia de Cassilene Abranches, iluminação e cenário de Gabriel Pederneiras e figurinos de Janaína Castro, e surgiu a partir de um intercâmbio realizado entre o Ballet Jovem e o Grupo Corpo. No palco, duplas lembram John Lennon e Paul McCartney, e quartetos se apresentam recordando os movimentos dos músicos em cima do palco, de forma que todo o espaço seja preenchido com as diversas formações coreográficas.

A coreografia deu a Amanda Santana o prêmio de Bailarina Revelação no Sesc/Sated 2009 e no Usiminas/Sinparc 2009, e a Bruno Rodrigues o prêmio de Bailarino Revelação no Usiminas/Sinparc 2009. “Desde que assumi a direção do Ballet Jovem, tento ao máximo diversificar a linguagem e ao mesmo tempo inserir os jovens no mercado de trabalho”, ressalta Andréa Maia. “Os bailarinos são muito abertos a tudo e isso facilita o processo. Acredito que o público vai ter uma amostra da diversidade que temos produzido ao longo deste tempo, além de conferir algo inédito que é Frágil?”.

 

 

TRAJETÓRIA Um dos grupos profissionalizantes da Fundação Clóvis Salgado, o Ballet Jovem foi criado em 2007, em parceria com o Instituto Unimed-BH, com o objetivo de preparar bailarinos com idade a partir de 15 anos para atuar em grupos profissionais. Ao longo dos seus cinco anos, vários de seus integrantes foram contratados por outras companhias, como Grupo Corpo, Camaleão Grupo de Dança e Cia. Mário Nascimento, de Belo Horizonte, e ainda a Cia. de Dança de Caxias do Sul e o Balé Teatro Guaíra (Curitiba) e até mesmo do exterior – de Atlanta (EUA), Canadá e Salzburgo (Áustria). Em 2010, a direção artística e de ensaios foi assumida pela bailarina Andréa Maia. Solista do Ballet da Cidade de São Paulo por 22 anos, ao longo de sua carreira ela realizou trabalhos com renomados coreógrafos e professores nacionais e internacionais.

 

 

Vem aí…

Nos dias 9, 10 e 11 de novembro, o Ballet Jovem Palácio das Artes vai dar mais uma prova de como o trabalho desenvolvido pelo grupo tem sido diversificado. Depois de participarem da ópera A viúva alegre, encenada este mês no Palácio das Artes, a mostra RSVP, resultado de um intercâmbio cultural entre o grupo da Fundação Clóvis Salgado e o Dança Jovem, do Centro Artístico de Dança, será apresentada no Espaço Cultural Ambiente, na Serra.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS