Com heroína LGBT, versão século XXI dos Power Rangers chega ao cinema

Adaptação do seriado de TV que virou febre nos anos 90 estreia cercado de expectativas dos fãs

por Pedro Galvão 23/03/2017 08:00

Lionsgate/divulgação
Com armaduras mais modernas, eles estão de volta para proteger a Terra (foto: Lionsgate/divulgação )
Mastodonte, pterodáctilo, triceratopes, tigre-dente-de-sabre, tiranossauro. Para quem cresceu na década de 1990, esses nomes iam muito além da aula de história natural. A cada manhã, na faixa infantil da TV, eles eram invocados em sequência por cinco jovens que se transformavam nos Power Rangers. Era a “hora de morfar”. Com temática mesclando super-heróis, artes marciais, dinossauros, monstros do mal, extraterrestres, robôs gigantes e uma boa dose de humor pastelão, os personagens viraram febre entre a criançada. Mais de 20 anos depois, eles voltam aos cinemas com a adaptação da primeira temporada do seriado. Power Rangers estreia hoje nas salas de BH.

 


Remakes, reboots e outras formas de releituras cinematográficas de grandes sucessos da cultura pop estão na moda em Hollywood, há alguns anos. Quadrinhos, séries de TV, animações ou mesmo franquias famosas do próprio cinema vêm ganhando suas versões “século 21”, de olho no imaginário do público já fidelizado de cada título. Além do grande potencial de bilheteria, essas produções têm em comum o olhar criterioso dos fãs, cheio de expectativa e relações afetivas com cada história. Com Power Rangers não foi diferente.

Os trailers (assista abaixo) já fizeram dele um dos filmes mais aguardados de 2017. Os trajes coloridos, o robô Megazord, o android Alpha, o espectro Zordon e a vilã intergalática Rita Repulsa causaram frenesi nas redes sociais. Ficava a dúvida sobre qual recorte o filme teria e que outros elementos do seriado estariam presentes.

GÊNESE

Produzido pela Lionsgate, sob direção do jovem Dean Israelite, cuja filmografia ainda não apresenta títulos muito conhecidos, o longa se concentra na gênese da história. A maior parte da trama mostra como cinco jovens da Alameda dos Anjos se tornam amigos e são escolhidos por Zordon para combater o mal. A origem do próprio Zordon e da antagonista Rita Repulsa, que desperta depois de uma hibernação de milhões de anos para destruir a Terra, também é revelada.

É como se fosse a versão estendida do episódio de estreia da primeira temporada de Might Morphin Power Rangers, lançada nos EUA, em 1993. Dois anos depois, a série norte-americana, inspirada na franquia japonesa Super Sentai, chegou à TV aberta brasileira pela Rede Globo. Na atração voltada para o público infantojuvenil, os protagonistas Jason, Billy, Kimberly, Trini e Zack já começavam amigos – rapidamente, foram escolhidos para assumir as identidades dos rangers Vermelho, Azul, Rosa, Amarelo e Preto, respectivamente.

 

Confira os horários de exibição de power Rangers nos cinemas de BH, Contagem e Betim

 

Excluídos 

Se na televisão os jovens heróis eram populares na escola e bem resolvidos na vida, no lançamento que agora chega à telona ocorre o contrário. São cinco excluídos, envolvidos com algum tipo de delito ou problema familiar. Jason (Dacre Montgomery) tinha tudo para se tornar astro do futebol americano, mas se envolve em um crime de trânsito. Trini (Cecky G) é lésbica e reprimida pela família, enquanto Kimberly (Naomi Scott) foi condenada por agredir o ex-namorado e “vazar” fotos íntimas de uma amiga que estaria se relacionando com ele. Órfão do pai, Billy (R. J. Cyler) é um nerd perseguido na escola e Zack (Ludi Lin) tem de cuidar da mãe gravemente doente.

O destino deles se cruza e, por acaso, descobrem as moedas do poder, conhecem Alpha e Zordon escondidos em uma mina de ouro e recebem a missão de proteger o planeta. Para se tornar rangers eles devem treinar e, em grupo, superar os problemas pessoais para conseguir “morfar”, ou seja, transformar-se em rangers. Apenas no terço final do filme entram cenas de luta e ação envolvendo o quinteto e seus super-robôs de dinossauros contra os bonecos de massa e o monstro Goldar, comandado pela vilã Rita. Um roupagem um pouco mais madura e realista, mas sem abrir mão da fantasia que sustenta o enredo.

Com muito mais recursos tecnológicos do que há 25 anos, as novas aventuras passam longe da simplicidade rudimentar de figurinos e efeitos – marca registrada das primeiras versões da série. Além disso, o humor infantilizado que se via na TV, especialmente nas figuras dos punks trapalhões Bulk e Skull, é deixado de lado, assim como esses personagens, que nem sequer aparecem. No entanto, tiradas engraçadinhas e piadas envolvendo outros filmes e assuntos contemporâneos, no estilo Universo Marvel, dão novo tom à saga. No final, fica para o fã a expectativa por uma sequência e a sensação de uma nova força no leque de franquias hollywoodianas.

 

Comparativo

Você se lembra da primeira temporada de Power Rangers? Quer saber como Jason, Billy, Kimberly, Zordon, Rita Repulsa e o Megazord estão no fimle? Confira: 

 

 

Quem ficou de fora

Sentiu falta de alguém? De fato, alguns personagens emblemático da série não apareceram no filme, veja quais são:

 

Curiosidades 

O Zordon parece familiar? Há alguma semelhança entre as atrizes que fazem a Ranger Rosa na Tv e no cinema? COnfira algumas curiosidades sobre o filme:

 

 

Ainda não viu o trailer? Confira:

 

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA