Ballet Jovem Palácio das Artes estreia Frágil?, sua nova coreografia

Espetáculo será apresentado no Grande Teatro do Palácio das Artes nos dias 31 de outubro e 1° de novembro

por Agência Minas 22/10/2012 10:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

NANDO OLIVEIRA/ESP. EM/D.A PRESS. DIVINOPOLIS
(foto: NANDO OLIVEIRA/ESP. EM/D.A PRESS. DIVINOPOLIS)
Um dos grupos jovens profissionalizantes da Fundação Clóvis Salgado, o Ballet Jovem Palácio das Artes, estreia nos próximos dias 31 de outubro e 1º de novembro, em apresentações no Grande Teatro do Palácio das Artes, às 21h, sua mais nova coreografia, Frágil?. Com concepção coreográfica de Peter Lavratti, bailarino da Cia. de Dança Palácio das Artes, a montagem será apresentada junto a duas outras coreografias de sucesso do grupo: Goldberg, de Tíndaro Silvano, de 2011; e Contracapa, coreografia de Cassilene Abranches, de 2009. Os ingressos para as apresentações estão à venda a R$10 (inteira) e R$5 (meia) na bilheteria do Palácio das Artes, pelo site ingresso.com ou pelo telefone 4003-2330. Frágil? (9 minutos) Coreografia inédita que abre o espetáculo, Frágil? será apresentada integralmente ao público pela primeira vez. Desenvolvida desde o início de 2012, a montagem leva ao palco um ballet contemporâneo, criado a partir da música Piano Works, de Craig Armstrong. Ao longo do processo de desenvolvimento da montagem, que apresentará uma série de movimentos sobre o tema “relação”, o coreógrafo Peter Lavratti buscou ouvir a opinião dos bailarinos, propondo-lhes perguntas como “o que entendiam como relação?” e “o que identificariam como frágil nas relações”. A partir do material recolhido, influências da obra do escultor francês Auguste Rodin foram inseridas no processo. Foi proposto aos bailarinos um estudo sobre os trabalhos do artista, levando em conta as facetas dos corpos retratados, suas curvas, a força que representavam associada aos mínimos – e frágeis – detalhes. Ao final do processo, a criação reúne momentos fortes, de paixão, fragilidade e sensibilidade, que são características de todo relacionamento. Somado a isso, a coreografia estabelece diálogos possíveis entre dança, música e imagem, apresentada na projeção de uma chuva, que, segundo o coreógrafo, “representa a fluidez, o movimento, uma queda leve e ao mesmo tempo impactante”. Responsáveis pela criação dos figurinos, os bailarinos William Di Paula – formado no curso de dança do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar), onde cursou a disciplina de caracterização cênica –, e João Paulo de Castro – este último que interpreta, também, o segundo solo da coreografia – tiveram como principal inspiração as esculturas de Rodin. No palco, figurinos escondem e ao mesmo tempo evidenciam o corpo humano através do uso de transparências. Na paleta de cores, predomina o verde, o marrom e o bege, lembrando as esculturas. Goldberg (30 minutos) Com concepção e coreografia de Tíndaro Silvano, Goldberg leva ao palco as Variações de Goldberg, composição de Johann Sebastian Bach, de 1741, com versão em ritmo de jazz executada por Jacques Loussier Trio. No palco, uma coreografia “que demonstra um ambiente nervoso, inquieto, no qual a sensação de incômodo provocada pela insônia serve de inspiração para a criação para a movimentação apresentada”, nas palavras do coreógrafo. Apresentada pela primeira vez em novembro de 2011, a coreografia já foi vista por mais de 4 mil pessoas e venceu os prêmios de Melhor Bailarino, Melhor Concepção Coreográfica e Maior Público de Dança no Usiminas/Sinparc 2012. Contracapa (25 minutos) Montada a partir de sete canções dos Beatles, Contracapa tem coreografia de Cassilene Abranches, iluminação e cenário de Gabriel Pederneiras e figurinos de Janaína Castro, e foi criada a partir de um intercâmbio realizado entre o Ballet Jovem Palácio das Artes e os integrantes do Grupo Corpo. No palco, duplas lembram John Lennon e Paul McCartney, e quartetos se apresentam recordando os movimentos dos músicos em cima do palco, de forma que todo o espaço seja preenchido com as diversas formações coreográficas. A trilha sonora ficou a cargo do músico Cecelo Frony, que deu forma estritamente instrumental às músicas dos Beatles. Uma das obras mais vistas do repertório do Ballet Jovem, com público superior a 13 mil pessoas, a coreografia deu à bailarina Amanda Santana o prêmio de Bailarina Revelação no SESC/SATED 2009 e no Usiminas/Sinparc 2009 e ao bailarino Bruno Rodrigues o prêmio de Bailarino Revelação no Usiminas/Sinparc 2009. Serviço: Ballet Jovem Palácio das Artes estreia Frágil?, de Peter Lavratti

Espetáculo: Frágil?GoldbergContracapa

Data: 31 de outubro e 1° de novembro

Horário: 21h

Local: Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1537 – Centro – Belo Horizonte)

Duração: 1h30

Classificação Livre

Ingressos: R$10 (inteira) e R$5 (meia)



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS