Livros explicam a trajetória do grafite no Brasil e no mundo

Enquanto o inglês Banksy provoca a sociedade globalizada, brasileiros usaram as ruas para contestar a ditadura

por Walter Sebastião 30/10/2012 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Intrínseca/reprodução
Banksy, que não se deixa fotografar e não dá entrevista, interfere na cena das metrópoles (foto: Intrínseca/reprodução)
O grafite, a mais popular (e polêmica) das manifestações das artes visuais, ganha dois livros importantes. Banksy – Guerra e spray (Intrínseca) reúne trabalhos e reflexões do mais famoso representante dessa linguagem atualmente: o inglês Banksy. Estética marginal volume #02 (Zupi), por sua vez, traz biografia e documentação dos pioneiros no Brasil. Leia mais: Grafite une realidades em comunidade de Belo Horizonte “Essa expressão contemporânea está presente no mundo inteiro, gera polêmica e promove discussão sobre a cidade, seja ela BH, Paris ou Barcelona”, afirma José Marcius de Carvalho Vale, coordenador do projeto Guernica. Voltado para a reflexão sobre a imagem na capital mineira, o programa oferece oficina sobre história da arte e grafite. De acordo com José Marcius, o discurso sobre grafite se concentra no aspecto estético, mas é mais do que isso. “Quando praticado com responsabilidade, ele tem dimensão ética e política, apresenta a cidade como local das diferenças”. O desenho de Banksy discute costumes e repressões", lembra o coordenador do Guernica. “Foi mérito dos pioneiros brasileiros, no tempo da ditadura, fazer arte sem pedir licença a ninguém”, ressalta Vale. O primeiro volume de Estética marginal é dedicado à produção contemporânea brasileira. Os próximos serão uma antologia da street art sobre artistas contemporâneos e sobre as grafiteiras. “Apesar de não serem muitas, já há bastante grafiteiras”, conta o editor Allan Szacher. LENDA URBANA? Banksy age clandestinamente. Só tira foto com o rosto coberto e não dá entrevista, pois na Inglaterra o grafite é proibido. Há quem afirme que ele se chama Robert Banks, nasceu em Bristol e tem cerca de 30 anos. Suspeita-se que sob esse nome exista um coletivo de street art. Os textos de Guerra e spray, informa a editora, foram escritos exclusivamente para o livro. No site www.banksy.co.uk, o artista nega ligação com livros e até com o próprio site. Seja quem for, com seu humor fino e imagens de alta qualidade, Banksy é autor de proezas. Guerras, o controle social, a passividade das pessoas e a estética convencional são alvos dele. Numa jaula de zoológico, ele grafitou: “Riam agora, mas no futuro estaremos no comando” e “sou uma celebridade, me tire daqui”. Fazem sucesso e geram controvérsia réplicas de obras de arte adulteradas por Banksy, instaladas clandestinamente em alguns dos mais importantes museus do mundo, como o Louvre francês ou o Tate londrino. “É preciso muita coragem para, numa democracia ocidental, erguer-se anonimamente e clamar por coisas em que ninguém mais acredita, como paz, justiça e liberdade”, afirma o livro Banksy – Guerra e spray. Outra provocação perspicaz: “A TV fez com que o ato de ir ao teatro parecesse sem sentido. A fotografia praticamente matou a pintura, mas o grafite continua gloriosamente intocado pelo progresso”. BRASIL Estética marginal volume # 02, organizado e editado por Allan Szacher, traz biografias e documentação de pioneiros como Alex Vallauri, Carlos Matuck, Waldemar Zaidler, John Howard, José Carratu, Júlio Barreto, Hudnilson Júnior e Maurício Villaça, entre outros. Na década de 1980, durante a ditadura militar, essa turma saía à noite para grafitar nas paredes paulistanas. “Essa geração teve a coragem de fazer arte proibida, criando movimento que se espalhou por todo o país. São imagens simples, mas espetaculares”, conta Szacher. O grafite se expandiu, ficou mais trabalhado e se popularizou, mas perdeu o jeito brasileiro e se tornou mais autoexpressão do que arte, acredita o editor. “A primeira geração tem linguagem minimalista, engraçada, crítica e sutil” – características do inglês Banksy que os brasileiros exercitaram antes dele. “Por falta de visão, Banksy é sucesso em todo o mundo e a nossa produção desconhecida”, lamenta Szacher. No Brasil, quem introduziu o grafite como manifestação de arte foi Alex Vallauri (1949-1987), respeitado artista plástico e conhecido por pesquisar a visualidade kitsch. São dele imagens antológicas, como a bota feminina de cano e salto altos – o primeiro grafite visto nas paredes paulistas. Vallauri também criou a personagem Rainha do Frango Assado, um clássico. Em 1985, convidado para expor na Bienal de São Paulo, Vallauri levou os colegas grafiteiros para a mostra. Palavra de especialista HUDMILSON JR. - Artista plástico e grafiteiro O grafitossauro “Começamos durante a ditadura militar, em São Paulo. O grafite foi uma maneira de soltar o que sentíamos e não podíamos colocar em lugar nenhum. Foi tudo espontâneo, mas realizado com consciência artística. A atitude de ocupar a cidade foi prolongamento de intervenções urbanas que fazíamos com o grupo 3Nós3, em tempos de falta de galerias, que se fechavam aos jovens artistas. Ir para a rua foi certo. Era espaço público, ideal para nós, que queríamos cativar as pessoas para a arte. Usávamos o grafite para entender, dialogar e discutir o espaço público. Hoje, falo diretamente do ‘Grafite Jurassic Park’, pois sou um grafitossauro, mas sinto falta de atenção com o que fizemos. Só em 2011 Alex Vallauri ganhou um livro. Hoje, temos artistas interessantes, mas o grafite perdeu o tom contestador. Virou marketing”.

BANKSY – GUERRA E SPRAY

 

>> Editora Intrínseca >> 48 páginas, R$ 50

 

ESTÉTICA MARGINAL VOLUME # 02

>> Editora Zupi >> 168 páginas. Volume disponível para assinantes da Revista Zupi, cuja assinatura custa R$ 70. Informações: www.zupi.com.br

 

 



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS