Peça de Mário Bortolotto questiona a relação do homem com a sociedade moralista e marcada pela intolerância

Fernando Couto e Caio Cézar interpretam veterano e jovem às voltas com tragédias individuais

por Sérgio Rodrigo Reis 06/09/2012 10:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Danielle Fortunato/ Divulgação
(foto: Danielle Fortunato/ Divulgação)
 
O conflito do ser humano consigo mesmo e com o meio em que vive instigou o dramaturgo Mário Bortolotto a escrever Homens, santos e desertores. Coeso, visceral e incômodo, o texto ganhou versão mineira, que estreia nesta quinta-feira, no Teatro Sesi-Holcim, propondo uma espécie de “tapa na cara” daqueles que ousam julgar e culpar o próximo.
“Esse texto é para o público que tem coragem de se ver retratado naquilo de mais escondido: o fracasso”, avisa o ator Fernando Couto, um dos responsáveis pelo projeto. Dois amigos de gerações diferentes estão em cena: o homem de meia-idade (Fernando Couto) e o jovem (Caio Cézar) – ambos em busca de autoconhecimento.
Nessa relação de amizade e descoberta, os dois revelam angústias, problemas existenciais e esperanças diante da sociedade moralista, individualista e intolerante. O humor ácido permeia as cenas. Entre uma mazela e outra, a dupla expõe os respectivos núcleos familiares e tragédias individuais. O jovem vê no mais experiente a oportunidade de conhecer melhor a vida. O veterano se incomoda ao perceber as escolhas do amigo e decide ajudá-lo. “A trama dá uma virada quando tenta fazer o garoto encarar a vida como deve ser”, revela Couto. 
Mário Bortolotto vai além dos clichês para tratar de questões como maturidade, revolta e redenção. Ele propõe uma reflexão sobre a possibilidade de mudança por meio da rebeldia.
“A grande função das artes é pôr o ser humano à mostra. Esse texto leva o homem universal para a cena, tanto que os personagens não têm nome”, explica Fernando Couto. 
 
HOMENS, SANTOS E DESERTORES
Estreia da peça de Mário Bortolotto, com Caio Cézar e Fernando Couto. Teatro Sesi-Holcim (Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia). Sessões até dia 16. Quinta e sexta-feira, às 20h; sábado, às 21h; e domingo, às 19h. Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia) e R$ 12 (postos do Sinparc). Classificação: 14 anos. Informações: (31) 3241-7181. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS