Carioca Alan Minas estreia em filme rodado na Zona da Mata

Longa-metragem 'A família Dionti' conta com a participação de atores e técnicos mineiros, para abordar com lirismo uma paixão juvenil

por Mariana Peixoto 30/03/2017 07:00

Caraminhola Filmes/Divulgação
(foto: Caraminhola Filmes/Divulgação)
É possível derreter de amor? Entre os integrantes da família Dionti isso é um tanto comum. A mãe já se liquifez. Agora é seu filho mais novo, Kelton, quem corre esse risco.


Primeiro longa-metragem ficcional de Alan Minas, A família Dionti, que estreia hoje em Belo Horizonte e Juiz de Fora, é puro realismo mágico. Com um mote universal muito explorado pelo cinema, a descoberta do amor, o cineasta realiza uma narrativa atemporal que foge dos lugares-comuns justamente pelo fantástico.

A produção, que venceu os prêmios de júri popular nos festivais de Brasília (2015) e Lisboa (2016), é ambientada em Minas Gerais. Com apoio do Polo Audiovisual da Zona da Mata, com sede em Cataguases, o filme tem locações em Leopoldina, Recreio, Muriaé, Dona Eusébia e na já citada Cataguases.

“Uma amiga que tinha um sítio na região me convidou para passar uns dias”, relembra Minas, que, a despeito do sobrenome, é do Rio de Janeiro. Ele foi, se encantou com a área e, ao saber do Polo Audiovisual, não demorou a fazer contato para tentar dar início ao projeto.

A família Dionti, com roteiro do próprio Alan Minas, nasceu a partir de uma imagem. “Tenho uma relação muito próxima com a pintura, que sempre me inspirou. Um dia me veio a imagem de um menino. A partir dele fiz um conto em que esse garoto se transformava, se derretia por amor”, relata. O conto nunca foi publicado, mas acabou dando origem a um argumento que veio redundar no filme.

Os Dionti são três homens: o pai, Josué (Antônio Edson, integrante do Grupo Galpão), seu filho primogênito, Serino (Bernardo Lucindo), e o caçula, Kelton (Murilo Quirino). A mãe já não mais está, e sua ausência incomoda os três – os garotos mal se lembram dela.

Vivem numa casinha simples na zona rural. Os garotos têm sonhos estranhos. Serino sonha seco e, quando acorda, seu travesseiro está cheio de terra. Kelton, por seu lado, transpira sem parar. Sua condição se agrava com a chegada de Sofia (Anna Luiza Marques) à escola. O pai da menina é dono de circo e ela, que vê o mundo de uma maneira muito pessoal, não se enquadra em nenhum padrão. Kelton cai de amores.

Abusando de longos planos e de cenas externas, Alan Minas vai construindo uma narrativa poética, de uma simplicidade apenas aparente. O diretor trabalhou com atores profissionais (o elenco ainda traz Gero Camilo como um médico um tanto charlatão), com amadores e também não atores. Estes aparecem em participações que têm um cunho quase documental.

O elenco infantojuvenil é formado por adolescentes de Cataguases e região que já faziam teatro amador – foram testados pelo menos duas centenas de adolescentes. Do trio central, é Murilo Quirino o destaque – sua interpretação, cheia de nuances, chega a destoar das outras.

“Houve um preparo com eles durante cinco meses. Tivemos muito cuidado com as palavras e com o jogo de cena, pois queria outro tipo de interpretação com este trabalho.” Alan Minas admite ter ficado “mexido” com o projeto. Ao todo, viveu por nove meses na região. Além de parte do elenco, muito do corpo técnico também veio da Zona da Mata. “Minha vontade era colocar todo mundo no filme. Aliás, Minas Gerais não cabe num filme só”, acrescenta o diretor.

Terminada a filmagem, Alan Minas comenta que voltou para o Rio de Janeiro com uma sensação de vazio. “Fiquei imerso na cultura mineira, no jeito de falar, de comer. Quando acabou, não sabia o que fazer, pois para mim a história não tinha terminado.”

Pois ele acabou escrevendo A família Dionti (Berlendis & Vertecchia Editores, 216 páginas, R$ 46), uma novela infantojuvenil que procura ir além do que se vê na tela. “No livro, aprofundei mais as tramas, trouxe personagens novos, como a mãe, criando uma teia”, acrescenta Alan Minas. Tais como seus personagens, ele também fez um caminho fora da curva.

 

Assista o trailer:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA