Primeiro longa nacional inspirado na Lava-Jato assume perspectiva dos investigadores

EM acompanhou filmagem da cena da prisão de Marcelo Odebrecht

Ique Esteves/Divulgação
Na força-tarefa policial, a atriz Flávia Alessandra é Beatriz, personagem inspirada na delegada Erika Marena; Bruce Gomlevsky (D) vive Julio César (delegado Márcio Anselmo) e Antonio Calloni (E) interpreta Ivan Romano (delegado Igor Romário de Paula) (foto: Ique Esteves/Divulgação )

Rio de Janeiro
– O cenário é o interior de uma grande mansão. Uma batida forte na porta e o homem branco, de aparência cansada, usando óculos e com calvície proeminente, abre a porta. O personagem em questão é o empresário Marcelo Odebrecht. “Eu já esperava por vocês”, diz ele aos agentes da Polícia Federal (PF), devidamente uniformizados. Até aquele que ganhou a alcunha de ‘’Hipster da Federal’’, com seu coque alourado, está presente, embora no episódio real fosse o “Japonês” a conduzir o acusado.


A cena da prisão do empreiteiro, condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa no âmbito das investigações da Operação Lava-Jato, é uma das últimas rodadas pela equipe de filmagem de Polícia Federal: a lei é para todos, a primeira produção cinematográfica sobre a maior força-tarefa policial da história do país.

Com previsão de lançamento para julho deste ano e toda a fase de montagem e pós-produção por vir, o projeto aborda um tema que segue em curso no mundo real. No entanto, o roteiro do primeiro filme de uma pretensa trilogia compreende apenas as fases iniciais da operação, que vem chacoalhando o Brasil desde 2014. “O brasileiro acessa as informações da Lava-Jato sempre pós-fato, pela imprensa. Nós queríamos contar essa história do ponto de vista da investigação, mostrar como as coisas foram descobertas, pouca gente sabe do início dela, de como esse quebra-cabeça se formou. Por isso traçamos um recorte que termina num dos pontos mais nevrálgicos do processo, que foi a condução coercitiva do Lula”, afirma o diretor Marcelo Antunez, que filma seu primeiro thriller depois de emplacar algumas comédias de boa bilheteria, como Até que a sorte nos separe 3 e Qualquer gato vira-lata 2, sempre em parceria com Roberto Santucci.
Ique Esteves/Divulgação
Marcelo Serrado assumiu o papel do juiz Sergio Moro (foto: Ique Esteves/Divulgação )

A cena final tem Ary Fontoura no papel do líder petista, levado de seu apartamento em São Bernardo do Campo até o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, onde prestou depoimento, em março do ano passado. A presença de figuras como Lula e Sergio Moro, interpretado por Marcelo Serrado, na remontagem de situações que dividiram a opinião pública tão fervorosamente, torna a produção polêmica mesmo sem nenhuma imagem do filme ter sido divulgada. Os responsáveis pelo investimento de quase R$ 15 milhões no longa preferiram manter seus nomes em segredo, o que alimenta reações desconfiadas sobre o propósito do projeto.

“IMPARCIALIDADE” “Acho que a imparcialidade existe na intenção. Nossa intenção é não politizar. Estamos fazendo um filme de entretenimento, embora fale sobre um tema político, mas tomamos cuidado para não usar o filme como um veículo de posicionamento. Queremos contar a investigação de uma forma organizada, diferente do que se vê nos jornais todos os dias”, diz o diretor.

O mentor do filme é o produtor Tomislav Blazic. Ele minimiza o fato de os investidores preferirem o anonimato e ressalta a importância de levar o assunto para a telona: “Nós inscrevemos o projeto na Ancine (Agência Nacional do Cinema) para captar recursos via lei de incentivo, mas achamos melhor não envolver dinheiro público, justamente para tornar mais idôneo. Todos os investidores passaram pela cláusula de compliance, que garante a origem legal dos recursos, e aí é um direito de quem investe manter sua privacidade”.

Para formatar o ponto de vista dos policiais, a equipe foi até Curitiba, sede da operação, conversar com oficiais da PF e colher detalhes dos bastidores da investigação. “Como as informações são muito pulverizadas na mídia, fomos direto à fonte. Os documentos e as denúncias são públicos, mas é muito difícil garimpar dentro desse mar de informação. Queríamos entender melhor o processo, pensando na composição dos personagens. Por isso fomos lá e fizemos entrevistas, um processo corriqueiro de qualquer biografia”, afirma o diretor.

Se Lula, Odebrecht e Moro são representados por atores com aparência semelhante à de seus personagens, os protagonistas são parcialmente fictícios. Antonio Calloni, Bruce Gomlevsky e Flávia Alessandra interpretam oficiais da PF inspirados em vários agentes. “O Calloni faz o coordenador da Lava-Jato, que é o delegado regional de combate ao crime organizado do Paraná, Igor Romário de Paula. Entrevistamos o Igor e o usamos para compor o personagem, com sua personalidade, gestual etc. Mas o conjunto de ações é fictício. É uma junção de várias figuras, porque são mais de 50 delegados, não dava para colocar todos no filme”, diz Antunez.

Na cena da prisão de Marcelo Odebrecht, quem conduz a operação é o delegado Júlio César. Postura firme, semblante sério, acompanhado de seus homens, ele ordena a revista completa na residência dos Odebrecht, enquanto o empresário se mostra surpreendido com o procedimento. “O senhor não está entendendo, isso é um mandado de busca e apreensão. A partir de agora, o senhor não vai a lugar algum sozinho”, diz o delegado ao empresário, que pedia para os agentes aguardarem na sala, enquanto ele iria acordar seus filhos.

Para construir seu personagem, inspirado no delegado federal Márcio Anselmo, um dos pioneiros da operação, o ator Bruce Gomlevsky acompanhou de perto a rotina dos oficiais em Curitiba. “No filme, o delegado Júlio César é um dos principais investigadores. Ele começou a Lava-Jato ao descobrir a nota fiscal da Land Rover que o (Alberto) Youssef deu de presente para o Paulo Roberto Costa. A partir daí, descobriu-se o esquema da Petrobras. A gente fez um período de 10 dias em Curitiba, conheci vários agentes, conversei com eles, entendi o dia a dia deles”, conta.

REFLEXÃO Mais acostumado a atuar em comédias, tanto na TV como no cinema, além de ter interpretado o músico Renato Russo em um especial teatral na última década, Bruce está confiante em que o longa oferecerá uma oportunidade de reflexão ao público sobre o assunto: “Pessoalmente, acredito que ainda vão aparecer fatos de todos os partidos, gente do PSDB, do PMDB, do PT. Quando vierem à tona as delações da Odebrecht,  (a operação) vai convencer até mesmo quem é contra ela. Nunca se prendeu empresário dessa magnitude no país, políticos, diretores de estatais. Acho importante para o combate à corrupção e, é claro, que tem que ser imparcial”, afirma.

Quando o filme for lançado, Marcelo Odebrecht ainda deverá estar atrás das grades. Preso desde 2015 e condenado a 19 anos, ele ficará detido pelo menos até o fim deste ano, mesmo com o acordo de delação premiada que fez recentemente. Se os delegados da PF puderam passar pessoalmente detalhes para os atores, o mesmo não ocorreu em relação aos investigados que aparecem no longa.

“Fico até meio constrangido, porque é um problema humanitário acima de tudo, sem fazer nenhum julgamento. Imagino o drama que essa família está vivendo”, diz o ator Leonardo Medeiros, que se baseou nas imagens divulgadas pela mídia para interpretar o empresário: “Acompanho o noticiário. Sempre fiquei muito impressionado com as imagens dele. Parece um cara muito frio e, só pelas coisas que a gente vê do comportamento dele, já dá um material muito bom para trabalhar.”

Em Polícia Federal: a lei é para todos, a estrela principal é a própria investigação. “Não se trata de um filme de personagem. É um filme de história e de multiprotagonismo. As ações são diluídas entre várias pessoas e tomamos o cuidado de não transformar ninguém em herói”, afirma o diretor, que compara seu longa ao vencedor do Oscar do ano passado: “Nosso filme dialoga com Spotlight, embora sejam temas diferentes, investigados lá por jornalistas e, aqui, por delegados. As investigações são igualmente feitas com mais trabalho de escritório do que ação na rua”, argumenta.

* O repórter viajou a convite da produção do filme

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA