'Vida', a nova invasão extraterrestre de Hollywood

Filme exibido durante o SXSW dividiu a crítica, mas não deixa de resgatar clássicos da ficção científica

por AFP 23/03/2017 12:34
Sony Pictures/Reprodução
'Vida' chega aos cinemas brasileiros em abril. (foto: Sony Pictures/Reprodução )
Desde que Flash Gordon percebeu há oito décadas que os extraterrestres não chegavam em missão de paz, a humanidade sofre com o perigo da destruição nos filmes sobre invasões alienígenas.

Do clássico de Frederick Stephani de 1936, passando pela franquia Alien de Ridley Scott, que arrecadou 1,2 bilhão de dólares, até o mais recente Independence Day: O Ressurgimento, os heróis de mais de 500 filmes de invasão espacial se arriscaram - e morreram - de formas cada vez mais inovadoras.

A primeira grande produção de ficção científica de 2017 é Vida, do diretor sueco Daniel Espinosa.

Protagonizado por Jake Gyllenhaal, Ryan Reynolds e Rebecca Ferguson, o filme claustrofóbico conta a história de uma tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS) que combate uma espécie microscópica, mas de evolução rápida, que já provocou a extinção de Marte e agora ameaça a vida na Terra.

Life estreia na sexta-feira, 24, nos Estados Unidos e no dia 20 de abril nos cinemas do Brasil.

''O ritmo do roteiro é abrasador e aterrorizante. Quando eu estava lendo, tive alguns momentos em que fiquei muito ansioso, o que é um ótimo sinal'', disse Gyllenhaal à AFP.

''Não há nada que provoque mais medo do que algo que está apenas tentando sobreviver e que sabe um pouco mais que você'', afirmou Reynolds no lançamento mundial do filme, no festival South by Southwest (SWSW) em Austin (Texas), sábado passado. 

Na produção, o ator volta a trabalhar com os roteiristas de Deadpool, Rhett Reese e Paul Wernick. 
 
PODEROSO E HOSTIL  
As comparações com Alien, o Oitavo Passageiro - produção em que um extraterrestre persegue a tripulação de uma nave espacial - são inevitáveis, justamente quando Alien: Covenant, o sexto filme da série, tem previsão de estreia para maio.

''Quando Alien foi produzido estávamos na era pós-atômica, quando todos estavam olhando para o futuro. Os jovens de hoje vivem em um mundo tão caótico que eles não pensam muito no que pode acontecer dentro de 10 anos, muito menos 100 anos'', disse Espinosa.

O objetivo, completou o diretor, era criar uma trama verossímil, possível para a atualidade: um rover que descobre um organismo de uma célula em Marte e o transporta para a ISS, onde este cresce, ganha força e se torna hostil.

Para manter a trama dentro da ''realidade científica'', a produção consultou o geneticista britânico Adam Rutherford, que escreveu diversos livros sobre modificação genética e a criação de novas formas de vida.

A equipe do filme criou um organismo original que muda de forma e se adapta ao ambiente, além de conseguir imitar qualquer coisa com a qual entre em contato, ficando cada vez maior, mais forte e ameaçadora.

Para tornar a história mais convincente, o roteiro explica que o organismo não ficou exposto à radiação solar no planeta vermelho, e sim em hibernação.

As primeiras críticas foram divididas, com o Hollywood Reporter chamando o filme de ''decepcionante''

Outros textos celebraram a direção do longa-metragem e o elenco multicultural, que inclui os atores Hiroyuki Sanada, Ariyon Bakare e Olga Dihovichnaya
 
Confira o trailer de Vida:  
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA